Accessibility in the Virtual Learning Environment Moodle Identification of Problems’ Class

  • Lane Primo
  • Vânia Ulbricht
  • Luciane Maria Fadel
Conference paper
Part of the Advances in Intelligent Systems and Computing book series (AISC, volume 570)

Abstract

This article presents the results of an investigation regarding the accessibility of blind students within the virtual learning environment (VLE) Moodle. The study was motivated by the increasing trend of hybrid learning expected for the following years, as well as the growth of enrollment numbers in distance education courses in Brazil. Such numbers generate the concern regarding the access of people with disabilities, by the intention of providing them full enjoyment from the learning experience. Therefore, the Design Science Research (DSR) method was utilized for identifying classes of problems and artifacts through the experience of VLE utilization by this public. The results were compiled from three different sources and resulted in the research’s outlook on this subject for the last ten years. Therefore, it opens the possibility for advances and generation of knowledge, on order to improve the accessibility in virtual environments such as Moodle.

Keywords

User experience Systematic literature review Design science research Blind people Distance education 

References

  1. 1.
    Johnson, L., Adams Becker, S., Cummins, M., Estrada, V., Freeman, A., Hall, C.: NMC Horizon Report: 2016 - Higher Education Edition. The Media Consortium, Austin (2016)Google Scholar
  2. 2.
    Obregon, R., Vanzin, T., Ulbricht, V.: AVA inclusivo: recomendações para design instrucional na perspectiva da alteridade, p. 234. Pimenta Cultural, São Paulo (2015)Google Scholar
  3. 3.
    Ulbricht, V., Vanzin, T., Villarouco, V.: Ambiente Virtual de Aprendizagem Inclusivo. Pandion, Florianópolis (2011)Google Scholar
  4. 4.
    Dresch, A., Lacerda, D., Antunes Júnior, J.: Design Science Research: método de pesquisa para o avanço da ciência e tecnologia, p. 181. Bookman, Porto Alegre (2015)Google Scholar
  5. 5.
    Botelho, L.L.R., Cunha, C.C.A., Macedo, M.: O Método da Revisão Integrativa nos Estudos Organizacionais. Gestão e Sociedade, vol. 5, no. 11, pp. 121–136 (2011). ISSN 1980-5756Google Scholar
  6. 6.
    Rogers, Y., Sharp, H., Preece, J.: Design de interação: além da interação humano-computador, 3rd edn., p. 585. Bookman, Porto Alegre (2013)Google Scholar
  7. 7.
    Nunes, E.: Audiodescrição Didática. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2016)Google Scholar
  8. 8.
    Santos, A.: Tecnologias da Informação e Comunicação na vida profissional do cego congênito. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2015)Google Scholar
  9. 9.
    Silva, G.: Diretrizes de acessibilidade para deficientes visuais a programação da TV digital interativa: contribuições. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2011)Google Scholar
  10. 10.
    Macedo, C.: Diretrizes para criação de objetos de aprendizagem acessíveis. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2010)Google Scholar
  11. 11.
    Flor, C.: Diagnóstico da acessibilidade dos principais museus virtuais disponíveis da internet. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2009)Google Scholar
  12. 12.
    Kaminski, D.: Sistema hipermídia adaptativo acessível. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2008)Google Scholar
  13. 13.
    Takimoto, T.: A percepção do espaço tricimensional e sua representação bidimensional: a Geometria ao alcance das pessoas com deficiência visual em comunidades virtuais de aprendizagem. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2014)Google Scholar
  14. 14.
    Rissi, M.: A confiança e as relações interpessoais assegurando o compartilhamento do conhecimento no ambiente virtual de aprendizagem. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2013)Google Scholar
  15. 15.
    Sartori, V.: Comunidade de prática virtual como ferramenta de compartilhamento de conhecimento na Educação a Distância. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2012)Google Scholar
  16. 16.
    Pivetta, E.: Criação de valores em comunidades de prática: um framework para um ambiente virtual de ensino e aprendizagem bilíngue. Thesis, 306th edn. Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2016)Google Scholar
  17. 17.
    Saito, D.: Ambientes de Comunidade de Prática Virtuais como apoio ao desenvolvmento de neologismos terminológicos em Língua de Sinais. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2016)Google Scholar
  18. 18.
    Berg, C.: Avaliação de ambientes virtuais de ensino aprendizagem acessíveis através de testes de usabilidade com emoções. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2013)Google Scholar
  19. 19.
