Advertisement

Brazilian Mathematics Education in High School

  • Célia Maria Carolino Pires
  • Elenilton Vieira GodoyEmail author
  • Marcio Antonio da Silva
  • Vinício de Macedo Santos
Chapter

Abstract

The aim of this chapter is to share with the national and the international academic community an overview of Brazilian mathematics education research, based on the papers approved and presented at the International Seminars on Research in Mathematics Education (SIPEM) by the Working Group Mathematics Education in High School (WG03). Aimed originally at creating a space that would gather research addressing this level of basic schooling in Brazil (students from 15 to 17 years old), in this chapter the group resumes its trajectory. To present and analyze the results of the research studies, we organized the themes in three axes, namely: Teaching and Learning; Curriculum and Curricular Materials; Youth and Adult Education (EJA), Special Education, Professional Training and Teacher Training. We concluded that the studies associated with the Teaching-Learning axis were responsible for more than 60% of the presentations in these events. However, in the last three editions, the studies associated with Curriculum and Curricular Materials and with EJA, Special Education, Professional and Teacher Training axes divided the attention, especially in the last SIPEM, where presentations involving the Curriculum theme gained more space. We conclude the chapter by suggesting that the groups involved in research about high school investigate some paramount questions the debates have missed so far.

Keywords

Curriculum Brazilian mathematics education Brazilian mathematics curriculum Educational policies in Brazil Brazilian high school 

