Advertisement

Brazil: An Overview of Research on Race and Ethnic Inequalities in Education

  • Luiz Alberto Oliveira Gonçalves
  • Natalino Neves da Silva
  • Nigel Brooke
Chapter

Abstract

This book chapter offers a systematic review of sociological research in Brazil on the relationship between race/ethnicity and educational inequality between 1980 and 2010, most of which is written in Portuguese. Three major research traditions are identified: (1) Charting ethnic/racial inequalities in education; (2) Race and school effectiveness and (3) Racism and discrimination in schools, with research on charting ethnic/racial inequalities and racism and discrimination in schools being the most dominant research traditions. Most of the earlier research was dedicated to describing the large ethnic/racial inequalities in education access, survival and achievement between white and non-whites and, to a lesser extent, the indigenous population. More recent research attempts to explain the ways in which schools transmit racial stereotypes through the analysis of individual life- histories, the study of teaching materials and the observation of race relations in the classroom. Researchers rely on both quantitative and qualitative research methodologies in an environment of government support for all race-related initiatives including official backing for affirmative action designed to promote African-Brazilian access to higher education.

Bibliography

  1. Althusser, L. (1974). Ideologia e Aparelho Ideológico do Estado. Lisboa: Presença.Google Scholar
  2. Alves, M. T. G., & Soares, J. F. (2004). Cor do Aluno e Desempenho Escolar: as evidências do Sistema de Avaliação do Ensino Básico (SAEB). Encontro Anual da Anpocs, XXVI, 25–49.Google Scholar
  3. Ambrossetty, N. C. (1990). Ciclo Básico: uma proposta vista pelos professores. Cadernos de Pesquisa, 74, 57–70.Google Scholar
  4. André, M. L., & Lüdke, M. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.Google Scholar
  5. Araújo, L. T. (2001). O uso do livro didático no ensino de História: depoimentos de professores da escola estaduais de ensino fundamental de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. São Paulo: Universidade Pontifícia Católica de São Paulo.Google Scholar
  6. Barbosa, I. M. F. (1983). Socialização e Relações Raciais: um estudo de família negra em Campinas. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  7. Barbosa, I. M. F. (1987). Socialização e Identidade Racial. Cadernos de Pesquisa, 63, 54–55.Google Scholar
  8. Barbosa, M. L. O. (2005). As relações entre educação e raça no Brasil: um objeto em construção. In Soares, Sergei [et alli] (Org.), Os mecanismos de discriminação racial nas escolas brasileiras (pp. 5–20). Brasília: IPEA/FORD.Google Scholar
  9. Barbosa, M. E. F., & Fernandes, C. (2001). A escola brasileira faz a diferença? Uma investigação dos efeitos escola na proficiência em matemática dos alunos de 4ª série. In C. Franco (Org.), Avaliação, ciclos e promoção na educação (pp. 155–172). Porto Alegre: Artmed.Google Scholar
  10. Barbosa, M. L., & Veiga, L. (1998). Eficiência e Equidade: os impasses de uma política educacional. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 14, 211–242.Google Scholar
  11. Barcelos, L. C. (1992). Educação: um quadro as desigualdades raciais. Estudos Afro-Asiáticos, 23, 37–69.Google Scholar
  12. Barcelos, L. C. (1993). Educação e Desigualdades Raciais no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 86, 15–24.Google Scholar
  13. Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.Google Scholar
  14. Barros, D. L. P. (2000). Esta é uma outra História: os índios nos livros didáticos de história do Brasil. In D. L. P. Barros (Org.), Os discursos da descoberta: 55 e mais anos de discursos. São Paulo: EDUSP/FAPESP.Google Scholar
  15. Bazzili, C. (1999). Discriminação contra personagens negros na literatura infanto-juvenil brasileira contemporânea. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  16. Belchior, E. B. (2006). Não deixando a cor passar em branco: o processo de implementação de cotas para estudantes negros na Universidade de Brasília. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, Brasília.Google Scholar
  17. Bergamaschi, M. A. (2004). Por que querem e porque não querem escolas guarani? Telles, 7, 107–120.Google Scholar
  18. Bourdieu, P., & Passeron, J. C. (1975). A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves.Google Scholar
  19. Brandão, Z. (Coord.). (1982). O Estado da arte de pesquisa de evasão e repetência no ensino de 1° grau no Brasil. Rio de Janeiro: INEP.Google Scholar
  20. Brandão, A. A., & Marins, M. T. A. (2007). Cotas para negros no ensino superior e formas de classificação racial. Educação e Pesquisa, 33, 27–45.CrossRefGoogle Scholar
  21. Brasil. (1992). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 1991 (1° de Setembro de 1991). Rio de Janeiro: IBGE.Google Scholar
  22. Brasil. (1996). Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. http://www3.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1996/9394.htm. Acesso em: 27 de maio de 2011.
