Work Process in Mental Health and Social Inclusion: Qualitative Analysis by ALCESTE Software

  • Sônia Barros
  • Naiara Gajo Silva
  • Anaísa Cristina Pinto
  • Laís Mariana da Fonseca
  • Jussara Carvalho dos Santos
Conference paper
Part of the Advances in Intelligent Systems and Computing book series (AISC, volume 621)

Abstract

Qualitative research which analyzed the mental health work process in the Family Health Strategy, by “Analyse Lexicale para Contexte d’um Ensemble de Segments de Texte” (ALCESTE), considering as purpose the social inclusion of the person with mental disorder. To collect the data used Semi-structured interviews. The analyses were through the intermediary of ALCESTE, with subsequent content analysis. There were three empirical categories: Identification of the work object in mental health; Mental health actions and interventions; Social Inclusion as the purpose of the work process in mental health. We discussed the tension between the biomedical and psychosocial models, the incorporation of mental health in the Family Health Strategy, the need to integrate the health team in the planning of care and interventions for the social inclusion of the “crazy”. The use of ALCESTE to aid in the analysis of the data gives coherence and trustworthiness to the research.

Keywords

Primary health care Mental health Social inclusion ALCESTE software 

References

  1. 1.
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 3.088 de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), Brasília (2011)Google Scholar
  2. 2.
    Londero, M.F.P., Ceccim, R.B., Bilibio, L.F.S.: Consultório de/na rua: desafio para um cuidado em verso na saúde. Interface Comunicação, Saúde, Educação 18(49), 251–260 (2014)CrossRefGoogle Scholar
  3. 3.
    Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica n.34. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Brasília (2013)Google Scholar
  4. 4.
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica/Ministério da Saúde, Brasília (2012)Google Scholar
  5. 5.
    Castel, R.: As Metamorfoses da Questão Social: Uma Crônica do Salário. Vozes, Petrópolis (1997)Google Scholar
  6. 6.
    Coimbra, V.C.V., et al.: A atenção em saúde mental na estratégia saúde da família. Revista Eletrônica de Enfermagem 7(1), 113–117 (2005)Google Scholar
  7. 7.
    Minayo, M.C.S.: O Desafio do Conhecimento, 12th edn. Editora Hucitec, São Paulo (2010)Google Scholar
  8. 8.
    Reinert, M.: ALCESTE, une méthodologie d’analyse des données textuelles et une application: Aurélia de G. de Nerval. Bulletin de méthodologie sociologique 28, 24–54 (1990)CrossRefGoogle Scholar
  9. 9.
    Azevedo, D.M., Costa, R.K.S.C., Miranda, F.A.N.: Use of Alceste in qualitative data analysis: contributions in nursing research. Revista de enfermagem UFPE on line, Recife, 7(esp):5015-22, July 2013Google Scholar
  10. 10.
    Nascimento, A.R.A., Menandro, P.R.M.: Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e Pesquisas em Psicologia 6(2), 72–88 (2006)Google Scholar
  11. 11.
    Mendes-Gonçalves, R.B.: Tecnologia e organização social das práticas de saúde. Características tecnológicas do processo de trabalho em saúde na rede estadual de centros de saúde de São Paulo. Hucitec., São Paulo (1994)Google Scholar
  12. 12.
    Marx, K.: O Capital. Editora Difel, 14th edn., vol. 1, São Paulo (1994)Google Scholar
  13. 13.
    Corradi-Webster, C.M., Carvalho, A.M.P.: Diálogos da psicologia com a enfermagem em tempos de transição paradigmática. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo 45(4), 974–980 (2011)CrossRefGoogle Scholar
  14. 14.
    Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº10.216, de 6 de abril de 2001 (2001)Google Scholar
  15. 15.
