Advertisement

On the River, into the Woods, in the Fields: The Playing of the Northeastern Brazilian Indians

  • Ilka Dias Bichara
Chapter

Abstract

All indigenous nations living today in northeastern Brazil remain from settlements created by later dispersed religious missions of colonial period. The northeastern Indians are poor farmers, fighting for possession of their lands and restoration of their ancient culture. We will report in this chapter researches with children from three nations: Xocó of Sergipe, Kaimbé of Bahia, and Guarani of Espírito Santo. In all of these three nations, children are free to play at all available spaces and with a huge variety of objects from nature and from the work of their parents.

Keywords

Children’s play Culture Brazilian Indians 

References

  1. Bichara, I. D. (2002). Crescer como índio às margens do Velho Chico: um desafio para as crianças Xocó. In S. Koller, E. Lordelo, & A. M. A. Carvalho (Eds.), Infância brasileira e contextos de desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo / Salvador: EDUFBA.Google Scholar
  2. Bichara, I. D. (2003). Nas águas do Velho Chico. Em A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes, & I. D. Bichara (Orgs.), Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 89–108). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  3. Carvalho, A. M. A., & Pontes, F. A. R. (2003). Brincadeira é cultura. In A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes & I. D. Bichara (orgs.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (pp. 15–30). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  4. Corsaro, W. A. (2006). “We’re Friends, Right?”: Inside Kid’s Culture, Conferência. Finlândia.Google Scholar
  5. Corsaro, W. A. (2009). Reprodução interpretativa e Cultura de pares. In F. Muller & A. M. A Carvalho (orgs.), Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez.Google Scholar
  6. Côrtes, C. N., Tarqui, J. L. Z., & Queiroz, C. M. (2008). Pesquisa diagnóstica e prognóstica para a gestão do uso e conservação da água e sustentabilidade ecossociocultural no Território Kaimbé: um diálogo entre povo indígena, universidade e Estado. Salvador: PRODETAB/EMBRAPA.Google Scholar
  7. Dantas, B. G. (1991). Os índios em Sergipe. Em D. M. Diniz (coord.), Textos para a história de Sergipe. Aracaju: UFS/BANESE.Google Scholar
  8. Dantas, B. G., Sampaio, J. A., & Carvalho, M. R. G. (1992). Os povos indígenas no nordeste brasileiro: um esboço histórico. In M. C. Cunha (Org.), História dos índios no Brasil (pp. 431–456). São Paulo: FAPESP/SMC/Companhia da Letras.Google Scholar
  9. de Oliveira, K. (2007). Brincando na aldeia: brincadeiras de crianças Guarani de uma aldeia em Aracruz – ES. Dissertação de Mestrado (não publicada). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo.Google Scholar
  10. de Oliveira, K., & Menandro, P. R. M. (2008). Cultura lúdica e utilização de objetos e materiais em brincadeiras de crianças Guarani de uma aldeia de Aracruz – ES. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano 2, 18(2), 179–188.Google Scholar
  11. Fausto, C. (1992). Fragmentos de história e cultura tupinambá: da etnologia como instrumento crítico de conhecimento etno-histórico. In M. C. Cunha (Org.), História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras / FAPESP / SMC-SP.Google Scholar
  12. IBGE. (2010). Censo Demográfico 2010: características gerais dos indígenas – resultado do universo. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Instituto Brasileiro de Geografia e Sstatística.Google Scholar
  13. Morais, M. L. S., & Otta, E. (2003). Entre a serra e o mar. In A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. R. Pontes, I. D. Bichara (Orgs.), Brincadeira e Cultura: viajando pelo Brasil que brinca (Vol. I, pp. 127–156). São Paulo: Casa do Psicólogo. 1ed.São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  14. Nascimento, M. T. (1994). “O T r o n c o da J u r e m a”: Ritual e etnicidade entre os povos indígenas do nordeste – o caso Kiriri. Dissertação de Mestrado (não publicada). Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade Federal da Bahia.Google Scholar
  15. Oliveira, J. P. (1998). Uma etnologia dos “índios misturados”? situação colonial, territorialização e fluxos culturais. MANA, 4(1), 47–77.CrossRefGoogle Scholar
  16. Pontes, F. A. R., & Magalhães, C. M. C. (2003). A transmissão da cultura da brincadeira: algumas possibilidades de investigação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), 117–124.Google Scholar
  17. Queiroz, C. M. (2013). As crianças indígenas Kaimbé e suas culturas lúdicas em Massacará, semiárido brasileiro. In A. L. S. César & S. L. Costa (Orgs.), Pesquisa e Escola: experiências em educação indígena na Bahia (pp. 259–284). Salvador: Quarteto.Google Scholar
  18. Rasmussen, K. (2004). Places for children – Children’s places. Childhood, 11(2), 155–173.CrossRefGoogle Scholar
  19. Schaden, E. (1962). Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: EPU, EDUSP.Google Scholar
  20. Silva, E. (2004). Os caboclos” que são índios: história e resistência indígena no Nordeste. Revista do Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco/CESVASF, no. 3, pp. 127–137.Google Scholar
  21. Souza, J. B. S. (1996). Fazendo a diferença: um estudo da etnicidade entre os Kaimbé de Massacará. Dissertação de Mestrado (não publicada). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal da Bahia.Google Scholar
  22. Zatz, S., Zatz, A., & Halaban, S. (2006). Brinca comigo!: tudo sobre o brincar e os brinquedos. São Paulo: Marco Zero.Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Ilka Dias Bichara
    • 1
  1. 1.Institute of Psychology – Federal University of BahiaSalvadorBrazil

Personalised recommendations