  23. Brasil. (2012). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010: resultados preliminares (29 de Outubro de 2011). Rio de Janeiro: IBGE.Google Scholar
  24. Brasil. Constituição. (1998). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.Google Scholar
  25. Brasil. Ministério da Educação. (2005). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Mostre a sua raça, declare sua cor. Brasília: Secretária de Educação Básica.Google Scholar
  26. Brooke, N., & Soares, F. (2008). Pesquisa em Eficácia Escolar: origem e trajetórias. Belo Horizonte: Ed. UFMG.Google Scholar
  27. Cadernos de Pesquisa. (1987). Fundação Carlos Chagas. São Paulo, 63, 14–148.Google Scholar
  28. Camargo, D. M. P., & Albuquerque, J. G. (2003). Projeto Pedagógico Xavante: tensões, rupturas na intensidade de construção curricular. CEDES, 23, 338–366.CrossRefGoogle Scholar
  29. Candau, V. M. F., & Oliveira, L. F. (2010). Pedagogia Decolonial e Educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, 26, 34–48.Google Scholar
  30. Caputo, M. G. (2005). Educação nos terreiros e como a escola dialoga com crianças que praticam candomblé. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  31. Cardoso, C. B. (2008). Efeito de Políticas de Cota na Universidade de Brasília: uma análise do rendimento e da evasão. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, Brasília.Google Scholar
  32. Carmo, I. S. (1999). Entre a Cruz e a Espada: o índio no discurso do livro didático de história. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  33. Cavalleiro, E. (2000). Do silêncio lar ao silêncio do escolar. Educação e Poder: racismo, preconceito e discriminação na Educação Infantil. São Paulo: Summus.Google Scholar
  34. Costa, A. M. S. (1997). Prática Pedagógica e Tempo Escolar: o uso do livro didático do ensino de História. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  35. Cunha, L. A. (1979). Notas para a leitura da teoria da violência simbólica. Educação e Sociedade, 5, 45–59.Google Scholar
  36. Cunha, L. A. (1982). A Simbólica Violência da Teoria. Cadernos de Pesquisa, 43, 55–57.Google Scholar
  37. Cunha, H., Jr. (1987). A indecisão dos pais face à percepção da discriminação racial na escola pela criança. Cadernos de Pesquisa, 63, 45–68.Google Scholar
  38. Cury, C. R. J. (1986). Educação e Contradição: Elemento Metodológico para uma Teoria crítica do Fenômeno Educativo. São Paulo: Cortes/Autores Associados.Google Scholar
  39. Dalmoro, S. N. (1987). Escola, igreja e Estado nas colônias italianas. Educação e Realidade, 12, 57–79.Google Scholar
  40. Demartine, Z. B. F. (1998). A educação entre famílias de imigrantes japoneses: elementos para história de educação brasileira. In IV Congresso Ibero-americano de História de la Educacíon Latino-americana (pp. 23–45).Google Scholar
  41. Ducan, O. D. (1969). Inheritance of Poverty and Inheritance of Race. In D. P. Moynihan (Ed.), On Understanding Poverty (pp. 88–98). New York: Basic Books.Google Scholar
  42. Duncan, O. D., & Blau, P. M. (1967). The American Occupational Structure. New York: Wiley and Sons.Google Scholar
  43. Falcão Filho, J. L. M. (1997). A qualidade na escola. Ensaio, 5, 73–78.Google Scholar
  44. Falcão Filho, J. L. M. (2000). Escola; ambientes, estrutura, variáveis e competência. Ensaio, 8, 283–312.Google Scholar
