An Inconsistent Policy: Lifelong Learning and Adult Education Policy Towards a Competitive Advantage

Chapter
Part of the Lifelong Learning Book Series book series (LLLB, volume 19)

Abstract

This chapter focuses on the ways by which EU lifelong learning agenda, specifically the guidelines for basic skills, has been interpreted according to the Portuguese realities, at national and local levels. We suggest that basic skills for all, as intended in the framework of the European area of lifelong learning, have somewhat loose roots on the cultural and civic dimensions of education in a human and social development perspective. Competitiveness and social cohesion, the dual centrality of lifelong education and learning for Europe, stated in Lisbon Strategy, have been interpreted and translated in Portugal through a dynamic imbalanced agenda fed by two major strands: the prosecution of a social right for a long time in debt to adult population and a search for so-called employability and qualification, as a way to tackle Portuguese distance from European educational standards. According to these options that frame the EU agenda, this chapter also stresses the adults’ understandings of adult education which come out from the research findings presented later. The data analysis shows that these understandings are congruent with EU orientations; adults see adult education as a promise of a better life. Thus, given the inconsistency of lifelong learning, fulfilling this promise is a hard task to achieve.

Keywords

European Union Lifelong Learning Basic Skill Adult Education Professional Qualification 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

References

  1. Afonso, A. J. (1998). Políticas educativas e avaliação educacional. Para uma análise sociológica da reforma educativa em Portugal (1985–1995). Braga: Universidade do Minho/IEP/CIEP.Google Scholar
  2. Alonso, L., Magalhães, J., Imaginário, L., Barros, G., Castro, J. M., Osório, A., & Sequeira, F. (2000). Educação e formação de adultos. Referencial de competências-chave. Lisboa: Agência Nacional de Educação e Formação de Adultos/Ministério do Trabalho e da Solidariedade and Ministério da Educação.Google Scholar
  3. Alves, M. G. (Ed.). (2010). Aprendizagem ao longo da vida e políticas educativas Europeias: tensões e ambiguidades nos discursos e nas práticas de estados, instituições e indivíduos. Lisboa: Unidade de Investigação, Educação e Desenvolvimento/Faculdade de Ciências e Tecnologia.Google Scholar
  4. Antunes, F. (2008). A nova ordem educacional. Espaço europeu de educação e aprendizagem ao longo da vida. Coimbra: Almedina.Google Scholar
  5. Antunes, F. (2011). Governação, reformas do Estado e políticas de educação de adultos em Portugal: pressões globais e especificidades nacionais, tensões e ambivalências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 92, 3–29.CrossRefGoogle Scholar
  6. Ávila, P. (2008). A literacia dos adultos. Competências-chave na Sociedade do Conhecimento. Lisboa: CIES-ISCTE/Celta Editora.Google Scholar
  7. Bauman, Z. (2005). Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.Google Scholar
  8. Bélanger, P., & Federighi, P. (2001). Analyse transnationale des politiques d’éducation et de formation des adultes. Paris: UNESCO-L’Harmattan.Google Scholar
  9. CIDEC. (2007). O impacto do reconhecimento e certificação de competências adquiridas ao longo da vida. Actualização e aperfeiçoamento. Lisboa: Direcção-Geral de Formação Vocacional.Google Scholar
  10. Commission of the European Communities. (2005). Modernising education and training: A vital contribution to prosperity and social cohesion in Europe. Draft 2006 joint progress report of the Council and Commission on the implementation of the “Education and Training 2010 work programme” (SEC(2005) 1415. Brussels, 30 November. COM(2005) 549 final/2).Google Scholar
  11. Council of the European Union. (2003). Council conclusions on reference levels of European average performance in education and training (benchmarks). Brussels: Council of the European Union.Google Scholar