References

  1. Alonso, E. P., & Moraes, M. S. S. (2003). Educação Matemática no ensino médio uma alternativa para o estudo de funções no ensino médio. In II Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Santos, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  2. Artigue, M. (1988). “Ingénierie Didactique”. Recherches en Didactique des Mathématiques (Vol. 9.3, pp. 281–308). Grenoble: La Pensée Sauvage-Éditions.Google Scholar
  3. Bachelard, G. (1996). O novo espírito científico: Contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução Estrela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto.Google Scholar
  4. Balacheff, N. (1988). Aspects of proof in pupil’s practice of school mathematics. In D. PIMM (Ed.), Mathematics teachers and children (pp. 216–235). London: Hodder and Stoughton.Google Scholar
  5. Baldino, R. R. (1994). A ética de uma definição circular de número real. Bolema-Boletim de Educação Matemática, 9(10), 31–52.Google Scholar
  6. Bean, D. W. (2004). Aprendizagem pessoal e aprendizagem afastada: O caso do aluno de cálculo. Tese de doutorado. Campinas, UNICAMP.Google Scholar
  7. Bezerra, N. J. F. (2009) O GPS como instrumento didático auxiliar no processo de significação conceitual do ensino da geometria Analítica. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  8. Brasil. (1999a). Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério de Educação—Secretaria de Educação Média e Tecnológica.Google Scholar
  9. Brasil. (1999b). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio: Ciências da natureza e suas tecnologias. Brasília, DF.Google Scholar
  10. Barufi, M. C. B. (1999). A construção/negociação de significados no curso universitário inicial de Cálculo Diferencial e Integral. Tese de Doutorado. São Paulo: FE-USP.Google Scholar
  11. Biembengut, M. S., & Silva, V. C. (1995). Ornamentos X Criatividade. A Educação Matemática em Revista, 3, 39–44.Google Scholar
  12. Briguenti, M. J. L. (1998). Alterando o ensino de Trigonometria em escolas de nível médio: A representação de algumas professoras. Marília: Universidade Estadual Paulista. 339p. Tese (Doutorado em Educação).Google Scholar
  13. Brousseau, G. (1997a). Theory of didactical situations in Mathematics—Didactique des Mathématiques, 1970-1990. Trad. Nicolas Balacheff, Martin Cooper; Rosamund Sutherland e Virginia Wafield. Londres, Kluwer Academic Publishers.Google Scholar
  14. Brousseau, G. (1997b). La théorie des situations didactiques. Cours donné lors de l’attribution à Guy Brousseau du titre de Docteur Honoris Causa de l’Université de Montréal.Google Scholar
  15. Brousseau, G. (2007). Introdução ao estudo das situações didáticas: Conteúdos e métodos de ensino. Tradução de Camila Bogéa. São Paulo: Ática.Google Scholar
  16. Campos, T. M. M. de., & Rodrigues, W. R. (2006). Um olhar sobre aspectos do conceito de fração por meio de situações-problema. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  17. Conway, J. H. (2001). In ) (Ed.), On numbers and games (2nd ed.). Natick, MA: A K Peters.Google Scholar
  18. Conway, J. H., & Guy, R K. (1999). O livro dos números. Tradução de José Sousa Pinto. Lisboa: Gradiva.Google Scholar
  19. Corrêa, R. A. (2005). Linguagem matemática, meios de comunicação e Educação Matemática. In A. M. Nacarato & C. E. Lopes (Eds.), Escritas e Leituras na Educação Matemática (pp. 96–99). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  20. Delors, J. (2003). Educação: Um tesouro a descobrir (2nd ed.). São Paulo: Cortez.Google Scholar
  21. Doll, W. E. Jr. (1997). Currículo: Uma perspectiva pós-moderna. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto alegre: Artes Médicas.Google Scholar
  22. Douady, R. (1984). Jeux de cadre et dialectique outil objet dans l’enseignement des mathématiques. Paris: IREM de l’Université de Paris VII.Google Scholar
  23. Dreyfus, T., & Hadas, N. (1994). Euclides deve permanecer—E até ser ensinado. In M. M. Lindquist (Ed.), Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual.Google Scholar
  24. Duval, R., & Egret, M. A. (1993). Introduction à la démonstration et apprentissage du raisonnement déductif. Repères, 12, 114–140.Google Scholar
  25. Duval, R. (1991). Structure du raisonnement deductif et apprentissage de la demonstration. Educational Studies in Mathematics, 22(3), 233–261.CrossRefGoogle Scholar