    Quevedo, S.: Narrativas hipermidiáticas para ambiente virtual de aprendizagem inclusivo. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2013)Google Scholar
  20. 20.
    Carvalho, M.: Framework Conceitual para Ambiente Virtual Colaborativo das Comunidades Virtuais de Prática nas Universidades no Contexto de e-Gov. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2013)Google Scholar
  21. 21.
    Schneider, E.: Uma contribuição aos ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) suportados pela Teoria da Cognição Situada (TCS) para pessoas com deficiência auditiva. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2012)Google Scholar
  22. 22.
    Obregon, R.: O padrão arquetípico da Alteridade e o compartilhamento de conhecimento em Ambiente Virtual de Aprendizagem Inclusivo. Thesis, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2011)Google Scholar
  23. 23.
    Krames, M.: Recomendações de acessibilidade e usabilidade para ambientes virtuais de aprendizagem voltados para o usuário idoso. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2009)Google Scholar
  24. 24.
    Lasso, A.: Método para compartilhamento do conhecimento do especialista usado no processo de tomada de decisão. Dissertation, Federal University of Santa Catarina, Florianópolis (2016)Google Scholar
  25. 25.
    Maindenbaum, S., Levy-Tzedek, S., Chebat, D.-R., Amedi, A.: Increasing accessibility to the blind of virtual environments, using a virtual mobility aid based on the “EyeCane”: feasibility study. Plos One 8(8), e72555 (2013)Google Scholar
  26. 26.
    Calvo, R., Iglesias, A., Moreno, L.: Is moodle accessible for visually impaired people? In: Filipe, J., Cordeiro, J. (eds.) WEBIST 2011. LNBIP, vol. 101, pp. 207–220. Springer, Heidelberg (2012). doi:10.1007/978-3-642-28082-5_15 CrossRefGoogle Scholar
  27. 27.
    Petridou, M.: Involving the user with low or no vision in the design of an audio-haptic learning environment for learning about 3D shapes: the first approach. In: 3rd Computer Science and Electronic Engineering Conference, CEEC 2011, pp. 29–34 (2011). Article no. 5995820Google Scholar
  28. 28.
    Buzzi, M.C., Buzzi, M., Leporini, B.: Accessing e-learning systems via screen reader: an example. In: Jacko, Julie A. (ed.) HCI 2009. LNCS, vol. 5613, pp. 21–30. Springer, Heidelberg (2009). doi:10.1007/978-3-642-02583-9_3 CrossRefGoogle Scholar
  29. 29.
    Ulbricht, V.R.: A tool to facilitate including accessible content in moodle to the person with visual impairment. Proc. Comput. Sci. 14, 138–147 (2012)CrossRefGoogle Scholar
  30. 30.
    Carvalho, A., Da Silva, A., Pagliuca, L.: Acessibilidade no ambiente virtual de aprendizagem Moodle: revisão de literatura. Revista de enfermagem UFPE on line (2013)Google Scholar
  31. 31.
    Silveira, C., Beiler, A.: Análise Comparativa dos Softwares Leitores de Tela Utilizando O Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle. In: 18° CIAED Congresso Internacional ABED de Educação a Distância, São Luís, MA (2012)Google Scholar
  32. 32.
    Matta, C.: Limites e Possibilidades da Inclusão de Pessoas com Deficiência no Ensino Superior por meio da EAD na Unifei. Anais XI ESUD – Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância, vol. 2, no. 1 Sujeitos, políticas, tecnologias e processos EmRede: produções do ESUD (2015)Google Scholar
  33. 33.
    Pansanato, L., Silva, C., Rodrigues, L.: Uma Experiência de Inclusão de Estudante Cego na Educação Superior em Computação. Workshop sobre Educação em Informática, 2012, Curitiba. XXX Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (2012)Google Scholar
  34. 34.
    Dalcin, E.: Desenvolvimento de Interface Gráfica Acessível para Deficientes Visuais no AVEA Moodle. XI EVIDOSOL e VIII CILTEC-Online. Anais, vol. 3, no. 1 (2014)Google Scholar
  35. 35.
    Ulbricht, V.: Os Deficientes Visuais e a Educação a Distância. Revista EducaOnline. Educomunicação, Educação e Novas Tecnologias. Laboratório de Pesquisa em Tecnologia a Informação e da Comunicação. Escola de Comunicação. UFRJ, vol. 5, no. 3, pp. 1–18 (2011)Google Scholar
  36. 36.
    Lima, M.B.: Educação a distância para comunicação entre enfermeiros e cegos. J. Health Inform. 4. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/213. Accessed 2012
  37. 37.
    Barbosa, A.: Uma Experiência no Ensino de Informática para Deficientes Visuais no Município de Garanhuns-PE. http://br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/2626. Accessed 19 Oct 2013

Copyright information

© Springer International Publishing AG 2017

Authors and Affiliations

  • Lane Primo
    • 1
  • Vânia Ulbricht
    • 1
  • Luciane Maria Fadel
    • 1
  1. 1.Knowledge Engineering and Management Department, EGCFederal University of Santa Catarina, UFSCFlorianópolisBrazil

Personalised recommendations