  45. Fazzi, E. C. (2004). O drama racial das crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  46. Fernandes, F. (1964). A integração do negro na sociedade de classes (2nd ed.). São Paulo: HUCITC.Google Scholar
  47. Ferrão, M. E., Barbosa, M. E., & Fernades, C. A. (2001). A escola brasileira faz diferença? uma investigação do efeito escola na proficiência em matemática dos alunos da 4ª série. In C. Franco (Org.), Promoção, ciclos e avaliação educacional. Porto Alegre: Artmed.Google Scholar
  48. Ferraro, A. R. (2010). Escolarização no Brasil: articulando as perspectivas de gênero, raça e classe social. Educação e Pesquisa, 36, 505–526.CrossRefGoogle Scholar
  49. Ferreira, S. L. (2006). A formação para a construção de um projeto de futuro Guarani e Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Telles, 6, 95–101.Google Scholar
  50. Ferreira, E. C. L.. (2009). A construção da identidade e da diferença: sobre a política e cotas e poder de representação. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, Brasília.Google Scholar
  51. Ferreira, A. H. (2010). Discursos Étnico-Raciais Proferidos por Candidatos (as) a Programa de Ação Afirmativa. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  52. Franco, C. (Org.). (2001). Avaliação, Ciclo e Promoção na Educação (pp. 34–42). Poro Alegre: Artmed.Google Scholar
  53. Franco, C., Alves, F., & Ortigão, I. (2007). Origem Social e Risco de Repetência: interação raça e capital econômico. Cadernos de Pesquisa, 37, 161–180.CrossRefGoogle Scholar
  54. Freyre, G. (1939). Sobrados e Mocambos, decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. Rio de Janeiro: Ed Nacional.Google Scholar
  55. Freyre, G. (1998). Casa Grande e Senzala. Rio de Janeiro: Editora Record.Google Scholar
  56. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD 1976). http://biblioteca.ibge.gov.br/.../PNAD_1976_v1t03_PR_SC_RS.pdf. Acesso em: 22 de março de 2011.
  57. Giron, L. S. (1998). Colônia italiana e educação. História da Educação, 2, 87–106.Google Scholar
  58. Gomes, N. L. (1995). A mulher negar que eu vi de perto: o processo de construção da identidade racial das professoras negras. Belo Horizonte: Mazza Edições.Google Scholar
  59. Gomes, N. L. (2001). Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In E. Cavalleiro (Org.), Racismo e Anti-racismo na Educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus.Google Scholar
  60. Gonçalves, L. A. O. (1987). Reflexão sobre a particularidade cultural na educação das crianças negras. Cadernos de Pesquisa, 63, 27–29.Google Scholar
  61. Gonçalves, L. A. O. (2000). Negros e Educação no Brasil. In E. M. T. Lopes, L. M. Faria Filho, & C. G. Veiga (Eds.), 500 anos de Educação no Brasil (pp. 325–346). Belo Horizonte, Autêntica.Google Scholar
  62. Gonçalves, L. A. O. (2006). Educação das relações étnico-raciais: o desafio da formação docente. Encontro Anual da Anped, XXIX, 45–68.Google Scholar
  63. Gonçalves, L. A. O., & Silva, P. B. (2000). Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação, (15), 134–158.Google Scholar
  64. Goss, K. P. L. (2008). Retóricas em Disputa: o debate entre intelectuais em relação às políticas de ação afirmativa para estudantes negros no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, Brasília.Google Scholar
  65. Gramsci, A. (1975). Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.Google Scholar