  26. Echeverria, M. D. P. P. & Munício, J. I. (1994). P. Aprender a Resolver Problemas y Resolver Problemas para Aprender. In: Munício, J. I. P. (Org.) La Solución de Problemas. Madrid: Santillana, S.A., cap. 1, pp. 14-50.Google Scholar
  27. Fainguelernt, E.K. (1995). O Ensino de Geometria no 1° e 2° graus. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática. São Paulo, ano III, n 4, p.45–53, 1 semestre.Google Scholar
  28. Fernandes, S. H. A. A., & Healy, L. (2006). O processo de inclusão de alunos cegos nas aulas de Matemática: as vozes dos atores. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  29. Fonseca, M. d. C. F. R., & Cardoso, C. d. A. (2005). Educação Matemática e Letramento: Textos para ensinar Matemática e Matemática para ler o texto. In A. M. Nacarato & C. E. Lopes (Eds.), Escritas e Leituras na Educação Matemática (pp. 66–70). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  30. Fonseca, R. F. da. (2006). A complementaridade entre os aspectos intensional e extensional do conceito de Número. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  31. Franco, P. L., & Moretti, M. T. (2006). O contraexemplo no ensino da Matemática: uma análise com base nos registros de representação semiótica. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  32. Godoy, E. V., & Pires, C. M. C. (2003). Professores do ensino médio e suas concepções. In II Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Santos, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  33. Gonçalves, J. da S., Lima, R. N. de., & Karrer, M. (2015). Funções Composta e Inversa e os Registros de Representação Semiótica em Livros Didáticos do PNLD - 2015 do Ensino Médio. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Pirenópolis, GO: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  34. Groenwald, C. L. O., & Becher, E. L. (2009). Características do pensamento algébrico de estudantes do 1o ano do Ensino Médio. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  35. Grossinkle, F. (1968). Mathematical Sentences and Problem Solving. In: Grossinkle, F. Teaching school mathematics. New York: Holt, Rinehart and Winston, cap. 17, pp. 302-313.Google Scholar
  36. Healy, L., & Hoyles, C. (2000). A study of proof conceptions in algebra. Journal for Research in Mathematics Education, 31(4), 396.CrossRefGoogle Scholar
  37. Hernandéz, F. Pedagogia de Projetos. Disponível em. www.cdisp.org.br/pedagogico/projeto/. Acesso em 03/03/05.Google Scholar
  38. Hernandéz, F., & Ventura, M. (1998). A Organização do Currículo por Projetos de Trabalho (5° ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.Google Scholar
  39. Hoyles, C. (1997). The curricular shaping of students’ approaches to proof. For the Learning of Mathematics, 17(1), 7–16.Google Scholar
  40. Igliori, S., & Silva, B. (2001). Concepções dos alunos sobre Números Reais. In J. B. Laudares & J. Lachini (Eds.), Educação Matemática: A prática educativa sob o olhar de professores de Cálculo (pp. 39–67). Belo Horizonte: Fumarc.Google Scholar
  41. Júnior, A. T. (2003). Alguns problemas de programação linear e a importância dos registros de representação no processo ensino-aprendizagem de sistemas de inequações do 1° grau. In II Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Santos, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  42. Kaput, J. (2000). Teaching and learning a new algebra with understanding. Documento retirado de http://www.simcalc.umassd.edu/downloads /KaputAlgUnd.pdf. em 21de Outubro de 2005.Google Scholar
  43. Klausmeier, H. J., & Goodwin, W. (1977). Manual de Psicologia Educacional: Aprendizagem e capacidades humanas (M. C. T. A. Abreu, Trad.). São Paulo: Editora Harper & Row.Google Scholar
  44. Krutetskii, V. A. (1976). The psychology of mathematical abilities in schoolchildren. Chicago: The University of Chicago Press.Google Scholar
  45. Lester, F. K. (1982). Issues in teaching mathematical problem solving in the elementary grades. School Science and Mathematics, 82(2), 93–98.CrossRefGoogle Scholar
  46. Lima, R. N. de. (2000). Resolução de equações de terceiro grau através de cônicas. In I Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Serra Negra, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  47. Lozada, A. de O., Lozada, C. de O., & Rozal, E. F. (2009). Contribuições para o numeramento em turmas de Educação de Jovens e Adultos. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF. Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  48. Lucas, T. M., & Gualandi, J. H. (2015). As Diferenças Formas de Registro de Funções Exponenciais. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Pirenópolis, GO: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  49. Maciel, M. M. (2012). Formação continuada e práticas de professores de Matemática: relações e perspectivas. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  50. Malta, I. (2003). Linguagem, Leitura e Matemática. Puc – Rio de Janeiro. 2003. Retirado de junho, 2000, partir de www.mat.puc-rio.br/preprints/pp200308.pdf.
