Advertisement

Strategic Analysis of Health Care Practices for the Homeless in Rio de Janeiro, Brazil

  • Elyne Montenegro Engstrom
  • Gisela Cardoso
  • Alda Lacerda
  • Mirna Barros Teixeira
  • Pilar Belmonte
  • Regina Bodstein
Chapter

Abstract

This chapter systematizes and analyzes a model for working with primary healthcare (PHC) teams specifically for homeless people in the municipality of Rio de Janeiro, a major metropolis in southeast Brazil. The chapter is organized as follows. The introduction reflects on the main theoretical references that underpin the workings of such teams, in Brazilian law called Consultório na Rua (CnaR) (literally “street clinic teams” or “homeless care teams,” although most of the care is provided at PHC facilities) and, in this chapter, the intervention under study. The specific context where these teams work in the municipal region is then outlined so as to frame the problem that justifies such an intervention as well as its expected outcomes. Next, the section “The case of the CnaR Teams in Rio de Janeiro” presents unpublished primary data from an evaluation study by health personnel with the Rio CnaR teams in 2016. This mode of service forms a strategy directed at the homeless population based on the principle of guaranteeing access to basic services, especially health services, and promoting comprehensive care. The importance of this study is indicated by how recently these teams have been introduced in Brazil and in Rio de Janeiro (about 5 years ago), the complexity and relevance of their work, directed as it is at such vulnerable groups, and the lack of evaluation studies of how the CnaR teams work in practice. The methodology used, strategic analysis, is directed at mapping problems, modeling interventions, and identifying key outcomes and the partnerships established.

Keywords

Health evaluation Primary healthcare Health promotion Homeless persons Comprehensive healthcare 

Notes

Acknowledgments

The authors thank the municipal management of the Consultório na Rua teams of the Municipality of Rio de Janeiro, Jane Cruz, the professionals of the teams that took part in the workshop, and those directly involved in care for the homeless.

The authors acknowledge the Vice-Presidency for Research and Reference Laboratories (VPPLR) of the Oswaldo Cruz Foundation for its support and funding for this project under the Edital de Políticas Públicas de Modelo de Atenção à Saúde da Fiocruz, November 2015.

