Advertisement

The Use of Information and Communication Technologies in Health Promotion: Brazilian Initiatives

  • André Pereira Neto
  • Celita Almeida Rosário
  • Zélia Andrade
  • Lise Renaud
Chapter

Abstract

Health promotion is a behavioral, political, and social practice aimed at meeting the individual and collective needs and aspirations of citizens. Since the Ottawa Charter (1986), new information and communication technologies (NICTs) have been understood as an integral part of health promotion and are found in international documents that establish priorities for this topic. This chapter analyzes Brazilian academic work on the use of NICTs in health promotion by surveying publications in the “Brazilian Digital Library of Theses and Dissertations” – an open and free-access portal. Six PhD dissertations and 18 master’s theses were found and were thematically grouped. This chapter concluded that, in the Brazilian studies analyzed, new information and communication technologies (NICTs) are applied in cases of specific pathologies or particular age groups. Brazilian studies in this field reinforce individualistic and biomedical perspective that is far from the wider social parameters defined by international conferences on health promotion.

Keywords

Health promotion Information and communication technologies Bibliographic analysis Internet Ottawa Charter 

References

  1. Alleyne, George. 2001. The director’s message. Annual Report of the Director – 2001. http://publications.paho.org/english/OD302_prelim.pdf. Accessed 02 June 2017.
  2. Arakawa, Aline. 2015. Portal dos idosos: desenvolvimento e avaliação de um website com informações sobre a doença de Alzheimer e suas conseqüências para a comunicação. PhD diss., Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  3. Berbel, Danilo. 2012. A comunicação da ciência nas campanhas de saúde online: um estudo de caso do Portal da Saúde. Master’s thesis, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.Google Scholar
  4. Bernhardt, Jay, Carol Runyan, Ingird Bou-Saada, and Elizabeth Felter. 2003. Implementation and evaluation of a Web-based continuing education course in injury prevention and control. Health Promotion Practice 4: 120–128.CrossRefGoogle Scholar
  5. Bevilaqua, Leire. 2012. Televisão digital e saúde: proposta para a produção de conteúdos. Master’s thesis, Universidade Estadual Paulista, São Paulo.Google Scholar
  6. Brazil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2006. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  7. ———. 2015. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM n° 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  8. Breslow, Lester. 1999. From disease prevention to health promotion. JAMA 281: 1030–1033.CrossRefGoogle Scholar
  9. Bittencourt, Ivanise. 2012. O processo de habilitação psicossocial de pessoas em sofrimento psíquico na interface com produção de blog. Master’s thesis, Universidade Federal de Alagoas, Maceió.Google Scholar
  10. Caran, Gustavo. 2015. O acesso à informação pelo deficiente visual e suas implicações para a Promoção da Saúde. Master’s thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  11. Carleto, Daniel. 2013. Relações intergeracionais de idosos mediadas pelas tecnologias de informação e comunicação. Master’s thesis, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  12. Carvalho, Antônio Ivo, Marcia Westphal, and Vera Lúcia Lima. 2007. Health promotion in Brazil. Promotion & Education 14 supl. 1: 7–12.Google Scholar
  13. Cirani, Cláudia, Milton Campanario, and Helóisa Helana Silva. 2015. A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação (Campinas) 20: 163–187.Google Scholar
  14. Charnock, Deborah, and Sasha Shepperd. 2004. Learning to DISCERN online: Applying an appraisal tool to health websites in a workshop setting. Health Education Research 19: 440–446.CrossRefGoogle Scholar
  15. De Vet, Emely, Johannes Brug, Jascha De Nooijer, Arie Dijkstra, and Nanne De Vries. 2005. Determinants of forward stage transitions: A Delphi study. Health Education Research 20: 195–205.CrossRefGoogle Scholar
  16. Deleuze, Gilles. 1990. Pourparlers. Paris: Les Éditions de Minuit.Google Scholar
  17. Finco, Mateus. 2010. Wii fit: um videogame do estilo de vida saudável. Master’s thesis, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  18. Fraga, Alex. 2005. Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa. PhD diss., Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  19. ———. 2006. Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa. Campinas: Autores Associados.Google Scholar