  51. Manrique, A. L., & Bianchini, B. L. (2005). Percepções de professores de matemática sobre trigonometria no projeto pró-ciências. In: V Congresso ibero-americano de educação matemática. Porto. 1CD-ROM.Google Scholar
  52. Masetto, M. T. (2013). Mediação Pedagógica e Tecnologias de Informação e Comunicação. In: Moran, J. M.; Masetto, M. T.; Behrens, M. A. (Org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21 Campinas, SP: Papirus, p.11-72.Google Scholar
  53. Mattos, J. R. L. de., & Andrade, L. O. M. (2009). A experiência de ensinar matemática do PROEJA: seus limites e possibilidades. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  54. Medeiros, C. F. (1987). Por uma Educação Matemática como Intersubjetividade. In M. A. V. Bicudo (Ed.), Educação Matemática. São Paulo: Ed. Cortez.Google Scholar
  55. Mesquita, C. G. R. (2001). A escrita matemática: Espaço para aprendizagens que fabricam conhecimentos. Retirado de Agosto 6, 2010, partir de http://www.anped.org.br/reunioes/24/T1919506565133.doc
  56. Moreira, M. A. (2001). Aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro.Google Scholar
  57. Moreira, P. C., & David, M. M. M. (2005). S. A formação matemática do professor: Licenciatura e prática docente. Belo Horizonte: Autêntica, 120p. (Tendências em Educação Matemática, 11)Google Scholar
  58. Moretti, V. (2000). O conceito de função: os conhecimentos prévios e as interações sociais como desencadeadores da aprendizagem. In I Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Serra Negra, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  59. Nacarato, A. M., Bredariol, C. C., & Passos, M. P. F.. (2005). Trigonometria: uma análise de sua evolução histórica e da transposição didática desse conhecimento presente nos manuais didáticos e propostas curriculares. In: V Congresso ibero-americano de educação matemática. Porto. 1CD-ROM.Google Scholar
  60. Nascimento, E. do., & Nascimento, E. C. da S. (2009). Matemática- Ferramenta interdisciplinar na construção da aprendizagem na educação Agrícola. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  61. Ninow, V., & Kaiber, C. T. (2015). Projetos de Trabalho: Possibilidades para o Ensino e Aprendizagem da Matemática. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Pirenópolis, GO: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  62. Nishio, A. L., & Leal, W. da S. (2009). Matemática e o meio ambiente: o ensino de funções em análise de consumo de água e energia elétrica. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  63. Oliveira, A. L. de., Miranda, D. F. de., Laudares, J. B. (2012). Construção de objeto de aprendizagem para o reconhecimento de uma cônica. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  64. Oliveira, C. C. de. (2001). Ambientes Informatizados de Aprendizagem: Produção e avaliação de software educativo. Campinas: Papirus.Google Scholar
  65. Oliveira, R. A. de., & Lopes, C. E. (2009). Construção do conhecimento matemático mediante um processo de intervenção com leitura e escrita no Ensino Médio. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  66. Otte, M. (2001). Mathematical epistemology from a semiotic point of view. Paper presented to the Discussion Group on Semiotics in Mathematics Education at the 25th PME International Conference, July 12–17 2001, University of Utrecht, Utrecht, The Netherlands.Google Scholar
  67. Otte, M. (2003). Complementarity, sets and numbers. Educational Studies in Mathematics, 53(3), 203–228.CrossRefGoogle Scholar
  68. Pacheco, A. B., & Medeiros, C. F. de (2006). Uma investigação sobre as dificuldades no uso de estratégias para a resolução de problemas verbais no campo da Análise Combinatória. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  69. Pereira, M. das G., Mattos, J. R. L., & da Nascimento, E. C. S. (2006). Desenvolvendo conceitos matemático no curso técnico em Zootecnia. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  70. Pérez, D. G., Torregrosa, J. M., & Pérez, F. S. (1988). El fracaso en la resolución de problemas de física: Una investigacion orientada por nuevos supuestos. Enseñanza de Las Ciencias, 6(2), 131–146.Google Scholar