  66. Grupioni, L. D. B. (2003). A Educação Indígena na Academia: inventário comentando as dissertações e teses sobre educação escolar indígena no Brasil (1978–2002). Revista Em Aberto, 20, 197–238.Google Scholar
  67. Grupioni, L. D. B. (Org.). (2006). Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC.Google Scholar
  68. Guimarães, A. A. S. (2004). Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, 47, 9–43.CrossRefGoogle Scholar
  69. Guimarães, A. A. S. (2006). Depois da democracia racial. Tempo Social, 18, 269–287.CrossRefGoogle Scholar
  70. Handa, T. (1987). O imigrante japonês. Histórias de sua vida no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz/Centro de Estudos Nipo-Brasileira.Google Scholar
  71. Hasenbalg, A. C. (1979). Discriminação Racial e Desigualdades Sociais no Brasil. Rio Janeiro: Graal.Google Scholar
  72. Henriques, R. (2001). Desigualdade Racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90. Instituto de Pesquisa Econômico Aplicada. http://www.ipea.gov.br. Acesso em: 23 de março de 2011.
  73. Hofbauer, A. (2006). Ações Afirmativas e o Debate sobre o Racismo no Brasil. Lua Nova, 68, 9–56.CrossRefGoogle Scholar
  74. Ianni, O. (1972). Raças e Classes no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.Google Scholar
  75. Jacomini, M. A. (2004). A escola e os educadores em tempo de ciclos e progressão continuada: uma análise das experiências do Estado de São Paulo. Educação e Pesquisa, 30, 401–418.CrossRefGoogle Scholar
  76. Kaly, A. P. (2001). Os estudantes africanos no Brasil e o preconceito racial. In M. G. Castro (Coord.), Migrações internacionais: contribuições para políticas brasileiras (pp. 463–478). Brasília: CNPD.Google Scholar
  77. Kreutz, L. (1994a). Material didático e currículo na escola teuto-brasileira do Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Unisinos.Google Scholar
  78. Kreutz, L. (1994b). A escola teuto-brasileira católica e a nacionalização do ensino. In T. L. Müller (Org.), Nacionalização e imigração alemã. São Leopoldo: Editora Unisinos.Google Scholar
  79. Kreutz, L. (1994c). Escolas de imigração alemã no Rio Grande do Sul: perspectivas históricas. In C. Mauch & N. Vasconcelos (Orgs.), Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade, história. Canoas: Editora ULBRA.Google Scholar
  80. Kreutz, L. (1999). Identidade étnica e processo escolar. Cadernos de Pesquisa, 107, 79–96.CrossRefGoogle Scholar
  81. Kreutz, L. (2000). A Educação de Imigrantes no Brasil. In E. M. T. Lopes, L. M. Faria Filho, & C. G. Veiga (Orgs.), 500 anos de Educação no Brasil (pp. 347–371). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  82. Levison, D. (1989). Child Care in Metropolitan Brazil. Oxford, New York: Published for the World Bank.Google Scholar
  83. Lima, A. C. G. (2005). A escola e o silêncio da batucada: estudo sobre a relação de uma escola pública no bairro Oswaldo Cruz e a cultura do samba. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Google Scholar
  84. Lopes, L. P. M. (2002). Identidades fragmentadas: a construção discursiva da raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado Aberto.Google Scholar
  85. Mattos, W. R. (2003). Ação Afirmativa na Universidade do Estado da Bahia. In P. B. G. Silva & V. R. Silvério (Orgs.), Entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP/MEC.Google Scholar
