Advertisement

Children in Shelter Care at the Amazon Region: Play, Spaces, and Interactions

  • Celina Maria Colino Magalhaes
  • Luísa Sousa Monteiro Oliveira
  • Cleusa Kazue Sakamoto
Chapter

Abstract

The play is a universal phenomenon with specific characteristics which can be influenced by the context and culture where the individual grows. The chapter illustrates the act of play of children from 5 to 6 years old, living in a shelter in a capital of the Amazon region. The main results indicate that the choice of play, theme, and peers varied depending on the context and gender. The study showed that, regardless of the context, children play and elucidates the flexibility in use of space and greater professional training, in order to stimulate the engagement of children in a large and diverse roster of games.

Keywords

Play Institutionalization Childhood Development 

References

  1. Altmann, J. (1974). Observational study of behavior sampling methods. Behavior, 49, 227–267.  https://doi.org/10.1163/156853974X00534 CrossRefGoogle Scholar
  2. Bichara, I. D. (2001). Brincadeiras de meninos e meninas: segregação e estereotipia em episódios de faz-de-conta. Temas em Psicologia, 19(11), 19–28.Google Scholar
  3. Brasil. (1990). Estatuto da criança e do adolescente. Lei nº 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Diário Oficial da União.Google Scholar
  4. Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Pontes, F. A. R. (2007, Jan/Jun). Institucionalização precoce e prolongada de crianças: discutindo aspectos decisivos para o desenvolvimento. Aletheia, 25, 20–34.Google Scholar
  5. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente [CONANDA] & Conselho Nacional de Assistência Social [CNAS]. (2009). Orientações técnicas: Serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília-DF.Google Scholar
  6. Cordazzo, S. T. D., & Vieira, M. L. (2007). A brincadeira e suas implicações no processos de aprendizagem e de desenvolvimento. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 7(1), 92–104.Google Scholar
  7. Corrêa, L. S. (2011). Concepções de desenvolvimento e práticas de cuidado a crianças em ambiente de abrigo na perspectiva do nicho desenvolvimental. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento, Universidade Federal do Pará.Google Scholar
  8. Cotrim, G. S., & Bichara, I. D. (2013). O brincar no ambiente urbano: limites e possibilidades em ruas e parquinhos de uma metrópole. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(2), 388–395.  https://doi.org/10.1590/S0102-79722013000200019 CrossRefGoogle Scholar
  9. Daunhauer, L. A., Coster, W. J., Tickle-Degnen, L., & Cermak, S. A. (2007). Effects of caregiver-child interactions on play occupations among young children institutionalized in Eastern Europe. American Journal of Occupational Therapy, 61(4), 429–440.CrossRefGoogle Scholar
  10. Gabatz, R. I. B., Neves, E. T., Padoin, S. M. M., & Terra, M. G. (2010). Fatores relacionados à institucionalização: perspectivas de crianças vítimas de violência intrafamiliar. Rev. Gaúcha de Enferm. 51 (2), 670–677. Recuperado em http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/12913 CrossRefGoogle Scholar
  11. Gosso, Y. & Otta, E. (2003). Em uma aldeia Parakanã. In A. M Carvalho et al. (Org.), Brincadeiras e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 33–76). São Paulo: Casa do psicólogoGoogle Scholar
  12. da Luz, G. M., & Kuhnen, A. (2013). O uso dos espaços urbanos pelas crianças: explorando o comportamento do brincar em praças públicas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 552–560.  https://doi.org/10.1590/S0102-79722013000300015 CrossRefGoogle Scholar
  13. Marques, R. de L. (2010). “Posso brincar também?” Brincadeiras e contatos sociais no parquinho público. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal da BahiaGoogle Scholar
  14. Marques, R. L., & Bichara, I. D. (2011). Em cada lugar um brincar: reflexão evolucionista sobre universalidade e diversidade. Estudos de Psicologia, 28(3), 381–388.  https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300010 CrossRefGoogle Scholar
  15. Moraes, M. S., & Otta, E. (2003). Entre a serra e o mar. In A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes, & I. D. Bichara (Eds.), Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 127–156). São Paulo, Brazil: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  16. Piaget, J. (1971). Seis estudos de Psicologia. Rio de Janeiro, Brazil: Forense.Google Scholar
  17. Reis, D. C. dos. (2007). Cultura da brincadeira em uma comunidade ribeirinha na ilha do Marajó. Dissertação de Mestrado. Programa de pós-graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento, Universidade Federal do Pará.Google Scholar
  18. Rossetti-Ferreira, M. C., de Almeida, I. G., Costa, N. R. d. A., Guimarães, L. d. A., Mariano, F. N., Teixeira, S. C. d. P., & Serrano, S. A. (2012). Acolhimento de crianças e adolescentes em situações de abandono, violência e rupturas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(2), 390–399.Google Scholar
  19. Santos, A. K. (2005). Um estudo sobre brincadeira e contexto no agreste sergipano. Dissertação de Mestrado. Programa em Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal da Bahia.Google Scholar
  20. Santos, A. K., & Dias, A. M. (2010). Comportamentos lúdicos entre crianças do nordeste do Brasil: categorização de brincadeiras. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(4), 585–594.CrossRefGoogle Scholar
  21. Seixas, A. A. C., Becker, B., & Bichara, I. D. (2012). Reprodução interpretativa e cultura de pares nos grupos de brincadeira da Ilha dos Frades/BA. Psico (PUCRS. Online), 43, 541–551.Google Scholar
  22. Siqueira, A. C., & Dell'Aglio, D. D. (2010). Crianças e adolescentes institucionalizados: desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(3), 407–415.  https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000300003 CrossRefGoogle Scholar
  23. Tirella, L. G., Chan, W.,Cermak, S.A, Litvinova, A.., Salas, K. C., & Miller, L. C. (2008). Time use in Russian baby homes. Child: Care, Health and Development, 34(1), 77–86Google Scholar
  24. UNICEF. (2003). Children in institutions: The beginning of the end? The cases of Italy, Spain, Argentina, Chile and Uruguay. Recuperado em: http://www.unicef-irc.org/publications/pdf/insight8e.pdf
  25. UNICEF .(2009). Progress for children- A report card on child protection. Recuperado em http://www.childinfo.org/files/Progress_for_Children-No.8_EN.pdf
  26. UNICEF. (2011). Annual report 2011. Recuperado em: http://www.unicef.org/lac/UNICEF_Annual_Report_2011_EN_060112.pdf
  27. Vygotsky, L. S. (1998). A formação social da mente. São Paulo, Brazil: Martins Fontes.Google Scholar
  28. Wanderlind, F., Martins, G. D. F., Hansen, J., Macarini, S. M., & Vieira, M. L. (2006). Diferenças de gênero no brincar de crianças pré-escolares e escolares na brinquedoteca. Paidéia (Ribeirão Preto), 16(34), 263–273.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Celina Maria Colino Magalhaes
    • 1
  • Luísa Sousa Monteiro Oliveira
    • 1
  • Cleusa Kazue Sakamoto
    • 1
  1. 1.Federal University of Pará & Paulus School of Technology and CommunicationBelémBrazil

Personalised recommendations