Advertisement

Semiotics in Brazil

  • Monica P. Rector
Part of the Topics in Contemporary Semiotics book series (TICSE)

Abstract

Before exploring the specific subject of this chapter, I would like to briefly survey the cultural background, not only of Brazil but of Latin America in general, in which the study of semiotics has emerged. Portuguese and Spanish colonization, imposed upon an indigenous population and then mixed with African Negro blood, gave rise to a Latin American civilization still known throughout the world as underdeveloped and belonging economically to the Third World. Although Brazil has problems quite different from its Spanish American neighbors, the basic sociocultural aspects have been the same, varying only according to the political moment. Over the centuries cultural models from Europe were also imposed upon Latin America, often via the colonizing power which had interpreted the models according to its own needs.

Keywords

Acoustic Image Portuguese Language Federal Council Literary Movement Principal Center 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

Preview

Unable to display preview. Download preview PDF.

Unable to display preview. Download preview PDF.

Bibliography

A. Books and Articles

  1. Barbosa, Maria Aparecida. “Processos Intrassemióticos e Realimentação Intersemiótica da Dinâmica Léxica.” Acta Semiotica et Linguistica, 4 (1980), 43–55.Google Scholar
  2. Braga, Maria Lucia Santaella. “O Problema da Redação Diante da Transformação da Linguagem Escrita.” Revista da PUCSP, 49 (1979).Google Scholar
  3. Braga, Maria Lucia Santaella. Produção de Linguagem e Ideologia. São Paulo: Cortez, 1980.Google Scholar
  4. Braga, Maria Lucia Santaella. “Entre-ver a Literatura Inter-lendo um Poema.” Revis De Signos. São Paulo: Cortez, 1981.Google Scholar
  5. Braga, Maria Lucia Santaella. Oque é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1983.Google Scholar
  6. Campos, Haroldo de. Ideograma, Anagrama, Diagrama. São Paulo: Cultrix — EDUSP, 1977.Google Scholar
  7. Carontini, E. and Peraya, D. O Projeto Semiótico: Elementos de Semiótica Geral. Trans. Alceu Dias Lima. São Paulo: Cultrix — EDUSP, 1979.Google Scholar
  8. 9.
    Cime, Moacy. “Da Vanguarda Produtiva à Semiologia Materialista.” Revista de Cultura Vozes, (Petrópolis: Vozes, 1979).Google Scholar
  9. Cime, Moacy. Uma Introdução Política aos Quadrinhos. Rio de Janeiro: Achiamé/Angra, 1982.Google Scholar
  10. Coelho, Netto and J. Teixeira. Semiótica, Informação, Comunicação. São Paulo: Perspectiva, 1980.Google Scholar
  11. Dascal, Marcelo, ed. Pragmática: Problemas, Críticas, Perspectiva da Lingüística, Bibliografia. Campinas: Unicampo, 1982.Google Scholar
  12. Ferrara, Lucrecia D’Alessio. “Poluição Visual e Leitura do Ambiente Urbano.” Através, 1 (1977), pp. 63–79.Google Scholar
  13. Ferrara, Lucrecia D’Alessio. “Linguagem: Notícia/Informação,” Através, 3 (1979), 35–40.Google Scholar
  14. Ferrara, Lucrecia D’Alessio. A Estratégia dos Signos: Linguagem, Espaço, Ambiente Urbano. São Paulo: Perspectiva. Coleção Estudos, 1981.Google Scholar
  15. Fiorin, José Luiz. “O Discurso de Antonio Conselheiro.” Religião e Sociedade, 5 (1980).Google Scholar
  16. Katz, Chaim Samuel, et al. Dicionário Crítico de Comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1971.Google Scholar
  17. Lima, Luiz Costa, introd., comments, selections. Theodor Adorno et al., Teoria da Cultura de Massa. 2nd ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.Google Scholar
  18. Lopes, Edward. Discurso, Texto e Significação: Uma Teoria do Interpretante. São Paulo: Cultrix — Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.Google Scholar
  19. Lopes, Edward. “Hacia una Definición del Concepto de Función en el Relato.” Acta Semiotica et Linguistica, 1, No. 2 (1978), 257–269.Google Scholar
  20. Neiva, Eduardo Jr. “Informação e Communicação.” In: Manual de Linguística. Eds. M. Rector and C.T. Pais. Petrópolis: Vozes, 1979.Google Scholar
  21. Ortiz, Anna Maria Balogh, “Reflexões sobre Tradução Intersemiótica.” Significação. Revista Brasileira de Semiótica, 3 (1981).Google Scholar
  22. Pais, Cidmar Teodoro. “Structuration du signifié: de l’analyse conceptuelle à la lexemisation.” Acta Semiotica et Linguistica, 2 (1978), 327–337.Google Scholar