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Brasília (2008)Google Scholar
  16. 16.
    Gama, C.A.P., Onocko-Campos, R.: Saúde mental na atenção básica – uma pesquisa bibliográfica exploratória em periódicos de saúde coletiva (1997–2007). Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Florianópolis 1(2), 112–131 (2009)Google Scholar
  17. 17.
    Souza, L.G.S., Menandro, M.C.S., Couto, L.L.M., Schimith, P.B., de Lima, R.P.: Saúde Mental na Estratégia Saúde da Família: revisão da literatura brasileira. Saúde Sociedade. São Paulo 21(4), 1022–1034 (2012)CrossRefGoogle Scholar
  18. 18.
    Tanaka, O.Y., Ribeiro, E.L.: Ações de saúde mental na atenção básica: caminho para ampliação da integralidade da atenção. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro 14(2), 477–486 (2009)CrossRefGoogle Scholar
  19. 19.
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 648 de 28 de março de 2006 (2006)Google Scholar
  20. 20.
    Araújo, M.B.S., Rocha, P.M.: Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro 12(2), 455–464 (2007)CrossRefGoogle Scholar
  21. 21.
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Diretrizes do NASF Núcleo de Apoio a Saúde da Família – Brasília (2009)Google Scholar
  22. 22.
    Shimizu, H.E., Carvalho Junior, D.A.: O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciência e Saúde Coletiva 17(9), 2405–2414 (2012)CrossRefGoogle Scholar
  23. 23.
    Bagnasco, A., et al.: Identifying and correcting communication failure among health professional working in the emergency department. Int. Emerg. Nurs. 21(3), 168–172 (2013)CrossRefGoogle Scholar
  24. 24.
    Maxfield, D.G., Lyndon, A., Kennedy, H.P., Keeffe, D.O.: Confronting safety gaps across labor and delivery teams. Am. J. Obstet. Gynecol. 209(5), 402–408 (2013)CrossRefGoogle Scholar
  25. 25.
    Salles, M.M., Barros, S.: Representações sociais de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial e pessoas de sua rede sobre doença mental e inclusão social. Saúde e Sociedade 22(4), 1059–1071 (2013)CrossRefGoogle Scholar
  26. 26.
    Goffman, E.: Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada, 3rd edn. LTC, Rio de Janeiro (2004)Google Scholar
  27. 27.
    Thornicroft, G., et al.: Reducing stigma and discrimination: Candidate interventions. Int. J. Mental Health Syst. 2, 3 (2008)CrossRefGoogle Scholar
  28. 28.
    Santos, J.C., Barros, S., Santos, I.M.M.: Stigma: the perspective of workers on community mental health services - Brazil. Glob. Qual. Nurs. Res. 3, 1–9 (2016)Google Scholar
  29. 29.
    Corrigan, P.W., Shapiro, J.R.: Measuring the impact of programs that challenge the public stigma of mental illness. Clin. Psychol. Rev. 30(8), 907–922 (2010)CrossRefGoogle Scholar
  30. 30.
    Dubugras, M.T.B., Evans-Lacko, S., Mari, J.J.: A two-year cross-sectional study on the information about schizophrenia divulged by a prestigious daily newspaper. J. Nerv. Mental Dis. 199(9), 659–665 (2001)CrossRefGoogle Scholar
  31. 31.
    Correia, V.R., Barros, S., Colvero, L.A.: Mental health in primary health care: practices of the family health team. Revista da Escola de Enfermagem da USP 45(6), 1501–1506 (2011)CrossRefGoogle Scholar
  32. 32.
    Saraceno, B.: Libertando Identidades: da Reabilitação Psicossocial à Cidadania Possível, 2nd edn. Instituto Franco Basaglia/T e Cora, Belo Horizonte/Rio de Janeiro (2001)Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG 2018

Authors and Affiliations

  • Sônia Barros
    • 1
  • Naiara Gajo Silva
    • 1
  • Anaísa Cristina Pinto
    • 1
  • Laís Mariana da Fonseca
    • 1
  • Jussara Carvalho dos Santos
    • 1
  1. 1.Department of Maternal-Child and Psychiatric Nursing, School of NursingUniversity of São PauloSão PauloBrazil

Personalised recommendations