References

  1. Barros PR (2015) Problemática dos deslocamentos humanos em tempo de epidemia: restrições à migração à luz dos direitos humanos. In: Galindo B, Rodrigo G (eds) Migrações, deslocamentos e direitos humanos. Grupo de Pesquisa C&DI, p 92–105Google Scholar
  2. Brasil (2008a) Governo Federal. Sumário Executivo: Pesquisa Nacional Sobre a População em Situação de Rua. BrasíliaGoogle Scholar
  3. Brasil (2008b) Governo Federal. Política nacional para inclusão social da população em situação de rua. BrasíliaGoogle Scholar
  4. Brasil (2010) Ministério da Saúde. Portaria no 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da UniãoGoogle Scholar
  5. Brasil (2011) Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, BrasíliaGoogle Scholar
  6. Brasil (2012a) Ministério da Saúde. Portaria n° 122/GM, de 25 de janeiro de 2012. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Diário Oficial da União 2012; 26 jan 2012a. (Série A. Normas e Manuais Técnicos)Google Scholar
  7. Brasil (2012b) Ministério da Saúde. Manual Sobre o Cuidado à Saúde junto a População em Situação de Rua. Brasília DFGoogle Scholar
  8. Brasil (2013) Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Políticas de promoção da equidade em saúde. 1st edn., 1. reimpr. Ministério da Saúde, BrasíliaGoogle Scholar
  9. Brasil (2014) Ministério da Saúde. Portaria n° 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS)Google Scholar
  10. Brasil. Constituição (1988) Constituição da República Federativa do Brasil, 18.ed edn. Senado, Brasília, DFGoogle Scholar
  11. Campos GWS, Gutiérrez AC, Guerrero AVP, Cunha GT (2010) Reflexões sobre a Atenção Básica e a estratégia de Saúde da Família. In: Campos GWS, Guerreiro ADP (eds) Manual de práticas da atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. Hucitec, São Paulo, pp 132–153Google Scholar
  12. Cardoso G, Santos EM, Kiflie Y, Woldemichael K, Wilson S, Lemma W (2017) Strategic analysis of Tuberculosis prevention and control actions in Brazil and Ethiopia: one size fits all? Int J Public Health 62(2):305–315CrossRefGoogle Scholar
  13. Carvalho, Bodstein, Ghartz, Matilda (2004) Concepções e abordagens na avaliação em promoção da saúde. Ciên Saúde colet 9(3):521–529CrossRefGoogle Scholar
  14. Castel R (1993) Da indigência à exclusão, a desfiliação: precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: Lancetti A (ed) Saúde Loucura. Hucitec, Säo PauloGoogle Scholar
  15. Champagne F, Brousselle, Contandriopoulos AP (2011a) A análise de efeitos. In: Brouselle A, Champagne F, Contandriopoulos AP, Hartz Z (eds) Avaliação: conceitos e métodos. Fiocruz, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  16. Champagne F, Brousselle A, Hartz Z, Contandriopoulos AP (2011b) Modelizar as intervenções. In: Brouselle A, Champagne F, Contandriopoulos AP, Hartz Z (eds) Avaliação: conceitos e métodos. Fiocruz, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  17. Champagne F, Brousselle A, Hartz Z, Contandriopoulos AP, Denis JL (2011c) A análise estratégica. In: Brouselle A, Champagne F, Contandriopoulos AP, Hartz Z (eds) Avaliação: conceitos e métodos. Fiocruz, Rio de JaneiroGoogle Scholar
  18. Ckagnazaroff IB, Mota NR (2003) Considerações sobre a relação entre descentralização e intersetorialidade como estratégias de modernização de prefeituras municipais. Rev E & G Econ e Gestão, Belo Horiz 3(6):23–41. Disponível em: www.spell.org.br/documentos/download/36443. Acesso em 14 Sept 2015
  19. Cousins BJ, Whitmore E (1998) Framing participatory evaluation. New directions for evaluation, 80. Disponível em: http://www.sdh.gov.br/noticias/2014/julho/ibge-apresenta-resultado-de-pesquisa-experimental-sobre-populacao-em-situacao-de-rua. Acessado em 26 Feb 2017
  20. Engstrom EM, Teixeira MB (2016) Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Cien Saude Colet 21(6):1839–1848CrossRefGoogle Scholar
  21. Feachem R (2001) Globalisation is good for you health, mostly. Br Med J 323:504–506CrossRefGoogle Scholar
  22. Giovanella L, Mendonça MHM (2012) Atenção Primária à Saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI (eds) Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Fiocruz, Rio de JaneiroCrossRefGoogle Scholar
  23. Greene JC, Benjamin L, Goodyear L (2001) The merits of mixing methods in evaluation. Evaluation, London 7(1):25–44CrossRefGoogle Scholar
  24. Jackson N, Waters E (2005) Criteria for the systematic review of health promotion and public health interventions. Public Health Int 20(4):367–374Google Scholar
  25. Natalino MAC (2016) Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Available at www.ipea.gov.br
  26. Onocko Campos, RT., Campos, GWS. (2009). Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In Campos et al., Tratado de Saúde Coletiva. Hucitec, 2ª edição, São PauloGoogle Scholar
  27. Rodriguez-Campos L, Rincones-Gomez R (2013) Collaborative evaluations step-by-step. Stanford University Press, StanfordGoogle Scholar
  28. Salazar L (2009) Efectividad en promoción de la salud pública: reflexiones sobre la práctica en América Latina y propuestas de cambio. Programa Editorial Universidad del Valle, Santiago de CaliGoogle Scholar
  29. Soranz et al (2016) 450 anos da cidade do Rio de Janeiro: Reforma dos Cuidados em Atenção Primária à Saúde. Ciênc. S aúde coletiva 21(5)Google Scholar
  30. Starfield B (2002) Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Unesco, Ministério da Saúde, BrasíliaGoogle Scholar
  31. Teixeira M, Fonseca Z (2015) Saberes e Práticas na Atenção Primária à Saúde: Cuidado à população em situação de rua e Usuários de Álcool, crack e outras drogas. Hucitec, São PauloCrossRefGoogle Scholar
  32. Trino A, Machado P, Rodriguez R (2015) Conceitos norteadores do cuidado junto a população em situação de rua. In: Teixeira M, Fonseca Z (eds) Saberes e Práticas na Atenção Primária à Saúde: Cuidado à população em situação de rua e Usuários de Álcool, crack e outras drogas. Hucitec, São PauloGoogle Scholar
  33. Yin RK (2015) Estudo de Caso: planejamento e métodos, 5ª edição edn. Bookman, Porto AlegreGoogle Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Elyne Montenegro Engstrom
    • 1
  • Gisela Cardoso
    • 1
  • Alda Lacerda
    • 2
  • Mirna Barros Teixeira
    • 1
  • Pilar Belmonte
    • 2
  • Regina Bodstein
    • 1
  1. 1.Sergio Arouca National School of Public Health, Oswaldo Cruz Foundation (FIOCRUZ)Rio de JaneiroBrazil
  2. 2.Joaquim Venâncio Polytechnic School of Health, Oswaldo Cruz Foundation (FIOCRUZ)Rio de JaneiroBrazil

Personalised recommendations