Advertisement

Housing and Urban Conditions in Brazil

  • Eduardo C. L. Marques
Chapter

Abstract

The chapter discusses the trajectory of urban conditions in Brazilian cities from 1960 to 2010, based on data from the IBGE demographic censuses. The study focused especially on information about households and access to urban infrastructure, such as the coverage of water supply services, sewage networks, garbage collection, and electric power supply. On average, urban conditions have improved substantially over time, and there is no question of the reduction of inequalities in access to better urban conditions in a general sense. However, the analysis indicates the persistence of two kinds of problems. Firstly, the data shows obvious difficulties in the provision of certain services, especially sewage networks, still marked by very low coverage. Additionally, there are still high and persistent regional and social inequalities in access to services, when we combine in the analysis the most important metropolitan regions with the social groups that compose them. The Brazilian urban trajectory, therefore, is marked in the period by significant improvements, but with still substantial persisting inequalities.

Keywords

Urban conditions Urban infrastructure Metropolitan regions Inequalities Access to policies 

References

  1. Abreu, M. (1987). Evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Iplan Rio/Zahar.Google Scholar
  2. Arretche, M. (1995). Políticas de desenvolvimento urbano na crise: descentralização ou crise no modelo do BNH? In E. Reis, M. Almeida, & P. Fry (Eds.), Pluralismo, espaço social e pesquisa. São Paulo: Hucitec/Anpocs.Google Scholar
  3. Arretche, M., Vasquez, D. E., & Fusaro, E. (2007). Capacidades administrativas, Déficit e efetividade na política habitacional. Brasília: Ministério das Cidades/Centro de Estudos da Metrópole. Available at: http://centrodametropole.org.br/v1/mc/assets/pdfs/capacidades_web.pdf. Accessed 29 July 2013.
  4. Arretche, M., Cordeiro, B., Fusaro, E., Dias, E., & Bittar, M. (2012). Capacidades Administrativas dos Municípios Brasileiros para a Política Habitacional. Brasília: Ministério das Cidades/Centro de Estudos da Metrópole.Google Scholar
  5. Azevedo, S., & Andrade, L. (1981). Habitação e poder: da fundação da casa popular ao Banco Nacional da Habitação. Rio de Janeiro: Zahar.Google Scholar
  6. Baeninger, R. (2011). Crescimento da população da região metropolitana de São Paulo: desconstruindo mitos do século XX. In L. Kowarick & E. Marques (Eds.), São Paulo: novos percursos e atores. São Paulo: Ed. 34.Google Scholar
  7. Bianchini, L., & Schicchi, M. (2009). Cortiços no centro de São Paulo. Cuadernos de vivenda y urbanismo, v. 2, n. 3, p. 12–37.Google Scholar
  8. Bonduki, N. (1998). As origens da habitação social no Brasil. São Paulo: Estação Liberdade.Google Scholar
  9. Bonduki, N., & Rolnik, R. (1982). Periferia da Grande São Paulo: reprodução do espaço como expediente de reprodução da força de trabalho. In Maricato, E. (Org.). A produção capitalista da casa (e da cidade) do Brasil industrial. São Paulo: Alfa-ômega.Google Scholar
  10. Brasileiro, A., & Henry, E. (Org.). (1999). Viação ilimitada: ônibus das cidades brasileiras. São Paulo: Cultura Editores Associados.Google Scholar
  11. Cardoso, A. (Org.). (2007). Habitação social nas metrópoles brasileiras. Rio de Janeiro: IPPUR/Habitare.Google Scholar
  12. Carone, E., & Dér, R. (1989). Light versus Guinle. In Memória da Eletropaulo. Ano II, no.3.Google Scholar
  13. Costa, V., & Nascimento, J. (2005). O conceito de favelas e assemelhados sob o olhar do IBGE, das Prefeituras do Brasil e da ONU. Trabalho apresentado no X Encontro de Geógrafos da América Latina, São Paulo, USP.Google Scholar
  14. Dias, E. (2012). Do Plano Real ao Programa Minha Casa, Minha Vida: negócios, votos e as reformas da habitação. MSc dissertation, DCP/University of São Paulo.Google Scholar
  15. Draibe, S. (1989). O Welfare State no Brasil: características e perspectivas. Ciências Sociais Hoje, Rio de Janeiro: Anpocs/Ed. Rio Fundo.Google Scholar
  16. Farias, V. (1992). A conjuntura social brasileira: dilemas e perspectivas. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, no. 33.Google Scholar
  17. Gilbert, A. (1996). The megacity in Latin America. Tokyo: UN Press.Google Scholar
  18. Gilbert, A., & Gugler, J. (1992). Cities, poverty and development: Urbanization in the third world. Oxford: Oxford University Press.Google Scholar
  19. Heller, L. (2009). Estudo 20: Saneamento ambiental e recursos hídricos. BNDES/Cedeplar. Relatórios Perspectivas dos Investimentos Sociais no Brasil – PIS. Disponível em: www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/pis/Estudo%2020.pdf. Accessed 29 July 2013.
