Advertisement

Singing Group: The Playful Present in Health Promotion

  • Miraíra Noal Manfroi
  • Adriana Aparecida da Fonseca Viscardi
  • Daliana Stephanie Lecuona
  • Giandra Anceski Bataglion
  • Verônica Werle
  • Juliana de Paula Figueiredo
  • Alcyane Marinho
Chapter
Part of the Leisure Studies in a Global Era book series (LSGE)

Abstract

The training, education and outlook of most health professionals does not take into consideration humanistic perspectives. However, it is believed that through a more personal approach, hospitals and other institutions focused on health promotion and rehabilitation may become more knowledgeable in ways to improve patient health and quality of life. This chapter aims to investigate the relationship of the ludic component of health care (i.e., playfulness) to the overall rehabilitation process. It looks at treatment services provided by a group of volunteers and professionals in a singing group of a public health institution in Florianópolis (Santa Catarina, southern Brazil). A group consisting of social workers, nurses, volunteers and others, with preliminary patient data in hand, went to the homes of patients to play musical instruments and perform songs. This practice contributed to the patients’ recovery process.

Keywords

Singing Brasil Therapy Well-being Leisure 

References

  1. Albano, M. A. S., & Correa, I. (2011). Lectura de cuentos infantiles como estrategia de humanización en el cuidado del niño encamado en ambiente hospitalario. Investigación y Educación en Enfermería, 29(3), 370–380.Google Scholar
  2. Azevedo, A. L. M., & Costa, A. M. (2010). A estreita porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS): uma avaliação do acesso na estratégia de saúde da família. Interface—Comunicação, Saúde, Educação, 14(35), 797–810.CrossRefGoogle Scholar
  3. Bardin, L. (2010). Análise de Conteúdo. Edições 70, Lisboa.Google Scholar
  4. Bergold, L. B., & Alvim, N. A. T. (2009). A música terapêutica como uma tecnologia aplicada ao cuidado e ao ensino de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 13(3), 537–542.CrossRefGoogle Scholar
  5. Beuter, M., & Alvim, N. A. T. (2010). Expressões lúdicas no cuidado hospitalar sob a ótica enfermeiras. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 14(3), 567–574.CrossRefGoogle Scholar
  6. Bezerra, I. M. P., & Sorpreso, I. C. E. (2016). Conceitos de saúde e movimentos de promoção da saúde em busca da reorientação de práticas. Journal of Human Growth and Development, 26(1), 11–16.CrossRefGoogle Scholar
  7. Boff, L. (2005). O cuidado essencial: princípio de um novo ethos. Inclusão Social, 1(1), 28–35.Google Scholar
  8. Brasil. (1990). ABC do SUS: doutrinas e princípios. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  9. Brasil. (2000). Portaria N° 511, de 29 de dezembro de 2000. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  10. Brasil. (2005). O SUS de A a Z: Garantindo Saúde nos Municípios. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  11. Brasil. (2006). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  12. Brasil. (2013). Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde.Google Scholar
  13. Canadian Index of Wellbeing. (2016). How Are Canadians Really Doing? (The 2016 CIW Report). Canadian Index of Wellbeing of University of Waterloo, Waterloo.Google Scholar
  14. Casate, J. C., & Corrêa, A. K. (2005). Humanização do atendimento em saúde: conhecimento veiculado na literatura brasileira de enfermagem. Revista Latinoamericana de Enfermagem, 13(1), 105–111.CrossRefGoogle Scholar
  15. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)—Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). (2016). Institucional. Available at: www.cnpq.br/apresentacao_institucional. Accessed 22 Feb 2017.
  16. Côrte, B., & Lodovici Neto, P. (2009). A musicoterapia na doença de Parkinson. Ciência e Saúde Coletiva, 14(6), 2295–2304.CrossRefGoogle Scholar