  71. Perez, G. (1995). A realidade sobre o ensino de Geometria no 1° e 2° graus no Estado de São Paulo. Educação Matemática em Revista—Sociedade Brasileira de Educação Matemática, ano III, n. 4.Google Scholar
  72. Pietropaolo, R. C. (2006). Demonstrações e Educação Matemática - uma análise de pesquisas existentes. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  73. Pimm, D. (1999). El lenguaje matemático en el aula (2nd ed.). Madrid: Ediciones Morata.Google Scholar
  74. Pinto, J. E., & Laudares, J. B. (2015). Objeto de Aprendizagem: Ensino dos Números complexos com Aplicações na Área Técnica em Eletroeletrônica. In VI Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Pirenópolis, GO: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  75. Pinto, M., & Tall, D. (1996). Student teachers’ conceptions of the rational numbers. In L. Puig & A. Gutierrez (Eds.), Proceedings of the 20th Conference of the Internal Group for the Psychology of Mathematics Education (PME) (Vol. 4, pp. 139–146). Valencia, Spain: University of Valencia.Google Scholar
  76. Pirola, N. A. (1995). Um estudo sobre a formação dos conceitos de triângulo e paralelogramo em alunos de primeiro grau. 1995. 108f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Educacional)—Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.Google Scholar
  77. Pirola, N. A., Brito, A. A. do S., Sparvoli, D. A. P., Alonso, P. E., Proença, M. C. de.; Costa, A. L. P. da., et al. (2006). Resolução de problemas com informações supérfluas: Uma análise do desempenho de alunos sob a ótica da teoria de Krutetskii. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  78. Pirola, N. A., Quintiliano, L. de C., & Proença, M. C. de (2003). Um estudo sobre desempenho de alunos do ensino médio em tarefas envolvendo o conceito de polígono e poliedro. In II Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Santos, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  79. Pompeu, C. C. (2012). A experiência escolar de alunos jovens e adultos e sua relação com a Matemática. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  80. Pozo, J. I. (2000). A aprendizagem e o ensino de fatos e conceitos. In Os Conteúdos na reforma: Ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Porto Alegre: Saraiva.Google Scholar
  81. Proença, M. C. de., & Pirola, N. A. (2006). A formação conceitual em geometria: Uma análise sobre polígonos e poliedros. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  82. Proença, M. C. de., & Pirola, N. A. (2009). Relações de inclusão entre quadriláteros: Conhecimento e desempenho de alunos do Ensino Médio. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  83. Rezende, W. M. (2006). Um mapeamento das ideias fundamentais do Cálculo no ensino básico. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  84. Ribeiro, M. R. R. C., & Júnior, A. T. (2012). Funções trigonométricas: Conhecimentos prévios dos estudantes do Ensino Médio. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  85. Rosenbaum, L. S. (2012). Construtivismo no ensino de funções trigonométricas: Limites e possibilidades. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  86. Sacristán, J. G., & Pérez-Gómez, A. I. (1998). Compreender e transformar o ensino (4th ed.). Porto Alegre: Artmed.Google Scholar
  87. Santos, M. M. P., & Mattos, J R. L. de (2006). A construção dos conceitos de Função Polinomial do 1° Grau na realidade do mundo agrário: Numa visão educacional inclusiva através de métodos de projetos. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP. Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  88. Santos, S. A. (2005). Explorações da linguagem escrita nas aulas de matemática. In A. M. Nacarato & C. E. Lopes (Eds.), Escritas e leituras na educação matemática (pp. 129–140). Belo Horizonte: Autêntica.Google Scholar
  89. Saviani, D. (1980). Educação: Do senso Comum à Consciência Filosófica. São Paulo: Ed. Cortez.Google Scholar