  20. Heller, L. (2010). Estudo 20: Saneamento ambiental e recursos hídricos. BNDES/Cedeplar.Google Scholar
  21. Heller, L. (2012). Saneamento para todos com equidade: desafios contemporâneos para o Brasil. Accessed: mimeo. Available at: http://www.assemae.org.br/arquivoArtigos/saneamentoparatodos.pdf. Accessed 29 July 2013.
  22. IBGE. (2010). Censo demográfico 2010. Aglomerados subnormais, primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE.Google Scholar
  23. Kowarick, L. (1979). A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra.Google Scholar
  24. Kowarick, L. (2011). Viver em risco (p. 34). São Paulo: Ed.Google Scholar
  25. Leme, M. (Org.). (1999). Urbanismo no Brasil 1895/1965. São Paulo: Nobel.Google Scholar
  26. Maricato, E. (1987). Política habitacional no regime militar. Petrópolis: Vozes.Google Scholar
  27. Maricato, E. (2006, February). O Ministério das Cidades e a política nacional de desenvolvimento urbano. IPEA. Políticas SociaisAcompanhamento e Análise, Brasília, IPEA, no. 12.Google Scholar
  28. Maricato, E. (2011). Os impasses da política urbana no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes.Google Scholar
  29. Marques, E. (1995). Da higiene à construção da cidade: a constituição do setor saneamento no Rio de Janeiro. Revista História, Ciência, Saúde-Manguinhos, 2(2).Google Scholar
  30. Marques, E., & Bichir, R. (2003). Public policies, political cleavages and urban space: State infrastructure policies in São Paulo, Brazil – 1975–2000. International Journal of Urban and Regional Research, 27(4), 811–827.CrossRefGoogle Scholar
  31. Marques, E., & Os espaços da metrópole. (2015). A metrópole de São Paulo no século XXI: espaços, heterogeneidades e desigualdades. São Paulo: Editora Unesp/CEM.Google Scholar
  32. Marques, E., & Torres, H. (Org.). (2005). São Paulo: segregação, pobreza urbana e desigualdade social. São Paulo: Senac.Google Scholar
  33. Marques, E., Gomes, S., Gonçalves, R., Toledo, D., Moya, E., Cazolato, D., & Ferreira, P. (2007). Assentamentos precários no Brasil urbano. Brasília: Ministério das Cidades/CEM, 390 p.Google Scholar
  34. Marques, E., Bichir, R., & Scalon, C. (2012). Residential segregation and social structure in São Paulo: Continuity and change since the 1990s. In T. Maloutas & K. Fujita (Eds.), Residential segregation around the world: Why context matters. London: Ashgate Publishing.Google Scholar
  35. Marques, E., Bittar, M., Cazolato, D., Fusaro, E., & Waldvogel, D. (2014). Diagnóstico dos assentamentos precários nos municípios da Macrometrópole Paulista. São Paulo: CEM/Emplasa. Available at: www.fflch.usp.br/centrodametropole/upload/aaa/655-Relatorio_I_Assentamentos_Fundap_Final_logo.pdf
  36. Rezende, S., & Heller, L. (2002). O saneamento no Brasil. Políticas e interfaces. Belo Horizonte: UFMG/Ingenium.Google Scholar
  37. Ribeiro, L. (1997). Dos cortiços aos condomínios fechados. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.Google Scholar
  38. Roberts, B. (2005). Globalization and Latin American cities. International Journal of Urban and Regional Research, vol., 29(1), 110–123.CrossRefGoogle Scholar
  39. Royer, L. (2009). Financeirização da política habitacional: limites e perspectivas. Doctoral Dissertation – FAU/USP, São Paulo.Google Scholar
  40. Schor, S., & Borin, M. (1997, January/March). Cortiços adaptados e concebidos na cidade de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, Fundação Seade, 11(1), 152–159.Google Scholar
  41. Silva, L. (Org.). (1992). O que mostram os indicadores sociais sobre a pobreza na década perdida. Brasília: IPEA. Relatório de pesquisa IPEA.Google Scholar
  42. SNIS. (2011). Diagnóstico dos serviços de água e esgotos, 2010. Brasília: Ministério das Cidades. Available at: www.snis.gov.br/PaginaCarrega.php?EWRErterterTERTer=95. Accessed 29 July 2013.
  43. SNIS. (2012). Diagnóstico do manejo de resíduos sólidos, 2010. Brasília: Ministério das Cidades. Available at: www.snis.gov.br/PaginaCarrega.php?EWRErterterTERTer=93. Accessed 29 July 2013.
  44. Taschner, S., & Baltrusis, N. (2007). Um olhar sobre a habitação em São Paulo. In Cardoso, A. (Org.). Habitação Social nas Metrópoles Brasileiras. Rio de Janeiro: IPPUR/HABITARE.Google Scholar
  45. Valladares, L. (Org.). (1980). Habitação em questão. Rio de Janeiro: Zahar.Google Scholar
  46. Vaz, L. (2002). Modernidade e moradia. Habitação coletiva no Rio de Janeiro, séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: 7 Letras/FAPERJ.Google Scholar

Copyright information

© Springer International Publishing AG, part of Springer Nature 2019

Authors and Affiliations

  • Eduardo C. L. Marques
    • 1
  1. 1.Department of Political ScienceCenter for Metropolitan Studies (CEM), University of São Paulo (USP)São PauloBrazil

Personalised recommendations