  17. Federici, C. (2015). Práticas corporais, alegria e saúde. In I. M. Gomes, A. B. Fraga, & Y. M. Carvalho (Eds.), Práticas Corporais no Campo da Saúde: uma Política em Formação (pp. 163–189). Porto Alegre: Rede UNIDA.Google Scholar
  18. Ferland, F. (2006). O brincar e a criança. In F. Ferland (Ed.), O Modelo Lúdico: O Brincar, a Criança com Deficiência Física e a Terapia Ocupacional (3nd ed., pp. 1–18). São Paulo: Roca.Google Scholar
  19. Galiassi, C. V., Ramos, D. F. H., Kinjo, J. Y., & Souto, B. G. A. (2014). Atenção domiciliar na atenção primária à saúde: uma síntese operacional. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, 39(3), 177–185.Google Scholar
  20. Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa (4nd ed.). São Paulo: Atlas.Google Scholar
  21. Gomes, L., & Amaral, J. B. (2012). Os efeitos da utilização da música para os idosos: revisão sistemática. Revista Enfermagem Contemporânea, 1(1), 103–117.CrossRefGoogle Scholar
  22. Huizinga, J. (1971). Homo Ludens: O Jogo como Elemento da Cultura. São Paulo: Perspectiva.Google Scholar
  23. Isayama, H. F. (2009). Atuação do profissional de educação física no âmbito do lazer: a perspectiva da animação cultural. Motriz, 15(2), 407–413.Google Scholar
  24. Isayama, H. F., Siqueira, F. T. R., Araújo, N. S., Pinto, G. B., Souza, T. R., & Nunes, L. M. (2011). O lazer na humanização hospitalar: diálogos possíveis. Licere, 14(2), 1–26.Google Scholar
  25. Jurdi, A. P. S., & Amiralian, M. L. T. M. (2013). Ética do cuidado: a brinquedoteca como espaço de atenção a crianças em situação de vulnerabilidade. Interface—Comunicação, Saúde Educação, 17(45), 275–285.CrossRefGoogle Scholar
  26. Kalichman, A. O., & Ayres, J. R. C. M. (2016). Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cadernos de Saúde Pública, 32(8), 1–13.CrossRefGoogle Scholar
  27. Marcellino, N. C. (2002). Estudos do Lazer: uma Introdução. Campinas: Autores Associados.Google Scholar
  28. Marinho, A. (2004). Repensando o lúdico na vida cotidiana: atividades na natureza. In G. M. Schwartz (Ed.), Dinâmica Lúdica: Novos Olhares (pp. 1–16). Barueri: Manole.Google Scholar
  29. Marques, E. P., Garcia, T. M. B., Anders, J. C., Luz, J. H., Rocha, P. K., & Souza, S. (2016). Lúdico no cuidado à criança e ao adolescente com câncer: perspectivas da equipe de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 20(3), 1–8.Google Scholar
  30. Mello, C. O., Goulart, C. M. T., Ew, R. A., Moreira, A. M., & Sperb, T. M. (1999). Brincar no hospital: assunto para discutir e praticar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15(1), 65–74.Google Scholar
  31. Melo, V. A., & Alves Junior, E. D. (2003). Introdução ao Lazer. Barueri: Manole.Google Scholar
  32. Mitre, R. M. A., & Gomes, R. (2004). A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 9(1), 147–154.CrossRefGoogle Scholar
  33. Moran, C. A. (2016). Use of Music During Physical Therapy Intervention in a Neonatal Intensive Care Unit: A Randomized Controlled Trial. Journal of Human Growth and Development, 25(2), 177–181.CrossRefGoogle Scholar
  34. Mota, A., Schraiber, L. B., & Ayres, J. R. C. M. (2017). The ‘Paulista Way’; Building Collective Health in the State of Sao Paulo, Brazil. Interface, 21(60), 5–11.CrossRefGoogle Scholar
  35. Nahas, M. V. (2005). Experiências de organizações sociais em programas de saúde e lazer por meio de atividades físicas e esportes. Paper Presented at the Seminário Internacional Vida Ativa e Ação Comunitária, SESC, São Paulo.Google Scholar
  36. Nahas, M. V. (2013). Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida: Conceitos e Sugestões para um Estilo de Vida Ativo (6nd ed.). Londrina: Midiograf.Google Scholar
  37. Noordhoek, J., & Jokl, L. (2008). Efeito da música e de exercícios físicos num grupo de pessoas reumáticas: estudo piloto. Acta fisiátrica, 15(2), 127–129.Google Scholar
