Advertisement

The Labor Policies of the Lula Government

  • Michael M. Hall

Abstract

One of the mysteries of Brazilian politics has been the survival of the Vargas-era system of labor relations into the twenty-first century.1 It has practically no open defenders, though there are some who see positive aspects to one or another of its features. Yet, the system has survived virtually intact through dictatorships and democracy, governments of Left and Right, two “democratic transitions,” and enormous economic and social changes over more than 60 years.

Keywords

Collective Bargaining Labor Movement Labor Policy Military Dictatorship Labor Minister 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

Preview

Unable to display preview. Download preview PDF.

Unable to display preview. Download preview PDF.

References

  1. Alves, Giovanni. 2002. “Trabalho e sindicalismo no Brasil: um balanço crítico da ‘década neoliberal’ (1990–2000).” Revista de Sociologia e Política 19:71–94.Google Scholar
  2. Arbix, Glauco. 1996. Uma aposta no futuro: os primeiros anos da cãmara setorial da indústria automobilística. São Paulo: Scritta.Google Scholar
  3. Barros, Maurício Rands. 1999. Labour Relations and the New Unionism in Contemporary Brazil. Basingstoke: Macmillan.CrossRefGoogle Scholar
  4. Blass, Leila. 1998. “Jornada de trabalho: uma regulamentação em mfiltipla escolha.” Revista Brasileira de Ciências Sociais 13(36):67–78.CrossRefGoogle Scholar
  5. Boito, Jr., Armando. 1991. O sindicalismo do estado no Brasil. São Paulo: Hucitec.Google Scholar
  6. Borges, Altamiro, ed. 2004. A reforma sindical e trabalhista no governo Lula. São Paulo: Anita Garibaldi.Google Scholar
  7. Cardoso, Adalberto. 1999. Sindicatos, trabalhadores e a coqueluche neoliberal: a era Vargas acabou? Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas.Google Scholar
  8. Cardoso, Adalberto M., and Álvaro A. Comin. 1997. “Centrais sindicais e atitudes democráticas.” Lua Nova 40 /41 (1997):167–192.Google Scholar
  9. Cardoso, Adalberto M., and Telma Lage. 2005. “A inspeção do trabalho no Brasil.” Dados 48(3):451–489.CrossRefGoogle Scholar
  10. Cook, Maria Lorena. 2007. The Politics of Labor Reform in Latin America. University Park: Pennsylvania State University Press.Google Scholar
  11. Costa, Márcia da Silva. 2005. “O sistema de relações de trabalho no Brasil: alguns traços históricos e sua precarização atual.” Revista Brasileira de Ciências Sociais 20(59):111–131.CrossRefGoogle Scholar
  12. Cruz, Valdo, and Kennedy Alencar. 2001. “Promessa a empresário faz FHC ordenar voto.” Folha de S. Paulo, November 29.Google Scholar
  13. Diniz, Simone. 2005. “Interações entre os Poderes Executivo e Legislativo no processo decisório: avaliando sucesso e fracasso presidencial.” Dados 48(2):333–367.CrossRefGoogle Scholar
  14. DIEESE. 2006. “Taxa de judicialização das negociações coletivas do trabalho no Brasil 1993–2005.” Estudos e Pesquisas 21 (June).Google Scholar
  15. Estado de S. Paulo.2001. “Governo busca vitória apertada para mudar CLT.” November 28Google Scholar
  16. Estado de S. Paulo.2001. “Após confusôes, votação da CLT é adiada de novo.” November 29.Google Scholar
  17. Estado de S. Paulo.2005. “Lobby dos velhos sindicalistas se mobiliza para barrar reforma.” February 27.Google Scholar
  18. Estado de S. Paulo.2007. “Tribunais anulam 42% das arbitragens que examinam.” May 20.Google Scholar
  19. Folha de S. Paulo. 2001. “Cãmara vota hoje projeto de mudança na CLT.” November 27.Google Scholar
  20. Folha de S. Paulo. 2001. “Painel quebra, governo foge, CLT emperra.” November 29.Google Scholar
  21. Folha de S. Paulo. 2001. “Paulistanos se dividem sobre ‘nova CLT.’” December 2.Google Scholar