  20. Freitas, Anna Helena. 2012. Estilos de vida de internautas participantes de um portal de prevenção de doenças crônicas não transmissíveis. PhD diss., Universidade Federal de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  21. Foucault, Michel. 1975. Discipline and punish: The birth of the prison. New York: Random House.Google Scholar
  22. Giacomini, Paulo. 2011. Constelações sociais no ciberespaço posithivo: as comunidades virtuais como espaços de Promoção da Saúde das pessoas que vivem com HIV/AIDS. Master’s thesis, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.Google Scholar
  23. Goellner, Silvana. 2009. Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa. Ciênc. saúde coletiva 14: 673–674.CrossRefGoogle Scholar
  24. Gosciola, Vicente. 2007. A linguagem audiovisual do hipertexto. In Hipertexto e Hipermídia: as novas ferramentas da comunicação digital, ed. Pollyana Ferrari et al., 107–120. São Paulo: Contexto.Google Scholar
  25. Hartz, Zulmira, Carmelle Goldberg, Ana Cláudia Figueiró, and Louise Potvin. 2014. Multiestratégias na Avaliação de Intervenções Comunitárias em Promoção da Saúde. In Avaliação em Promoção da Saúde: uma antologia comentada da parceria entre Brasil e Cátedra de Abordagens Comunitárias e Iniquidades em Saúde (CACIS) da Universidade de Montreal de 2002 a 2012, ed. Z. Hartz, L. Potvin, and R. Bodstein, 22–138. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde.Google Scholar
  26. IBGE – Brazilian Institute of Geography and Statistics. 2016. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE.Google Scholar
  27. International Conference on Primary Health Care. 1978. Declaração de Alma-Ata. 1978. http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/Declara%C3%A7%C3%A3o-Alma-Ata.pdf. Accessed 1 Aug 2017.
  28. Irvine, Blair, Dennis Ary, Dean Grove, and Lynn Gilfillan-Morton. 2004. The effectiveness of an interactive multimedia program to influence eating habits. Health Education Research 19: 290–305.CrossRefGoogle Scholar
  29. Kickbusch, Ilona. 2003. The contribution of the World Health Organization to a new public health and health promotion. American Journal of Public Health 93: 383–388.CrossRefGoogle Scholar
  30. ———. 2006. Health promotion: Not a tree but a rhizome. In Health promotion in Canada, ed. M. O’Neill, A. Pederson, S. Dupéré, and I. Rootman. Toronto: Canadian Scholars’ Press.Google Scholar
  31. Labonté, Ronald. 2016. Health promotion in an age of normative equity and rampant inequality. International Journal of Health Policy and management 5: 675–682.CrossRefGoogle Scholar
  32. Lemos, Lúcia. 2009. Discursos e práticas comunicacionais: saúde na web. Master’s thesis, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.Google Scholar
  33. Lintonen, Tomi, Anne Konu, and David Seedhouse. 2008. Information technology in health promotion. Health Education Research 23: 560–566.CrossRefGoogle Scholar
  34. Lourenço, Regina. 2013. Biblioteca virtual temática em saúde: interatividade com usuário leigo. Master’s thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  35. Minowa, Evelyn. 2016. Produção científica dos grupos de pesquisa em Promoção da Saúde no Brasil: perfil e discussão de uma amostra nacional. Master’s thesis, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  36. Miranda, Letícia. 2009. A Internet enquanto ferramenta de orientação de atividade física na Promoção da Saúde do idoso. Master’s thesis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.Google Scholar
  37. Moraes, Alice. 2004. O uso de estratégias na transferência de informação nos vídeos em saúde. PhD diss., Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  38. Moreira, Rafael. 2016. Promoção e prevenção da saúde bucal de idosos baseados em um aplicativo mobile e realidade virtual. Master’s thesis, Universidade De Fortaleza, Fortaleza.Google Scholar
  39. Moretti, Felipe. 2012. Uso da internet para saúde: tendência, perfil e comportamento de usuários. PhD diss., Universidade Federal de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  40. Parlove, Amy, Joan Cowdery, and Sarah Hoerauf. 2004. Acceptability and appeal of a web-based smoking prevention intervention for adolescents. The International Electronic Journal of Health Education 7: 1–8.Google Scholar
