Phantasmas

  • Raluca Soreanu
Chapter
Part of the Studies in the Psychosocial book series (STIP)

Abstract

In this chapter, Soreanu looks at the phantasmas that haunt the Brazilian present time, and that cause not only the denial of the societal violence of the distant past, but also the traumatic forgetfulness of the recent past. The chapter discusses the particular phenomena of memory that account for the place that the June 2013 uprising occupies in Brazilian political imaginaries. Alongside this traumatic forgetfulness, the chapter discerns ‘memory sites’ where the collective organises its frames for mourning.

References

  1. Arantes, P. (2014). O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  2. Benjamin, W. (1940). Theses on the philosophy of history. In H. Arendt (Ed.), Illuminations (trans: Zohn, H.). London: The Bodley Head, 2015.Google Scholar
  3. Birman, J. (2009). Cadernos sobre o mal: agressividade, violência e crueldade. São Paulo: Civilização brasileira.Google Scholar
  4. Cardoso, I. (2001). Para uma crítica do presente. São Paulo: Editora 34.Google Scholar
  5. Cava, B., & Cocco, G. (Eds.). (2014). Amanhã vai ser maior: o levante da multidão no ano que não terminou. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  6. Cocco, G. (2014a). Korpobraz: por uma política dos corpos. Rio de Janeiro: Mauad X.Google Scholar
  7. Comissão Nacional da Verdade. (2014a). Relatório da Comissão Nacional da Verdade (Vol. 1). Brasília. http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_1_digital.pdf
  8. Comissão Nacional da Verdade. (2014b). Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Textos temáticos (Vol. 2). Brasília. http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_2_digital.pdf
  9. Comissão Nacional da Verdade. (2014c). Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Mortos e desaparecidos politicos (Vol. 3). Brasília. http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_3_digital.pdf
  10. Comparato, B. K., & Sarti, C. (2012). Amnesty, memory, and reconciliation in Brazil: Dilemmas of an unfinished political transition. Paper presented at the International Studies Association Annual Convention, San Diego.Google Scholar
  11. Cunha, P. R. D. (2010). Militares e anistia no Brasil: um dueto desarmônico. In E. Teles & V. Safatle (Eds.), O que resta da ditadura (pp. 15–40). São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  12. Kehl, M. R. (2010). Tortura e sintoma social. In E. Teles & V. Safatle (Eds.), O que resta da ditadura (pp. 123–132). São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  13. Kusinski, B. (1982). Abertura: a história de uma crise. São Paulo: Editora Brasil Debates.Google Scholar
  14. Mercadante, P. (1980). A consciência conservadora no Brasil: contribuição ao estudo da formação brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.Google Scholar
  15. Morin, E., Lefort, C., & Coudray, J. M. (1968). Mai 68. La brèche: premières réflexions sur les évènements. Paris: Fayard.Google Scholar
  16. Pilatti, A. (2014). O ano das maravilhas e dos pesadelos. In B. Cava & G. Cocco (Eds.), Amanhã vai ser maior: o levante da multidão no ano que não terminou (pp. 51–64). São Paulo: Annablume.Google Scholar
  17. Ricoeur, P. (1975). As culturas e o tempo. Petrópolis: Editora Vozes.Google Scholar
  18. Sarlo, B. (1985). Uma alucinação dispersa em agonia. Novos Estudos CEBRAP, 11, São Paulo.Google Scholar
  19. Souza, M. C. C. (1988). A Nova República brasileira: sob a espada de Dâmocles. In A. Stepan (Ed.), Democratizando o Brasil (pp. 562–628). Rio de Janeiro: Paz e Terra.Google Scholar
  20. Teles, E., & Safatle, V. (2010). O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  21. Viñar, M., & Viñar, M. (1992). Exílio e tortura. São Paulo: Escuta.Google Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2018

Authors and Affiliations

  • Raluca Soreanu
    • 1
  1. 1.Department of Psychosocial StudiesBirkbeck CollegeLondonUK

Personalised recommendations