  23. Pais, Cidmar Teodoro. “Semiose, Informação e Transcodificação. Lingua e Literatura, 8 (1979).Google Scholar
  24. Pais, Cidmar Teodoro. “Les Tensions et les parcours de production du processus sémiotique.” Acta Semiotica et Linguistica, 3 (1979), 103–123.Google Scholar
  25. Pais, Cidmar Teodoro. “Systèmes de signes et systèmes de signification audelà du structuralisme.” Acta Semiotica et Linguistica, 4 (1980), 69–80.Google Scholar
  26. Pais, Cidmar Teodoro. “Semiótica, uma Ciência em Construção.” In Anais do IIo Colóquio Brasileiro de Semiótica. Rio de Janeiro, PUC — Loyola, (1983), 43–60.Google Scholar
  27. Pais, Cidmar Teodoro. “Elementos para uma Tipologia dos Sistemas Semióticos.” Revista Brasileira de Lingüística, 6, No. 1 (1982), 45–60.Google Scholar
  28. Peñueia Canizal, Eduardo. Duas Leituras Semióticas: Graciliano Ramos e Miguel Angel Asturias. São Paulo: Perspectiva — Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.Google Scholar
  29. Peñueia Canizal, Eduardo. “A Perspectiva Semiótica no Ensino de Comunicação,” Comunicações e Artes, 8 (1979).Google Scholar
  30. Peñueia Canizal, Eduardo. “Le Processus d’iconicité dans le texte artistique.” In Proceedings of the 2nd Congress of the International Association for Semiotic Studies. Vienna, 1979.Google Scholar
  31. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1968. (10th ed., 1981).Google Scholar
  32. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. “A Ilusão da Contigüidade,” Através, 1, (1977), 30–38.Google Scholar
  33. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. Información, Lenguaje, Comunicación. Barcelona: Gustavo Gili, 1978. (2nd ed., 1980).Google Scholar
  34. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. Contracomunicação. São Paulo: Duas Cidades, 1971. (3rd ed., 1981).Google Scholar
  35. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. Semiótica e Literatura. São Paulo: Moraes, 1974. (3rd ed., 1981).Google Scholar
  36. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. Comunicação poética. São Paulo: Moraes, 1977. (3rd ed., 1981).Google Scholar
  37. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. “Um Neolitico de Consumo.” In Rio Déco. Eds. Luciano Figueiredo and Oscar Ramos. Rio de Janeiro, João Fortes Engenharia, 1980.Google Scholar
  38. Pignatari, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação. Semiótica da Arte e da Arquitetura. São Paulo: Cultrix, 1981.Google Scholar
  39. Rector, Monica. “The Language of the Telenovela and Its Influence on Brazilian Society.” In A Semiotic Landscape, Eds. Seymour Chatman et al. New York: Mouton, 1979.Google Scholar
  40. Rector, Monica. “Requiem para Roland Barthes,” [Rio de Janeiro] Jornal do Brasil, (special issue, Apr. 6, 1980).Google Scholar
  41. Rector, Monica. “El Lenguaje de la Telenovela.” Video-Forum, 6 (Caracas: Fundación Academia Nacional de Ciências y Artes del Cine y la Television, 1980), 35–43.Google Scholar
  42. Rector, Monica. “Semiotik in Lateinamerika.” Zeitschrift für Semiotik 2 (Berlin: Akademische Verlagsgesellschaft, 1980).Google Scholar
  43. Rector, Monica and Yunes, Eliana. Manual de Semântica. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1980.Google Scholar
  44. Ricci, Vera Lucia Zapolla. A função simbólica: lingua e ideologia. Araraquara: ILCSE-UNESP, 1982.Google Scholar
  45. Silva, Ignácio Assis. “Une Lecture de Velasquez.” In Actes sémiotiques: Documents du Groupe de Recherches Sémio-linguistiques, 11, No. 19. (Paris: École des Hautes Études en Sciences Sociales, CNRS, 1980).Google Scholar
  46. Silva, Ignácio Assis. O projeto greimasiano de semiótica narrativa. Araraquara: ILCSE, 1981.Google Scholar
  47. Yunes, Eliana. “A Linguagem dos Sinos.” Revista de Cultura Vozes, 9 (Petrópolis: Vozes, 1978).Google Scholar
  48. Silva, Ignácio Assis. “Filosofia da Linguagem e Semiótica do Poder.” In Anais do Primeiro Colóquio Brasileiro de Semiótica. São Paulo: Loyola; Rio de Janeiro, PUC, 1980.Google Scholar
  49. Silva, Ignácio Assis. “A Verdade e o Discurso Político.” Comum, 8 (Rio de Janeiro, FACHA, 1981) 5–12.Google Scholar
  50. Silva, Ignácio Assis. “Semiótica da Repressão: O Poder da Fala em ‘O Sargento Getulio’.” Linguagens, 2 (Rio de Janeiro: PUC, 1981).Google Scholar