  41. Picolini, Mirela. 2011. Teleducação interativa na capacitação de estudantes do ensino fundamental em síndromes genéticas. Master’s thesis, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  42. Pinto, Elzimar. 2008. Promoção da Saúde: uma nova política pode alterar um paradigma?. Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo.Google Scholar
  43. Potvin, Louise, and Catherine Jones. 2011. Twenty-five years after the Ottawa Charter: The critical role of health promotion for public health. Canadian Journal of Public Health 102: 244–248.PubMedGoogle Scholar
  44. Ragon, Bruce. 2004. The use of technology by students at an HBCU. The International Electronic Journal of Health Education 7: 63–68.Google Scholar
  45. Ribeiro, Patrick. 2013. Redes Sociais online e dispositivos tecnológicos: sua utilização na vigilância e Promoção da Saúde. Master’s thesis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  46. Rodrigues, Heliana Conde. 2016. Ensaios sobre Michel Foucault no Brasil: presença, efeitos, ressonâncias. Rio de Janeiro: Lamparina.Google Scholar
  47. Sant’ana, Nicolle. 2012. Criação de uma ferramenta hipermídia para a Promoção da Saúde auditiva em jovens usuários de dispositivos sonoros portáteis individuais. Master’s thesis, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  48. Santos, Daniel. 2012. Programas Educacionais de Promoção da Saúde Auditiva para Crianças e Adolescentes: Revisão da Literatura. Master’s thesis, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.Google Scholar
  49. Silva, Rilvanda. 2009a. Rádio UNIFESP Web: construção e avaliação de um modelo para a disseminação do conhecimento em saúde baseado em rádio na internet. Master’s thesis, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  50. Silva, Ana Cláudia. 2009b. Educação apoiada em tecnologias: desenvolvimento e avaliação de recursos didáticos para a formação de promotores de saúde. PhD diss., Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  51. The United Nations. 2015. Resolution adopted by the General Assembly on 25 September 2015. Transforming our world: The 2030 Agenda for Sustainable Development. http://www.un.org/ga/search/view_doc.asp?symbol=A/RES/70/1&Lang=E. Accessed 30 June 2017.
  52. Townsend, Peter, and Nicholas Davidson, eds. 1982. Inequalities in health: Black report. Middlesex: Penguin Books.Google Scholar
  53. Vandelanotte, Cornnel, and Ilse De Bourdeaudhuij. 2003. Acceptability and feasibility of a computer-tailored physical activity intervention using stages of change: Project FAITH. Health Education Research 18: 304–317.CrossRefGoogle Scholar
  54. Vasconcelos, Marcelo. 2013. Comunicação e saúde em jogo: os vídeo games como estratégia de Promoção da Saúde. PhD diss., Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.Google Scholar
  55. Veras, Renato. 2012. Experiências e tendências internacionais de modelos de cuidado para com o idoso. Ciênc. saúde coletiva 17: 231–238.CrossRefGoogle Scholar
  56. Vieira Junior, Elso. 2014. Modelo de curso para o treinamento dos profissionais que atuam nos salões de beleza usando a teleducação interativa. PhD diss. Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  57. Wen, Chao Lung. 2003. Modelo de ambulatório virtual (cyber ambulatório) e tutor eletrônico (cyber tutor) para aplicação na interconsulta médica e educação à distância mediada por tecnologia [livre docência]. PhD diss., Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  58. WHO – World Health Organization. 1986. Ottawa charter for health promotion. Charter presented at: International conference on health promotion. http://www.phac-aspc.gc.ca/ph-sp/docs/charter-chartre/pdf/charter.pdf. Accessed on 29 June 2017.
  59. ———. 2016. Shanghai declaration on health promotion in the 2030 agenda for sustainable development. http://www.who.int/healthpromotion/conferences/9gchp/shanghai-declaration/en/. Accessed 24 Aug 2017.
  60. Yamaguchi, Mirian, Marcelo Bernuci, and Gilberto Cezar Pavanelli. 2016. Produção científica sobre a Política Nacional de Promoção da Saúde. Ciênc. saúde coletiva 21: 1727–1736.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • André Pereira Neto
    • 1
  • Celita Almeida Rosário
    • 1
  • Zélia Andrade
    • 1
  • Lise Renaud
    • 2
  1. 1.National School of Public HealthOswaldo Cruz FoundationRio de JaneiroBrazil
  2. 2.Department of Social and Public CommunicationUniversite de Quebec à MontrealMontrealCanada

Personalised recommendations