Advertisement

E-Learning and Problematizing Pedagogies: A Brazilian Experience in Monitoring and Evaluation Teaching

  • Elizabeth Moreira dos SantosEmail author
  • Gisela Cardoso
  • Dolores Abreu
Chapter

Abstract

The present chapter analyzes three E-learning initiatives developed by the Evaluation Laboratory (LASER) at the Sergio Arouca National School of Public Health, Fiocruz, Rio de Janeiro, Brazil (ENSP/FIOCRUZ), highlighting the challenges of using current pedagogical methodologies for monitoring and evaluation (M&E) teaching. The research is based on three classes of a specialization course in health evaluation in the online distance learning (ODL) format, as part of a technical cooperation agreement between ENSP/FIOCRUZ and the Brazilian Ministry of Health (MS). The initiatives suggest E-learning facilitates access to information and training. The experience indicates that E-learning in M&E in health makes an essential contribution in M&E practices and knowledge, among professionals working in Brazil’s Unified Health System (SUS). However, critical theoretical and practical challenges persist, either from a pedagogical approach, specificity of content in M&E, the information and communication technologies (ICT) involved, or institutional factors.

Keywords

Health evaluation Distance learning E-learning Active pedagogy Brazil 

References

  1. ABED – Associação Brasileira de Educação a Distância. 2017. Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016. Curitiba: InterSAberes.Google Scholar
  2. Abreu, Dolores, Elizabeth Santos, Gisela Cardoso, and Elizabeth Artmann. 2017. Usos e influências de uma avaliação: translação de conhecimento? Saúde em Debate 41: 302–316.CrossRefGoogle Scholar
  3. Almeida, Onília Cristina de Souza. 2008. Evasão em cursos a distância: análise dos motivos de desistência. 14° Congresso Internacional ABED de Educação a Distância, Santos.Google Scholar
  4. Alonso, Katia Morosov. 2014. A EAD no Brasil: sobre (des)caminhos em sua instauração. Education Review 4: 37–52.CrossRefGoogle Scholar
  5. Assis, Ana Maria. 2011. Avaliar a institucionalização: o estudo de caso da formação em monitoramento e avaliação da Secretaria de Vigilância em Saúde. Master’s thesis, Oswaldo Cruz Foundation, Rio de Janeiro.Google Scholar
  6. Bordenave, Juan, and Adair Pereira. 1989. Estratégias de ensino aprendizagem. Petrópolis: Vozes.Google Scholar
  7. Clavier, Carole, Yan Sénéchal, Stéphane Vibert, and Louise Potvin. 2011. A theory-based model of translation practices in public health participatory research. Sociology of Health & Illness 34: 791–805.CrossRefGoogle Scholar
  8. Comarella, Rafaela Lunardi. 2009. Educação superior à distância: evasão discente. Master’s thesis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.Google Scholar
  9. Cruz, Marly, Maria Aparecida Patroclo, Elizabeth Moreira dos Santos, Thaís Coutinho de Oliveira, and Olga Maria de Alencar. 2009. A experiência brasileira de formação profissional em monitoramento e avaliação do programa de controle de hanseníase. Cadernos Saúde Coletiva (UFRJ) 17: 115–129.Google Scholar
  10. Freire, Paulo. 1987. Pedagogy of the oppressed. New York: Continuum Publishing.Google Scholar
  11. Hartz, Zulmira, Jean Louis Denis, Elizabeth Moreira, and Alvaro Matida. 2008. From knowledge to action: Challenges and opportunities for increasing the use of evaluation in health promotion policies and practices. In Health promotion evaluation practices in the Americas: Values and research, ed. V. Mcqueen David and Louise Potvin, 101–120. New York: Springer.Google Scholar
  12. INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2017. Censo de Educação Superior 2016: notas estatísticas. Brasília: MEC.Google Scholar
  13. Januzzi, Paulo de Martino. 2016. Eficiência econômica, eficácia procedural ou efetividade social: três valores em disputa na Avaliação de Políticas e Programas Sociais. Desenvolvimento em Debate 4: 117–142.Google Scholar
  14. Latour, Bruno. 1996. On actor-network theory: A few clarifications. Soziale Welt 47: 369–381.Google Scholar
  15. Laval, Christian, and Pierre Dardot. 2016. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo.Google Scholar
  16. Mark, Melvin, Gary Henry, and George Julnes. 2000. Social betterment through evaluation. In Evaluation: An integrated framework for understanding, guiding, and improving policies and programs, 3–104. San Francisco: Josey-Bass.Google Scholar
  17. Menelau, Sueli. 2010. Fundamentos do ensino a distância no Brasil. Revista Cocar 4: 62–74.Google Scholar
  18. Ministry of Education. 2007. Resolução CNE/CES n°1 de 8/6/2007. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces001_07.pdf. Accessed 17 Jan 2018.
  19. Ministry of Health. 2004. Programa Nacional de DST e Aids: Monitor Aids. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  20. ———. 2014. Concurso público para provimento de vagas em cargos do plano de carreiras de ciência e tecnologia nas carreiras de planejamento, gestão e infraestrutura e desenvolvimento tecnológico. Edital n° 4, Funcab.Google Scholar