  86. Mauch, C., & Vasconcelos, N. (Orgs.). (1994). Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade, história. Canoas: Editora ULBRA.Google Scholar
  87. Mélia, B. (1999). Educação Indígena na Escola. CEDES, 19, 11–17.CrossRefGoogle Scholar
  88. Mello, G. N. (1976). Fatores intra-escolares como mecanismo de seletividade no ensino de Primeiro Grau. Educação e Sociedade, 2, 23–35.Google Scholar
  89. Mello, G. N. (1982). Magistério do I Grau: da Competência Técnica ao Compromisso Político. São Paulo: Cortes. Autores Associados.Google Scholar
  90. Mello, G. N. (1985). Educação Escolar e Classes Populares. Educação em Revista, 23–31.Google Scholar
  91. Mello, G. N. (1994). Escolas eficazes: um tema revisado. In A. C. J. Xavier, A. Sobrinho, & F. Marra (Orgs.), Gestão escolar: desafios e tendências. Brasília: IPEA.Google Scholar
  92. Mignolo, W. A. (2005). Colonialidade de Cabo a Rabo: o hemisfério ocidental no horizonte da modernidade. In E. Lander (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO.Google Scholar
  93. Müller, T. L (Org.). (1994). Nacionalização e imigração alemã. São Leopoldo: Editora Unisinos.Google Scholar
  94. Nascimento, A. C. (2003). Escola Indígena Guarani/Karaowá no Mato Grosso do Sul: as conquistas e o discurso dos professores-índios. Telles, 5, 11–24.Google Scholar
  95. Negrão, E. (1987). A Discriminação Racial em Livro Didático e Infanto-Juvenis. Cadernos de Pesquisa, 63, 86–87.Google Scholar
  96. Negrão, E. (1988). Preconceitos e Discriminações Raciais em livros didáticos. Cadernos de Pesquisa, 65, 52–65.Google Scholar
  97. Neves, P., & Lima, E. (2007). Percepções de justiça social e atitudes de estudantes pré-vestibulandos e universitários sobre as cotas para negros e pardos nas universidades públicas. Revista Brasileira de Educação, 12, 17–37.CrossRefGoogle Scholar
  98. Nosella, M. L. C. D. (1981). As Belas Mentiras: a ideologia subjacentes aos textos didáticos. Vitória: Ed Moraes.Google Scholar
  99. Ogliari, M. M. (1999). As condições de resistência e vitalidade de uma língua minoritária no contexto sociolinguítico brasileiro. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.Google Scholar
  100. Oliveira, T. S. (2001). Olhares Poderosos: o índio no livro didático e revistas. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  101. Osório, R. G. (2008). Desigualdade Racial e Mobilidade Social no Brasil: um balanço das teorias. In M. Theodoro, L. Jacoud, R. Osório, & S. Soares (Orgs.), As Políticas Públicas e a Desigualdade Racial no Brasil: 120 anos após a Abolição (pp. 65–96). Brasília, IPEA.Google Scholar
  102. Osório, R. G., & Soares, S. A. (2005). Geração 80: Um Documentário Estatístico sobre a Produção das Diferenças Educacionais entre Negros e Brancos. In R. G. Osório & S. A. Soares (Eds.), Os Mecanismos da Discriminação Racial nas Escolas Brasileiras (pp. 152–174). Brasília: IPEA/FORD.Google Scholar
  103. Paes, M. H. R. (1999). A questão da língua na escola indígena em aldeias. CEDES, 19, 76–91.CrossRefGoogle Scholar
  104. Paixão, M. (2009). Relatório das Desigualdades Raciais. http://www.laeser.ie.ufrj.br. Acesso em: 23 de maio de 2011.
  105. Paixão, M. (2010). Relatório das Desigualdades Raciais. http://www.laeser.ie.ufrj.br. Acesso em: 27 de outubro de 2011.
