Cultural and Educational Heritage, Social Structure and Quality of Life

Chapter

Abstract

Portuguese society changed very significantly in the last decades. This chapter begins with an analysis of the most influential changes in economic structure, employment system and demography, giving emphasis to the drastic decrease of agriculture and peasantry, the increase of female participation in the labour market and the shift in migration movements. The persistent concentration of population in the metropolitan areas of Lisboa and Porto, which ran parallel with the consolidation of other important asymmetries in the Mainland territory, was also analysed. Impressive improvements in the access of the younger generations to instruction were registered, but the text also demonstrates that they are far from being a homogeneous movement in Portuguese social space. With the composite effects of economic, demographic and educational changes in mind, the author then points up the broad tendencies, and regional variants, of class recomposition and social mobility. Having announced, since the very beginning, that Portuguese society is marked by very significant social asymmetries, he cannot but cautiously discuss the main issues concerning poverty and economic inequalities, as well as quality of life and welfare support. Value systems and cultural dynamics are the last features to be studied. The results demonstrate that the twin impulses of democratisation and modernisation that followed the fall in 1974 of the old authoritarian regime touched not only the ‘material infrastructure’, but also, very impressively, the ‘symbolical superstructure’ of social life.

Keywords

Labour Market Young Generation Wage Distribution Compulsory Schooling Migration Movement 
These keywords were added by machine and not by the authors. This process is experimental and the keywords may be updated as the learning algorithm improves.