  21. ———. 2017. Portaria n° 1.535, de 16 de junho de 2017. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt1535_20_06_2017.html. Accessed 12 Mar 2018.
  22. Miranda, Alcides S. 2014. Discursos práticos sobre valores sociais, bens e serviços públicos de saúde, em viés ideológico de pragmatismo utilitário. In 25 anos do direito universal à saúde, ed. Maria Lucia Rizzoto and Ana Maria Costa, 103–131. Rio de Janeiro: Cebes.Google Scholar
  23. Mugnol, Marcio. 2009. A educação à distância no Brasil: conceitos e fundamentos. Revista Diálogo Educacional 9: 335–349.CrossRefGoogle Scholar
  24. Oliveira, Egléubia A., Gisela Cordeiro Pereira Cardoso, Elizabeth Moreira dos Santos, Margareth Martins Oliveira, and Marly Marques Cruz. 2017. O apoiador local como ator estratégico na implementação do QualiSUS-Rede: engenheiros de conexão? Saúde em Debate 41: 275–289-289.CrossRefGoogle Scholar
  25. OECD – Organization for Economic Cooperation and Development. 2016. Supreme audit institutions and good governance: Oversight, insight and foresight. Paris: OECD.Google Scholar
  26. Pacheco, Andressa Sasaki Vasques. 2007. Evasão: análise da realidade do curso de graduação a distância da Universidade Federal de Santa Catarina. Master’s thesis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.Google Scholar
  27. Paolucci, Rodolfo, André Pereira Neto, and Rafaela Luzia. 2017. Avaliação da qualidade da informação em sites de tuberculose: análise de uma experiência participativa. Saúde em Debate 41: 84–100.CrossRefGoogle Scholar
  28. Paranaíba, Nádia. 2008. Análise de implementação das oficinas de avaliação com foco na melhoria dos programas municipais de DST/AIDS. Master’s thesis, Oswaldo Cruz Foundation, Rio de Janeiro.Google Scholar
  29. Pedroso, Eva. 2002. Interfaces gráficas em ambiente de e-learning: caso VIASK. Master’s thesis, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.Google Scholar
  30. Petry, Jonas, Gustavo da Rosa Borges, and Maria José Carvalho de Souza Domingues. 2014. Ensino a distância: um panorama da expansão na região norte do Brasil. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios 7: 114–138.CrossRefGoogle Scholar
  31. Ramos, Marise. 2001. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  32. Ribeiro, Antônia. 2015. EAD/Ensp em números: uma expressão dos desafios em 16 anos. Rio de Janeiro: CDEAD/ENSP/Fiocruz.Google Scholar
  33. Ruhe, Valerie, and Bruno Zumbo. 2009. Evaluation in distance learning and e-learning. New York/London: The Guilford Press.Google Scholar
  34. Santos, Boaventura V. 2011. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Editora Cortez.Google Scholar
  35. Santos, Elizabeth M. 2005. Plano Nacional de Monitoramento e Avaliação - Programa nacional de DST e AIDS: Assessoria de Monitoramento e Avaliação. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  36. Santos, Elizabeth M., and Sônia Natal. 2005. Dimensão sócio-histórica: unidade didático pedagógica - educação permanente comunicação. Rio de Janeiro: Abrasco.Google Scholar
  37. ———. 2007. Dimensão técnico-operacional.: unidade didático pedagógica - educação permanente comunicação. Rio de Janeiro: Abrasco.Google Scholar
  38. Santos, Elizabeth, Egléubia Oliveira, Marly Cruz, Aline Gonçalves, Aline Macedo, and Carlos Cunha. 2013. Institutionalization of monitoring as a reflexive managerial practice. The EES Newsletter Evaluation Connections 1: 20–24.Google Scholar
  39. Santos, Henriette, Gisela Cardoso, Dolores Abreu, and Elizabeth Santos, eds. 2015. Caderno do aluno: curso de avaliação em saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP.Google Scholar
  40. Saviani, Dermeval. 2007. Pedagogia: o espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa 37: 99–134.CrossRefGoogle Scholar
  41. Sguissardi, Valdemar. 2008. Modelo de expansão da educação superior no Brasil: predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Education and Society 29: 991–1022.CrossRefGoogle Scholar
  42. Struchiner, Miriam, and Rodrigo Carvalho. 2014. Reflexões sobre os conceitos e fundamentos de pesquisa em educação a distância. In Educação a Distância e Tecnologias Digitais: reflexões, saberes, contextos e processos, eds. Aline Reali e Daniel Mill, 127–148. São Carlos: EdUFSCar.Google Scholar
  43. Vargas, Francisca Maria de Almeida, Mônica Cristina Nunes da Trindade, Gisele Damian Antonio Gouveia, and Mareni Rocha Farias. 2016. A educação a distância na qualificação de profissionais para o Sistema Único de Saúde: meta-estudo. Trab. educ. saúde 14: 849–870.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Elizabeth Moreira dos Santos
    • 1
    • 2
    Email author
  • Gisela Cardoso
    • 1
  • Dolores Abreu
    • 1
  1. 1.National School of Public HealthFundação Oswaldo CruzRio de JaneiroBrazil
  2. 2.Institute of Studies in Collective HealthFederal University of Rio de JaneiroRio de JaneiroBrazil

Personalised recommendations