  12. Field, J. (2006). Lifelong learning and the educational order. Stoke on Trent: Trentham Books.Google Scholar
  13. Gomes, M. C. (Coord.). (2006). Referencial de competências-chave para a educação e formação de adultos – nível secundário. Lisboa: Direcção-Geral de Formação Vocacional.Google Scholar
  14. Guimarães, P. (2011). Políticas de educação de adultos em Portugal (1999–2006). A emergência da educação e formação para a competitividade. Braga: Universidade do Minho/Cied.Google Scholar
  15. Hozjan, D. (2009). Key competences for the development of lifelong learning in the European Union. European Journal of Vocational Training, 46(1), 196–207.Google Scholar
  16. Imaginário, L., Carimbo, S., Duarte, I., & Araújo, S. S. (2002). A aprendizagem dos adultos em Portugal: exame temático no âmbito da OCDE. Lisboa: Agência Nacional de Educação e Formação de Adultos.Google Scholar
  17. Iniciativa Novas Oportunidades. (2005). http//novasoportunidades.gov.pt/np4/9.html. Accessed 30 Nov 2011.
  18. Lima, L. C. (2007). Educação ao longo da vida. Entre a mão direita e a mão esquerda de Miró. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  19. Lima, L. C. (2008). A Educação de Adultos em Portugal (1974–2004). In R. Canário & B. Cabrito (Orgs.), Educação e formação de Adultos. Mutações e convergências (pp. 31–60). Lisboa: EDUCA.Google Scholar
  20. Lima, L. C., & Guimarães, P. (2011). European strategies of lifelong learning: A critical introduction. Opladen/Farmington Hills: Barbara Budrich Publishers.Google Scholar
  21. Lima, L. C., & Guimarães, P. (2012). Percursos educativos e vidas dos adultos. O reconhecimento, certificação e validação de competências numa associação de desenvolvimento local. Vila Verde: ATAHCA/Universidade do Minho/Unidade de Educação de Adultos.Google Scholar
  22. Melo, A. (2004). The absence of an adult education policy as a form of social control and some processes of resistance. In L. C. Lima & P. Guimarães (Eds.), Perspectives on adult education in Portugal (pp. 39–63). Braga: Universidade do Minho/Unidade de Educação de Adultos.Google Scholar
  23. Melo, A., Queirós, A. M., Silva, A. S., Rothes, L., & Ribeiro, M. (1998). Uma aposta educativa na participação de todos. Documento de estratégia para o desenvolvimento da educação de adultos. Lisboa: Ministério da Educação.Google Scholar
  24. Melo, A. (Coord.), Matos, L., & Silva, O. S. (2001a). S@ber+. Programa para o desenvolvimento e expansão da educação de adultos (1999–2006). Lisboa: Agência Nacional de Educação e Formação de Adultos.Google Scholar
  25. Melo, A., Lima, L. C., & Almeida, M. (2001b). Novas políticas de educação e formação de adultos. O contexto internacional e a situação portuguesa. Lisboa: ANEFA.Google Scholar
  26. Sá, R. (2009). Políticas para a educação de adultos em Portugal – a governação pluriescalar da «nova educação e formação de adultos» (1996–2006). Ph.D. thesis, Universidade do Minho/Instituto de Educação e Psicologia, Braga.Google Scholar
  27. Stoer, S. R. (1982). Educação, estado e desenvolvimento em Portugal. Lisboa: Livros Horizonte.Google Scholar
  28. Stoer, S. R. (1986). Educação e mudança social em Portugal. Porto: Afrontamento.Google Scholar
  29. Valente, A. C., Carvalho, L. X., & Carvalho, A. X. (2011). Bringing lifelong learning to low-skilled adults: The new opportunities initiative. In R. Carneiro (Dir and Ed.), Accreditation of prior learning as a lever for lifelong learning. Lessons learnt from the new opportunities initiative, Portugal (pp. 145–181). Braga: UNESCO/MENON Network/CEPCEP – Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa.Google Scholar

Copyright information

© Springer Science+Business Media Dordrecht 2014

Authors and Affiliations

  1. 1.Institute of EducationUniversity of LisbonLisbonPortugal
  2. 2.Institute of EducationUniversity of MinhoBragaPortugal

Personalised recommendations