  90. Silva, C. V., & Perovano, A. P. (2012). Obstáculos na compreensão de frações por alunos da Educação Básica. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  91. Silva, D. M. M. da., & Neto, M. O. T. (2006). Ensino e aprendizagem de razões trigonométricas no triângulo retângulo: Um estudo sobre os conhecimentos de estudantes do Ensino Médio. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  92. Silva, M. A. da. (2006). Tradições e contradições no ensino da Relação de Euler. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  93. Silva, M. A. da. (2012). Cálculo Diferencial e Integral no Ensino Médio: Um ensaio teórico. In V Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Petrópolis, RJ: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  94. Simon, M. A. (1995). Reconstructing mathematics pedagogy from a constructivist perspective. Journal for Research in Mathematics Education, 26(2), 114–145.CrossRefGoogle Scholar
  95. Smole, K. S., & Diniz, M. I. S. V. (2001). Ler e Aprender Matemática. In K. S. Smole & M. I. S. V. Diniz (Eds.), Ler, escrever e resolver problemas (pp. 69–86). Porto Alegre: Artmed.Google Scholar
  96. Sobrinho, E. G. M., Lima, J. P., & Thomaz Neto, M. O. (2004). Desempenho de alunos do ensino médio na resolução de problemas verbais e nãoverbais em trigonometria. In: VII Congresso norte/nordeste de educação em ciências e matemáticas (pp. 225–233). Belém: UFPA/NPADC/CEJUP.Google Scholar
  97. Tall, D. (1990). Inconsistencies in the Learning of Calculus and Analysis, 1,2, 3 & 4, 49–63. Focus.Google Scholar
  98. Tall, D. (1993). Students’ difficulties in calculus, plenary address. Proceedings of Working Group 3 on Students’ Difficulties in Calculus, ICME-7, Québec, Canada, pp. 13–28.Google Scholar
  99. Tall, D., & Rasslan, S. (2002). Definitions and images for the definite integral concept. In A. D. Cockburn & E. Nardi (Eds.), Proceedings of the 26th Conference of the International Group for the Psychology of Mathematics Education, Norwich, UK, Vol. 4, pp. 89–96.Google Scholar
  100. Tall, D., & Vinner, S. (1981). Concept image and concept definition in mathematics with particular reference to limits and continuity. Educational Studies in Mathematics, 12(2), 151–169.CrossRefGoogle Scholar
  101. Teles, R. A. de M., & Bellemain, P. M. B. (2009). Uso de fórmulas para calcular a área e o perímetro de figuras geométricas planas. In IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Brasília, DF: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  102. Tinoco, L., & Nasser, L. (2000). A capacidade de argumentação e a familiarização com as demonstrações no ensino médio. In I Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Serra Negra, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar
  103. Usiskin, Z. (1995). Concepções sobre a álgebra da escola média e utilizações das variáveis. In A. F. Coxford & A. P. Shulte (Eds.), As ideias da álgebra. São Paulo: Atual.Google Scholar
  104. Van Hiele, P. (1984). Summary of Pierre Van Hiele’s dissertation entitled: The problem of insight in connection with school children’s insight into the subject – matter of geometry. In: Fuys, D. et al. (Eds.) English translation of selected writing of Dina Van Hiele – Geodof and Pierre M. Van Hiele (pp. 237–252).Google Scholar
  105. Vergnaud, G. (1990). La théorie des champs conceptuels. Recherches en Didactique des Mathématiques, Grenoble, 10(23), 133–170.Google Scholar
  106. Vigotsky, L. S. (1998). Pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.Google Scholar
  107. Vigotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.Google Scholar
  108. Vygotsky, L. S. (1989). A Formação Social da Mente. São Paulo-SP: Martins Fontes.Google Scholar
  109. Wiley, D. A. (2000).Connecting learning objects to instructional design theory: A definition a metaphor, and a taxonomy. The instructional use of learning objects. Bloomington: Association for Educational Communications and Technology, 2000. Disponível em: Acesso em: 02 fev. 2014.Google Scholar
  110. Xavier, C. M. dos S., & Lutaif, B. B. (2006). The Mathematics in the formation of a nursing technical course student: The subject relationship with the mathematical knowledge. In III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM). Águas de Lindóia, SP: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2018

Authors and Affiliations

  • Célia Maria Carolino Pires
    • 1
  • Elenilton Vieira Godoy
    • 2
    Email author
  • Marcio Antonio da Silva
    • 3
  • Vinício de Macedo Santos
    • 4
  1. 1.Universidade Cruzeiro do SulSão PauloBrazil
  2. 2.Federal University of ParanáCuritibaBrazil
  3. 3.Federal University of Mato Grosso do SulCampo GrandeBrazil
  4. 4.University of São PauloSão PauloBrazil

Personalised recommendations