  22. Folha de S. Paulo. 2001. “Força é acusada de apoiar nova CLT em troca de verbas.” December 6.Google Scholar
  23. Folha de S. Paulo. 2002. “Acordo de conciliação lesa trabalhadores.” May 19.Google Scholar
  24. Folha de S. Paulo. 2002. “Justiça privada é cilada para trabalhadores.” May 27.Google Scholar
  25. Folha de S. Paulo. 2007. “Lula confirma Lupi apesar de pressão da CUT.” March 29.Google Scholar
  26. Folha de S. Paulo. 2007. “Trama fracassada.” October 24.Google Scholar
  27. Fórum Nacional do Trabalho. www.fnt.mte.gov.br accessed on February 20, 2007.
  28. French, John. 2004. Drowning in Laws: Labor Law and Brazilian Political Culture. Chapel Hill: University of North Carolina Press.Google Scholar
  29. Giannotti, Vito. 2002. Força Sindical: A central neoliberal de Medeiros a Paulinho. Rio de Janeiro: Mauad.Google Scholar
  30. Gomes, Ãngela Castro, and Maria Celina D’Araújo. 1993. “A extinção do imposto sindical: demandas e contradições.” Dados 36(2):317–351.Google Scholar
  31. Hall, Michael M. 2000. “Labor and the Law in Brazil.” In Marcel van der Linden and Richard Price, ed. The Rise and Development of Collective Labour Law. Bern: Peter Lang. pp. 79–95.Google Scholar
  32. Horn, Carlos Henrique. 2005. “Limites do consenso na reforma da organização sindical.” Revista de Direito do Trabalho 119:42–56.Google Scholar
  33. Kaufmann, Marcus de Oliveira. 2005. “A anti-sindicalidade e o anteprojeto de lei de relações sindicais.” Revista de Direito do Trabalho 119:210–255.Google Scholar
  34. Krein, José Dari, and Marco Antonio de Oliveira. 1999. “Mudanças institucionais e relações de trabalho: as iniciativas do governo FHC no período 1995–1998.” Anais do VI Encontro Nacional de Estudos do Trabalho, 2 Vols. São Paulo: Associação Brasileira de Estudos do Trabalho, 1999. pp. I:639–671.Google Scholar
  35. Krein, José Dari. 2003. “Balanço da reforma trabalhista do governo FHC.” In Marcelo Weishaupt Proni and Wilnês Henrique, eds. Trabalho, mercado e sociedade: o Brasil nos anos 90. São Paulo: Editora da Unesp. pp. 279–322.Google Scholar
  36. Martins, Heloisa de Souza, and Iram Jãcome Rodrigues. 2000. “O sindicalismo brasileiro na segunda metade dos anos 90.” Tempo Social 11(2):155–182.Google Scholar
  37. Pessanha, Elina da Fonte, and Regina Lúcia Morel. 1999. “Mudanças recentes no modelo de relações de trabalho no Brasil e Novo Sindicalismo.” In Iram Jãcome Rodrigues, ed. O novo sindicalismo vinte anos depois. Petrópolis: Vozes. pp. 95–112.Google Scholar
  38. Pochmann, Márcio. 1998. “Adeus à CLT? O ‘eterno’ sistema corporativo de relações de trabalho no Brasil.” Novos Estudos Cebrap 50:149–166.Google Scholar
  39. Rizek, Cibele. 1998. “A greve dos petroleiros.” Praga 6:97–105.Google Scholar
  40. Rodrigues, Iram Jãcome. 1997. Sindicalismo e política: a trajetória da CUT. São Paulo: Scritta.Google Scholar
  41. Rodrigues, Iram Jãcome. 2005. “Peculiaridades da ação sindical dos metalúrgicos do ABC.” Revista de Direito do Trabalho 119:117–131.Google Scholar
  42. Sader, Eder. 1988. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.Google Scholar
  43. Singer, Paul. 2007. “A Emenda 3 e os direitos do trabalhador.” Teoria & Debate 20(71):14–16.Google Scholar
  44. Zauli, Eduardo. 1997. As condições sociais da emergência e decadência da cãmara setorial da indústria auto-motiva no Brasil. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  45. Zylberstajn, Hélio. 2005. “A reforma sindical de Lula.” Revista de Direito do Trabalho 119:94–116.Google Scholar

Copyright information

© Joseph L. Love and Werner Baer 2009

Authors and Affiliations

  • Michael M. Hall

There are no affiliations available

Personalised recommendations