  38. Oliveira, G. C., Lopes, V. R. S., Damasceno, M. J. C. F., & Silva, E. M. (2012). A contribuição da musicoterapia na saúde do idoso. Cadernos UniFOA, 20, 85–94.Google Scholar
  39. Paim, J. S., & Teixeira, C. F. (2007). Configuração institucional e gestão do Sistema Único de Saúde: problemas e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 12, 1819–1829.CrossRefGoogle Scholar
  40. Pimentel, G. G. A. (2012). O passivo do lazer ativo. Movimento, 18(3), 299–316.Google Scholar
  41. Prado, A. R. (2016). Travessia (perigosa…) pelo PET-Saúde: reflexões a partir de experiências na atenção primária. In F. Wachs, U. R. Almeida, & F. F. F. Brandão (Eds.), Educação Física e Saúde Coletiva: Cenários, Experiências e Artefatos Culturais (pp. 335–349). Porto Alegre: Rede UNIDA.Google Scholar
  42. Ribeiro, J. P., Gomes, G. C., & Thofehrn, M. B. (2014). Health Facility Environment as Humanization Strategy Care in the Pediatric Unit: Systematic Review. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(3), 530–539.CrossRefGoogle Scholar
  43. Santin, S. (2001). Educação Física: da Alegria do Lúdico à Opressão do Rendimento (3nd ed.). Porto Alegre: Edições EST/ESEF.Google Scholar
  44. Santos, S. M. P. S. (1998). O Lúdico na Formação do Educador (2nd ed.). Petrópolis: Vozes.Google Scholar
  45. Saura, S. C. (2013). O imaginário do lazer e do lúdico anunciado em práticas espontâneas do corpo brincante. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 28(1), 163–175.CrossRefGoogle Scholar
  46. Silva, L. W. S., Francioni, F. F., Sena, E. L. S., Carraro, T. E., & Randunz, V. (2005). O cuidado na perspectiva de Leonardo Boff, uma personalidade a ser (re)descoberta na enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 58(4), 471–475.CrossRefGoogle Scholar
  47. Simon, H., & Kunz, E. (2014). O brincar como diálogo/pergunta e não como resposta à prática pedagógica. Movimento, 20(1), 375–394.Google Scholar
  48. Souza, T. P. (2005). ‘Música e idoso: uma proposta de intervenção do serviço social com arte’, master’s degree. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica.Google Scholar
  49. Souza, B. L., & Mitre, M. A. (2009). O brincar na hospitalização de crianças com paralisia cerebral. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(2), 195–201.Google Scholar
  50. Thomas, J. R., & Nelson, J. K. (2012). Métodos de Pesquisa em Atividade Física. Porto Alegre: Artmed.Google Scholar
  51. United Nations Development Programme. (2016). Human Development Report 2016: Human Development for Everyone. New York: United Nations Development Programme.Google Scholar
  52. Universidade do Estado de Santa Catarina. (2012). Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos. Available at: www.udesc.br/comitedeeticaepesquisacomsereshumanos. Accessed 22 Feb 2017.
  53. Velloso, M. P., Guimarães, M. B. L., Cruz, C. R. R., & Neves, T. C. C. (2016). Interdisciplinaridade e formação na área de saúde coletiva. Trabalho, Educação e Saúde, 14(1), 257–271.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2018

Authors and Affiliations

  • Miraíra Noal Manfroi
    • 1
  • Adriana Aparecida da Fonseca Viscardi
    • 1
  • Daliana Stephanie Lecuona
    • 2
  • Giandra Anceski Bataglion
    • 3
  • Verônica Werle
    • 4
  • Juliana de Paula Figueiredo
    • 1
  • Alcyane Marinho
    • 5
  1. 1.Physical Education Postgraduate ProgramFederal University of Santa CatarinaFlorianópolisBrazil
  2. 2.Human Movement Sciences Postgraduate ProgramSanta Catarina State UniversityFlorianópolisBrazil
  3. 3.Human Movement Sciences Postgraduate ProgramFederal University of Rio Grande do SulPorto AlegreBrazil
  4. 4.Federal University of ParanaCuritibaBrazil
  5. 5.Santa Catarina State UniversityFlorianópolisBrazil

Personalised recommendations