  106. Petruccelli, L. F. (2006). Quatro anos de política de cotas: a opinião dos docentes. Rio de Janeiro: Laboratório de Políticas Públicas/UFRJ/SEPPIR.Google Scholar
  107. Pierson, D. (1971). Brancos e Pretos na Bahia. Rio de Janeiro: Ed Nacional.Google Scholar
  108. Pinto, R. P. (1985). Escola e a questão da pluralidade étnica. Cadernos de Pesquisa., 55, 3–17.Google Scholar
  109. Pinto, R. P. (1987a). Educação do Negro: uma revisão da bibliografia. Cadernos de Pesquisa, 62, 3–34.Google Scholar
  110. Pinto, R. P. (1987b). A representação do negro no livro didático de leitura. Cadernos de Pesquisa., 63, 88–92.Google Scholar
  111. Pinto, R. P. (1992). Raça e Educação: uma articulação incipiente. Cadernos de Pesquisa, 80, 41–50.Google Scholar
  112. Pinto, R. P. (1999). Diferenças étnico-raciais e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, 108, 199–231.CrossRefGoogle Scholar
  113. Pitts, Jr. (2006). Forging Ethnic Identity Through Faith: Religion and Syrian-Lebanese Community in São Paulo. Master, Vanderlit University.Google Scholar
  114. Rama, G. W. (1989). Estrutura Social e Educação: Presença de raças e grupos sociais na escola. Cadernos de Pesquisa, 69, 17–31.Google Scholar
  115. Rambo, A. (1994). A escola comunitária teuto-brasileira católica. São Leopoldo: Editora Sinos.Google Scholar
  116. Renk, V. (2001). Educação de migrantes alemães católicos em Curitiba. Curitiba: Champagnat.Google Scholar
  117. Ribeiro, C. A. C. (2006). Raça, Classe e Mobilidade Social no Brasil. Dados, 49, 833–873.CrossRefGoogle Scholar
  118. Ribeiro, C. A. C. (2009). Desigualdade de Oportunidades Educacionais no Brasil: classe, gênero e raça. In C. A. C. Ribeiro (Org.), Desigualdades de oportunidades no Brasil. Belo Horizonte: Ed. Argvmentvm.Google Scholar
  119. Rosemberg, F. (1980). Discriminações étnico-raciais na literatura infanto-juvenil brasileira. Tempo Brasileiro, 63, 47–69.Google Scholar
  120. Rosemberg, F. (1991). Raça e Educação Inicial. Cadernos de Pesquisa, 77, 25–34.Google Scholar
  121. Rosemberg, F. (1994). É de pequeno que se torce o pepino: criança negra, casa e escola. São Paulo: FCC/FAPESP/Relatório Final de Pesquisa.Google Scholar
  122. Rosemberg, F. (1996). Educação Infantil: raça, classe e gênero. Cadernos de Pesquisa, 96, 58–65.Google Scholar
  123. Rosemberg, F. (2001). Educação Formal, Mulher e Genro no Brasil. Revista de Estudos Feministas, 9, 515–540.CrossRefGoogle Scholar
  124. Rosemberg, F. (2004). O branco no IBGE continua branco na ação afirmativa? Estudos Avançados, 18, 21–39.CrossRefGoogle Scholar
  125. Rosemberg, F., & Pinto, R. P. (1997). A Criança Negra na PNAD 87. São Paulo: Fundação Carlos Chagas.Google Scholar
  126. Rosemberg, F., Negrão, E., & Pinto, R. P. (1986). Diagnóstico sobre a situação educacional de negros (pretos e pardos) no Estado de São Paulo. São Paulo: Fundação Carlos Chagas.Google Scholar
  127. Rosemberg, F., Bazilli, C., & Silva, P. B. (2003). Racismo em livros didáticos brasileiros e seu combate: uma revisão da literatura. Educação e Pesquisa, 29, 125–146.CrossRefGoogle Scholar
  128. Santos, A. M. (2005). Vozes e Silêncios do cotidiano escolar: análise das relações raciais entre alunos negros e não negros em duas escolas públicas do municio de Cárceres. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Mato Grosso.Google Scholar
  129. Saviani, D. (1983). Escola e Democracia. São Paulo: Cortes.Google Scholar
