Advertisement

Digital Inclusion of Health Workers in Goiás State: An Account of an Educational Initiative

  • Ana Valéria M. Mendonça
  • Elizabeth Alves de Jesus Prado
  • Natália Fernandes Andrade
  • Donizete Moreira
  • João Paulo Fernandes da Silva
  • Maria Fátima de Sousa
Chapter

Abstract

This chapter provides an account of the Community Health Workers’ Digital Inclusion Project concerning the knowledge management and capacity building in their skills and attitudes for preventing, caring, and promoting health of individuals, families, and communities. Distance learning was the pedagogical-didactic approach adopted for the training of these health workers, building on the technological setting using the Moodle online platform. Results achieved so far suggest that participants are still alien to the universe of information and communication technologies, despite their mid-level of schooling and the scope of digital inclusion in Brazil. Transforming these workers into managers of information they acquire or generate is to promote social justice through technological inclusion as well as improve the quality of work they provide focused on improving population health. Initiatives like this one directly influence access to information and consequently assistance to users of the public health system in their areas. Participants’ feedback recognized the merits of the ongoing project. Strategies of this nature should be adopted by municipal health managers especially given Brazil’s complex economic, political, and sociocultural characteristics.

Keywords

Digital inclusion Community Health Worker Knowledge management Primary healthcare Unified health system 

References

  1. Brazil. 2011. Portaria MS/GM no 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, para a Estratégia de Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União 22 out. 2011; Seção 1.Google Scholar
  2. CGI – Comitê Gestor da Internet. 2016. Survey on the use of information and communication technologies in brazilian households: ICT households 2015. São Paulo: Brazilian Internet Steering Committee.Google Scholar
  3. Demo, P. 2005. Inclusão digital: cada vez mais no centro da inclusão social. Inclusão Social 1: 36–38.Google Scholar
  4. Freire, Paulo. 2002. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.Google Scholar
  5. IBGE – Brazilian Institute of Geography and Statistics. 2016. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua – Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/multidominio/condicoes-de-vida-desigualdade-e-pobreza/17270-pnad-continua.html?edicao=19937&t=sobre. Accessed 25 June 2018.
  6. ———. 2017. Brasil/ Goiás Panorama. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/panorama. Accessed 25 June 2018.
  7. Mendonça, Ana Valéria M. 2007. Os processos de comunicação e o modelo todos-todos: uma relação possível com o Programa Saúde da Família. Brasília: Editora do Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília.Google Scholar
  8. ———. 2009. O processo de comunicação Todos-Todos e a produção de conteúdos: desafios à Gestão do Conhecimento. In Gestão do Conhecimento em Saúde no Brasil: avanços e perspectivas, ed. J. Moya, M.E. Santos, and Ana Valéria M. Mendonça, 18–24. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.Google Scholar
  9. Mendonça, Ana Valéria M., Maria Fátima de Sousa, Ronaldo Nunes Linhares, Júlio César Cabral, and Pablo Boaventura Sales Paixão. 2009. Inclusão digital dos agentes comunitários de saúde no Brasil: novas formas de aprender em rede. Tempus – Actas de Saúde Coletiva 3: 28–37.CrossRefGoogle Scholar
  10. Mendonça, Ana Valéria M., Grasiela S. Pereira, Mariella S. Oliveira-Costa, and Maria de Fátima Sousa. 2017. Fala Agente! Saberes e práticas comunicacionais nos territórios de atuação. In Mediações comunicativas da saúde, ed. Igor Sacramento, 119–133. Rio de Janeiro: Editora Multifoco.Google Scholar
  11. Ministry of Health. 2006. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  12. ———. 2009. O trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  13. ———. 2018. Sala de Apoio à Gestão Estratégica. http://sage.saude.gov.br/#. Accessed 6 Feb 2018.
  14. Silva, João Paulo Fernandes. 2016. Programa de inclusão digital dos conselheiros de saúde: o uso das tecnologias de informação e comunicação auxiliam no controle social? Master’ thesis, University of Brasília, Brasília.Google Scholar
  15. Sousa, Maria Fátima. 2007. Programa Saúde da Família no Brasil: análise da desigualdade no acesso à atenção básica. Brasília: Editora do Departamento de Ciências da Informação e Documentação da Universidade de Brasília.Google Scholar
  16. Toro, José Bernardo, and Nisia Maria D. Werneck. 2004. Mobilização social: um modo de construir a democracia e a participação. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  17. Vasconcelos, Eymard M. 2010. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface Comunic, Saúde 5: 121–128.CrossRefGoogle Scholar
  18. Zitkoski, Jaime J. 2006. Paulo Freire e a educação. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Ana Valéria M. Mendonça
    • 1
  • Elizabeth Alves de Jesus Prado
    • 2
  • Natália Fernandes Andrade
    • 1
  • Donizete Moreira
    • 1
  • João Paulo Fernandes da Silva
    • 1
  • Maria Fátima de Sousa
    • 1
  1. 1.Faculty of Health SciencesUniversity of BrasíliaBrasíliaBrazil
  2. 2.UnB Faculty in CeilândiaUniversity of BrasíliaBrasíliaBrazil

Personalised recommendations