Advertisement

Nhembo’ea Reko Regua: Trajectories of the Mbya Guarani Struggle for a Differentiated Education

  • Roberto Veríssimo Lima
  • Jurandir Augusto Martim
  • Danilo Silva GuimarãesEmail author
Chapter
Part of the Cultural Psychology of Education book series (CPED, volume 10)

Abstract

The Mbya Guarani knowledge is traditionally transmitted through oral language, in a process designated by the expression Nhembo’ea reko regua. The Brazilian legislation defines the right of the indigenous communities to have a differentiated, bilingual indigenous education, one that may contribute to the empowerment of the traditional culture. However, many times the communities’ efforts in this direction are not recognized, not even by the State agents responsible for managing public services. In this article, we depart from the Brazilian legislation’s determinations for the indigenous education to then present the fight process of the indigenous communities of São Paulo to effectuate their rights in relation to this subject. With the imposition of school for the recognition of the youth’s instruction by the State, and with the need of written language to access the world of white people, arises also the need to document the Mbya Guarani narratives and knowledge in written form in order to use them as didactic resources in the education of teachers and students. We conclude the text presenting the paths of action taken by the Amerindian Support Network service (Institute of Psychology/University of São Paulo), in considering the processes of differentiated education, that culminated in the construction of a House of the Indigenous Cultures in the University of São Paulo, Brazil.

References

  1. ABRASME. (2014). Carta de Manaus: Por uma saúde integral aos povos indígenas: Carta aberta com recomendações para a promoção da saúde indígena integral, com propostas elaboradas no IV Congresso Brasileiro de Saúde Mental, 6 de setembro de 2014. Disponível em. http://psicologiacultural.ip.usp.br/sites/default/files/Carta%20de%20Manaus.pdf. Acesso em 23 de Abril de 2015.
  2. Almeida, M. R. C. (2012). Os índios na história do Brasil no século XIX: da invisibilidade ao protagonismo. Revista História Hoje, 1(2), 21–40.CrossRefGoogle Scholar
  3. Azevedo, M., Brand, A., Heck, E., Pereira, L. M., & Melià, B. (2008). Guarani Retã 2008: Povos Guarani na Fronteira. Argentina, Brasil e Paraguai. Grumberg, G. e Melià, B.Google Scholar
  4. Boal, A. (2013). Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas [Theater of the Oppressed and other political poetics]. São Paulo: Cosac & Naify. 224p.Google Scholar
  5. Brasil. (2008). Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm.
  6. Brasil [Constituição (1988)]. (2012). Constituição da República Federativa do Brasil: Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nos 1/1992 a 68/2011, pelo Decreto Legislativo nº 186/2008 e pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/1994. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara.Google Scholar
  7. Costa, P. E. S. (2007). Do sensível ao inteligível: O Auto de São Lourenço. Dissertação de mestrado apresentada ao programa de pós-graduação em História e Cultura Histórica da Universidade Federal da Paraíba, Brasil.Google Scholar
  8. Crochík, J. L. (2008). O conceito de preconceito e a perspectiva da Teoria Crítica. In J. L. Crochík (Org.), Perspectivas teóricas acerca do preconceito (1st ed., pp. 69–101). Sâo Paulo: Editora Casa do Psicólogo.Google Scholar
  9. CRPSP. (2010). Psicologia e Povos Indígenas. São Paulo: CRPSP.Google Scholar
  10. ENEI. (2013). Documento final do I Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas. São Carlos, SP: UFSCAR.Google Scholar
  11. Gadamer, H.-G. (Meurer trad. 2008). Verdade e Método I: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. São Paulo: Vozes (Trabalho original publicado em 1960).Google Scholar
  12. Godoy, M. G. G., Mirim, A. G. T., & Silva, D. (Orgs.). (2013). Nhande Kuery Nhembo’ea? Nossas Aprendizagens, Educação Tradicional Guarani (58p) São Paulo: Terceira Margem Editora.Google Scholar
  13. Huvixa Kuery Nhembo’a Ty. (2013). Relatório do Encontro de Lideranças Mbya Guarani na aldeia Tekoa Pyau, São Paulo, SP.Google Scholar
  14. ILO (Intenational Labour Organization). (1989). Convention C169.Google Scholar
  15. ISA (Instituto Socioambiental | Povos Indígenas no Brasil). https://pib.socioambiental.org/pt/c/politicas-indigenistas/orgao-indigenista-oficial/o-servico-de-protecao-aos-indios-(spi). Acessado em: 02/07/2017.
  16. Jekupe, O. (2015). Histórico da criação do projeto CECI. In São Paulo (SP). (2015). CECI: 10 anos de história. São Paulo: SME/DOT.Google Scholar
  17. Macena, P. L. (2014). Saúde e educação indígenas: Oralidade, cultura e políticas públicas. Palestra proferida no III Fórum: A Presença Indígena em São Paulo, no Instituto de Psicologia da USP, em 9 de outubro de 2014 Disponível em. http://psicologiacultural.ip.usp.br/sites/default/files/Carta%20de%20Manaus.pdf. Acesso em 03 de novembro de 2015.
  18. Macena, P. L., & Guimarães, D. S. (2016). A Psicologia Cultural na fronteira com as concepções Mbya Guarani de educação [Cultural Psychology in the boundary of the Mbya Guarani conceptions of education]. In CRPSP. (Org.), Na Fronteira da Psicologia com os Saberes Tradicionais: Práticas e Técnicas [In the boundary of psychology and traditional knowledge: Practices and Techniques] (pp. 135–147). São Paulo: CRP-SP.Google Scholar
  19. MEC (Ministério da Educação), & SECADI (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão). (2013). Plano nacional de implementação das diretrizes curriculares nacionais para educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana (104p). Brasília: MEC, SECADI.Google Scholar
  20. Moura da Silva, P., Achatz, R. W., & Guimarães, D. S. (submetido). O protagonismo indígena na promoção de diálogos com a sociedade e aluta pelo território tradicional. Revista Cultura e Extensão USP (em avaliação).Google Scholar
  21. Patto, M. H. S. (2008) A Produção Do Fracasso Escolar [The production of scholar failure]. São Paulo: Casa do Psicólogo (Originally published in 1990).Google Scholar
  22. Pissolato, E. (2007). A duração da pessoa: Mobilidade, parentesco e Xamanismo Mbya (Guarani) [Person's Duration: Mobility, Relationship and Shamanism Mbya (Guarani)]. São Paulo: Editora UNESP.Google Scholar
  23. PMSP. (2004). CECI—Centro de Educação e Cultura Indígena. In Proposta Político Pedagógica. Prefeitura do Município de São Paulo.Google Scholar
  24. Ribeiro, D. (1997). O Povo Brasileiro: A formação e o sentido do Brasil (476p). São Paulo: Companhia das letras.Google Scholar
  25. Simão, L. M. (2005). Bildung, culture and self; A possible dialogue with Gadamer, Boesch and Valsiner? Theory & Psychology, 15(4), 549–574.CrossRefGoogle Scholar
  26. Simão, L. M. (2010). Ensaios Dialógicos: Compartilhamento e diferença nas relações eu outro (286p). São Paulo: HUCITEC.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Roberto Veríssimo Lima
    • 1
  • Jurandir Augusto Martim
    • 2
  • Danilo Silva Guimarães
    • 3
    Email author
  1. 1.Tekoa TangaraItanhaém, São PauloBrazil
  2. 2.Tekoa YytuTerra Indígena do Jaraguá, São PauloBrazil
  3. 3.Institute of PsychologyUniversidade de São PauloSão PauloBrazil

Personalised recommendations