  130. Silva, N. V. (1979). O preço da cor: diferenciais raciais na distribuição da renda no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, 10, 21–44.Google Scholar
  131. Silva, A. C. (1987). Estereótipos e preconceitos em relação ao negro no livro de comunicação e expressão de 1° grau. Cadernos de Pesquisa, 63, 96–98.Google Scholar
  132. Silva, A. C. (2000). Versões Didáticas da História Indígena, Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.Google Scholar
  133. Silva, A. L. (2002). Crianças Indígenas. São Paulo: Editora Global.Google Scholar
  134. Silva, P. V. B. (2008). Racismo em Livros Didáticos. Estudos sobre negros e brancos em livros de língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  135. Silva, N. N. da (2009). Juventude, EJA e Relações Raciais: um estudo sobre os significados e sentidos atribuídos pelos jovens negros aos processos de escolarização da EJA. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.Google Scholar
  136. Silva, A. L., & Grupioni, L. D. (Orgs.). (1995). A temática indígena na escola. Brasília: MEC/MARI/UNESCO.Google Scholar
  137. Soares, J. F., & Alves, M. G. T. (2003). Desigualdades Raciais no Sistema Brasileiro de Educação Básica. Educação e Pesquisa, 29, 35–49.CrossRefGoogle Scholar
  138. Soares, S., & Osório, R. G. (Eds.). (2005). Os Mecanismos da Discriminação Racial nas Escolas Brasileiras. Brasília: IPEA/FORD.Google Scholar
  139. Teixeira, I. A. C., Praxedes, V. L., & Pádua, K. C. (2006). Memórias e percursos de estudantes negros e negras da UFMG. Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  140. Theodoro, M., Jacoud, L., Osório, R. G., & Soares, S. (Orgs). (2008). As Políticas Públicas e a Desigualdade Racial no Brasil: 120 anos após a Abolição. Brasília: IPEA.Google Scholar
  141. Thompson, J. B. (1995). Ideologia e Cultura Moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes.Google Scholar
  142. Triumpho, V. R. (1987). O negro no livro didático e a prática dos agentes de pastoral negros. Cadernos de Pesquisa, 63, 93–95.Google Scholar
  143. Truzzi, O. M. S. (1992). De mascates a doutores: sírios libaneses em São Paulo. São Paulo: IDESP/Sumaré.Google Scholar
  144. Truzzi, O. M. S. (2008a). Redes em processos migratórios. Tempo Social, 20, 199–218.CrossRefGoogle Scholar
  145. Truzzi, O. M. S. (2008b). Sociabilidade e Valores: um olhar sobre a família árabe muçulmana em São Paulo. Dados, 51, 37–71.CrossRefGoogle Scholar
  146. Truzzi, O. M. S. (2008c). Educar na Religião: desafios para transmissão de valores entre muçulmanos em São Paulo. Cadernos CERU, 19, 157–179.Google Scholar
  147. Valente, A. L. (2002). Os negros, a educação e as políticas de ação afirmativa. Revista Brasileira de Educação, 19, 76–86.CrossRefGoogle Scholar
  148. Weller, W. (2007). Diferenças e desigualdades na universidade de Brasília: experiências de jovens negras e suas visões sobre o sistema de cotas. Política & Sociedade, 6, 133–158.Google Scholar
  149. Weller, W., & Silveira, M. (2008). Ações Afirmativas no sistema educacional: trajetórias de jovens negras da Universidade de Brasília. Revista de Estudos Feministas, 16, 21–33.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© The Author(s) 2019

Authors and Affiliations

  • Luiz Alberto Oliveira Gonçalves
    • 1
  • Natalino Neves da Silva
    • 2
  • Nigel Brooke
    • 1
  1. 1.Department of Social Sciences Applied to EducationFederal University of Minas GeraisBelo HorizonteBrazil
  2. 2.Department of Human Sciences (DCH)Federal University of Alfenas (Unifal-MG)AlfenasBrazil

Personalised recommendations