References

  1. Aboim, S. (2006). Conjugalidades em mudança. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  2. Aboim, S. (2007). Clivagens e continuidades de género face aos valores da vida familiar em Portugal. In K. Wall & L. Amâncio (Eds.), Família e género em Portugal e na Europa (pp. 35–91). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  3. Aboim, S. (2009). Igualdade Gualdade e diferença: género e cidadania em Portugal. In Le Monde Diplomatique (Vol. 36/II). Lisboa: Outro Modo.Google Scholar
  4. Almeida, A. N. (2003). Famílias. In Instituto Nacional de Estatística (Ed.), Portugal Social (1991–2001) (pp. 51–68). Lisboa: INE.Google Scholar
  5. Almeida, A. N., & Vieira, M. M. (2006). A escola em Portugal. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  6. Almeida, J. F., Machado, F. L., & Costa, A. C. (2006). Classes sociais e valores em contexto europeu. In J. Vala & A. Torres (Eds.), Contextos e atitudes sociais na Europa (pp. 69–96). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  7. Almeida, J. F., Capucha, L., Costa, A. F., Machado, F. L., & Torres, A. (2007). A sociedade. In A. Reis (Ed.), Retrato de Portugal. Factos e acontecimentos (pp. 43–79). Lisboa: Círculo de Leitores.Google Scholar
  8. Alves, N. (2008). Juventudes e inserção social. Lisboa: Educa/Unidade de I&D de Ciências da Educação.Google Scholar
  9. Alves, N. (2009). Novos factos sobre a pobreza em Portugal. In Boletim Económico do Banco de Portugal (pp. 125–146), Primavera. Lisboa: Banco de Portugal.Google Scholar
  10. Ávila, P. (2006). A literacia dos adultos: competências-chave na sociedade do conhecimento (PhD dissertation, ISCTE).Google Scholar
  11. Ávila, P. (2009). Literacy and social inequalities in the knowledge society. In A. F. Costa, F. L. Machado, & P. Ávila (Eds.), Knowledge and society (pp. 21–44). Lisboa: CIES, ISCTE-IUL/Celta.Google Scholar
  12. Barros, P. P., & Simões, J. A. (2007). Portugal: Health system review. Health Systems in Transition, 9(5), 1–142.Google Scholar
  13. Capucha, L. (2009). Poverty and social exclusion. In M. D. Guerreiro, A. Torres, & L. Capucha (Eds.), Welfare and everyday life (pp. 169–186). Lisboa: CIES, ISCTE-IUL/Celta.Google Scholar
  14. Carmo, R. M. (2008). Portugal, sociedade dualista em questão: dinâmicas territoriais e desigualdades sociais. In M. V. Cabral, K. Wall, S. Aboim, & F. C. Silva (Eds.), Itinerários. A investigação nos 25 anos do ICS. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  15. Comissão do Livro Branco das Relações Laborais. (2007). Livro Branco das Relações Laborais. Lisboa: MTSS.Google Scholar
  16. Costa, A. B. (Ed.). (2008). Um olhar sobre a pobreza. Vulnerabilidade e exclusão social no Portugal Contemporâneo. Lisboa: Gradiva.Google Scholar
  17. Costa, A. F., Mauritti, R., Martins, S. C., Machado, F. L., & Almeida, J. F. (2000). Classes sociais na Europa. Sociologia. Problemas e Práticas, 34, 9–46.Google Scholar
  18. Fernandes, A. T. (2004). Prática dominical. Sua redefinição em novos universos simbólicos. Porto: Voz Portucalense.Google Scholar
  19. Ferrão, J. (1996). A Demografia Portuguesa. Lisboa: Cadernos do Público.Google Scholar
  20. Ferreira, V. M., & Castro, A. (2007). O território. In A. Reis (Ed.), Retrato de Portugal. Factos e acontecimentos (pp. 43–64). Lisboa: Círculo de Leitores.Google Scholar
  21. Gaspar, J. (1987). Ocupação e organização do espaço. Retrospectiva e tendências. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.Google Scholar
  22. Instituto Nacional de Estatística. (1970–2001). XI, XII, XIII e XIV Recenseamentos Gerais da População. Lisboa: INE.Google Scholar
  23. Instituto Nacional de Estatística. (1999). Recenseamento Geral da Agricultura. Lisboa: INE.Google Scholar
  24. Leandro, E. (2001). Sociologia da família nas sociedades contemporâneas. Lisboa: Universidade Aberta.Google Scholar
  25. Lopes, J. S. (2004). A economia portuguesa no século XX. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  26. Malheiros, J. M. (2005). Jogos de relações internacionais: repensar a posição de Portugal no arquipélago migratório global. In A. Barreto (Ed.), Globalização e migrações (pp. 251–272). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  27. Pinto, J. M., & Pereira, J. V. (2006). Trinta anos de democracia: mudanças sociais e inconsistência institucional. In M. Loff & M. C. M. Pereira (Eds.), Portugal: 30 anos de democracia (1974–2004) (pp. 133–151). Porto: Editora UP.Google Scholar
  28. Portas, N., Domingues, A., & Cabral, J. (2003). Políticas Urbanas. Tendências, estratégias e oportunidades. Lisboa: Centro de Estudos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto/Fundação Calouste Gulbenkian.Google Scholar
  29. Queirós, J., & Pinto, J. M. (2008). Estruturas produtivas, escolarização e desenvolvimento no Vale do Sousa. Análise da reprodução da condição social periférica numa região metropolitana portuguesa. Cadernos de Ciências Sociais, 25(26), 309–356.Google Scholar
  30. Ribeiro, A. A. (2007). A vantagem escolar das raparigas no secundário: resultados escolares e identidades juvenis numa perspectiva de género. In M. M. Vieira (Ed.), Escola, jovens e media (pp. 109–136). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  31. Rodrigues, C. F. (2008). Desigualdade económica em Portugal. In Le Monde diplomatique (Vol. 23/II). Lisboa: Outro Modo.Google Scholar
  32. Rosa, M. J. V., & Vieira, C. (2003). A população portuguesa no século XX. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  33. Silva, E. G., & Pereira, V. (2008). Actividade Económica e formação de classes na região do Vale do Sousa (1950–2001): considerações preliminares para a respectiva conceptualização. Cadernos de Ciências Sociais, 25(26), 357–390.Google Scholar
  34. Torres, A. (2002). Casamento em Portugal. Uma análise sociológica. Oeiras: Celta.Google Scholar
  35. Torres, A., & Brites, R. (2006). Atitudes e valores dos europeus: a perspectiva do género numa análise transversal. In J. Vala & A. Torres (Eds.), Contextos e atitudes sociais na Europa (pp. 325–378). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  36. United Nations Development Programme. (2007). Human Development Report 2007/2008. Nova Iorque: Palgrave MacMillan.CrossRefGoogle Scholar
  37. Viegas, J. M., & Faria, S. (2009). Political participation: the Portuguese case from a European comparative perspective. In J. M. Viegas, H. Carreiras, & A. Malamud (Eds.), Institutions and politics (pp. 53–70). Lisboa: CIES, ISCTE – IUL/Celta.Google Scholar
  38. Vilaça, H. (2006). Da Torre de Babel às Terras Prometidas. Pluralismo religioso em Portugal. Porto: Edições Afrontamento.Google Scholar
  39. Wall, K., (Ed.). (2003). Dossiê: Famílias no Censo 2001. In Sociologia. Problemas e práticas (Vol. 43). Lisboa: CIES/ISCTE.Google Scholar
  40. Wall, K., Aboim, S., Cunha, V., & Vasconcelos, P. (2001). Family and informal support networks in Portugal: The reproduction of inequality. Journal of European Social Policy, 11(3), 213–249.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer Science+Business Media B.V. 2011

Authors and Affiliations

  1. 1.Instituto de SociologiaFaculdade de Letras da Universidade do PortoPortoPortugal
  2. 2.Faculdade de Economia do PortoPortoPortugal

Personalised recommendations