B. Theses

  1. The most interesting research in semiotics has been done by students in the form of theses to obtain either their master’s or their Ph.D. degree. Most of these theses remain unpublished. The following bibliography lists them according to the university and department in which they were written.Google Scholar

B. Theses 1. School of Communication of the Federal University of Rio de Janeiro

  1. Jorge Helio Santos, “O Dever Textual.”Google Scholar
  2. Anamaria Kóvacs, “Coluna Social: Linguagem e Montagem.”Google Scholar
  3. Mário Galvão Queirós Filho, “A Significação da Tradução.”Google Scholar
  4. Mário Cezar de Miranda Fortes, “O Significado do Outro.”Google Scholar
  5. Zulene Reis, “O Discurso Mítico/ Poético na Música Popular Brasileira.”Google Scholar
  6. João Luiz Vieira, “Foto de Cena e Chanchada: a Eficácia do “Star System” no Brasil.”Google Scholar
  7. Alberto Oliva, “Estados de Coisas e Silêncio.”Google Scholar
  8. Maria Bernardina de Oliveira Silva, “A Notícia na Pena do Cronista.”Google Scholar
  9. Isis Lourdes Figueira Costa, “Mito e Cultura, Dois Sistemas de Significação da Mulher.”Google Scholar
  10. Tania Maria Olivier Chulam, “Escritos Sobre os Escritos de Lacan.”Google Scholar
  11. Everardo Pereira Guimarães Rocha, “O Ofício de Encantar: Uma Análise da Representação do Fazer do Publicitário.”Google Scholar
  12. Newton Ferreira Lima, “A Interdependência da Linguagem.”Google Scholar
  13. Almo Saturnino Vieira Magalhães, “Linguagem e Estados Estéticos.”Google Scholar

B. Theses 2. Department of Letters of the “Pontifícia Universidade Católica” of São Paulo

  1. Maria Rosa D. Oliveira, “A Escritura Semiótica de Memórias Póstumas de Brás Cubas.” Google Scholar
  2. Fernando Segolin, “Personagens e Anti-personagem: Da Açãofuncão ao Texto.”Google Scholar
  3. Samira Jorge Roas, “Traços de Modernidade em Pedro Kilkerry ou de um Modo de Perceber o Texto Kilkerriano.”Google Scholar
  4. Maria Prazeres Mendes Clini, “O Interprocessar Barroco/Publicidade.”Google Scholar
  5. Maria Inês dos Santos Duarte, “O ‘Nouveau Roman’ como Metalinguagem da Narrativa.”Google Scholar
  6. Maria Helena Marcondes Machado, “Problemas de Tradução Poética e sua Prática em Textos de Baudelaire.”Google Scholar
  7. Maria José Pereira Gondo Palo, “O Texto no Espaço do Problema Didático-Literário.”Google Scholar
  8. Luis Antonio de Figueiredo, “Poesia Concreta: Sob o Signo da Sintaxe Radical.”Google Scholar
  9. Carlos Gardin, “Rarefação do Enredo na Narrativa Teatral.”Google Scholar
  10. José João Cury, “A Quantificação e Análise dos Dados na Narrativa Teatral.”Google Scholar
  11. Olga Sá, “A Escritura de Clarice Lispector.”Google Scholar
  12. Tarcísio Justino Loro, “Cartaz de Cinema: Como é Escolhido e Decodificado pelo Adolescente.”Google Scholar
  13. Ana Maria B. Ribeiro, “O Movimento Como Processo Semiotico: Oswald de Andrade.”Google Scholar
  14. Clara Maria Silveira Machado, “O Fantástico em Cortázar: Um Jogo Estranho.”Google Scholar
  15. Ana Maria Soares de Salles, “Saúde Pública em Cartaz—Possibilidade de Decodificação.”Google Scholar
  16. Luiz Tyller Pirola, “As Intervenções do Autor ao Nível de Fala das Personagens.”Google Scholar
  17. Anne Shirley Araújo, “Mensagem Urbana e Participação”.Google Scholar
  18. Nivia Assumpção, “O Parnasianismo como Fenômeno da Cultura Brasileira em Conflito entre Kitsch e Vanguarda.”Google Scholar
  19. Julian Francis Nazario, “Tristam Shandy”, O Mundo às Avessas de Laurence Sterne.Google Scholar
  20. Zula Garcia Giglio, “Literatura para Adolescentes.”Google Scholar
  21. Francisco Ivan Silva, “Por uma Sociologia dos Sistemas Semióticos.”Google Scholar
  22. Maria Lucia Fabrini de Almeida, “Uma Leitura de ‘Otredad’ nos Ensaios de Octavio Paz.”Google Scholar
  23. Marilena Esberard de Lauro Montanari, “O Poema Canto, Gerado na Dialética: Música Popular X Texto Literário.”Google Scholar
  24. Samir Curi Meserani, “A Redação (Replação) Escolar.”Google Scholar
  25. Elizabeth de Aquino Cunha, “A Literatura Para Crianças.”Google Scholar

B. Theses 3. Department of Letters of the “Pontifícia Universidade Católica” of Rio de Janeiro

  1. Sérgio Waldeck de Carvalho, “Considerações Sobre a Pragmática: Marcas de Enunciação.”Google Scholar
  2. Eudenise de Albuquerque Limeira, “A Comunicação Gestual de Danças Folclóricas Nordestinas.” Published as: A Comunicação Gestual (Rio de Janeiro: Editora Rio, 1977).Google Scholar
  3. Maria Helena Lopes de Oliveira, “A Linguagem do Barroco Mineiro: Análise da Escultura do Aleijadinho.”Google Scholar
  4. Júlio César da Silva, “O Conto de Monteiro Lobato: Análise Semiológica.”Google Scholar

B. Theses 4. Department of Letters of the Federal University of Rio de Janeiro

  1. Carolina Maia Gouvea, “A Linguagem Gestual em Grande Sertão: Veredas.” Google Scholar
  2. Aglaeda Facó Ventura, “Para uma Possível Estilística Semiótica.”Google Scholar

B. Theses 5. Department of Linguistics of the Faculty of Philosophy, Letters, and Human Sciences of the University of São Paulo

  1. Milton José de Almeida, “Notas a uma análise semântica de discurso em enunciados de política internacional.”Google Scholar
  2. Milton José de Almeida. “A Codificação Semântica do Discurso Lingüístico: Aspectos Básicos e Análise Semêmica.”Google Scholar
  3. José Luiz Daniel, “Semiótica narrativa: Um Estudo das Estruturas Narrativas.”Google Scholar
  4. Lia Pereira Jardim, “Texto e pré-texto: O Agenciamento Discursivo da Significação no Processo Metalinguistico da Leitura.”Google Scholar
  5. José Luiz Fiorin, “A Ilusão da Liberdade Discursiva.”Google Scholar
  6. Maria Aparecida Barbosa, “Para um Modelo Teórico da Combinatória Sêmiotáxica.”Google Scholar
  7. Ione Maria Ghislene Bentz, “A Ilusão do Referencial.”Google Scholar
  8. José Jorge Peralta, “Estruturas Lingüísticas e Análise do Texto Literário.”Google Scholar
  9. Hercília Tavares de Miranda Telles Pereira, “O Teatro Infantil de Maria Clara Machado: Estruturas Narrativas e Discursivas, Produção e Sustentação de Ideologia.”Google Scholar
  10. Nina Rosa da Penha Lourenço, “A Construção da Significação nos Contos de Rubem Fonseca.”Google Scholar
  11. Elisabeth Brait Rodrigues de Oliveira, “Questões de Ordem, Questões de Desordem, um Lance de Dados que Jamais Abolirá o Acaso.”Google Scholar
  12. Maria Aparecida Barbosa, “Para um Modelo Teórico de Sistema Semiótico-Lingüístico: Dinâmica das Estruturas Léxicas.”Google Scholar

Copyright information

© Plenum Press, New York 1986

Authors and Affiliations

  • Monica P. Rector
    • 1
  1. 1.Department of Social CommunicationUniversidade Federal FluminenseRio de JaneiroBrazil

Personalised recommendations