Advertisement

Ecological Engagement in Institutional Care Context: An Experience Report with Adolescents in Pernambuco

  • Larissa Morélia Sá Vieira Macêdo
  • Kalina Vanderlei Silva
  • Débora Maria dos Santos Pinheiro de Lima
  • Lygia Maria Pereira da SilvaEmail author
Chapter

Abstract

The Ecological Engagement method has been a valuable tool for the researching development in different knowledge areas. This chapter’s aim is to report the experience of using Ecological Engagement in a research of interdisciplinary character developed with teenage girls, aged 10–14, inserted in two care institutions for protection measures in Pernambuco state, entitled: autocuidado e apoio social na perspectiva de adolescentes acolhidas em medida de proteção. For the report building, the important steps for full execution of the suggested method were considered as follows: the establishment of proximal processes between the researchers and the different actors, the establishment of bonds between researchers and teenage girls participating in the research, the application of data collection instruments, and leaving the research field and data analysis. The Ecological Engagement enabled the researchers to manage the theoretical–methodological assumptions of the Bioecological Theory of Human Development for the expanded understanding of the people, processes, contexts, and time as elements that give meaning to the conceptions of self-care reported by the teenage girls and the social protection network for this self-care to happen, making a consistent analysis with the studied universe.

Keywords

Adolescence Shelter Social network Ecological engagement 

References

  1. Acioli, R. M. L. (2015). Adolescentes em situação de acolhimento: avaliação institucional, característica sociodemográfica na cidade do Recife. Tese de Doutorado—Centro de Pesquisas Ageu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife. Retrieved from https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/15920
  2. Acioli, R. M. L., et al. (2018). Avaliação dos serviços de acolhimento institucional de crianças e adolescentes no Recife. Ciência & Saúde Coletiva, 23(2), 529–542.  https://doi.org/10.1590/1413-81232018232.01172016. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232018000200529&lng=en&nrm=isoCrossRefGoogle Scholar
  3. Afonso, T., et al. (2015). O uso do diário de campo na inserção ecológica em uma família de uma comunidade ribeirinha amazônica. Psicologia & Sociedade, 27(1), 131–141. EDIPUCRS.  https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.1. Retrieved from http://submission.scielo.br/index.php/psoc/article/view/60928CrossRefGoogle Scholar
  4. Àriès, P. (1981). História social da criança e da família (2ª ed.). (D. Flaksman, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. Retrieved from http://files.grupo-educacional-vanguard8.webnode.com/200000024-07a9b08a40/Livro%20PHILIPPE-ARIES-Historia-social-da-crianca-e-da-familia.pdf
  5. Assis, S. G., & Farias, L. O. P. (Eds.). (2013). Levantamento Nacional das Crianças e Adolescentes em Serviço de Acolhimento. São Paulo: Hucitec Editora.Google Scholar
  6. Baptista, M. N., Rueda, F. J. M., & Brandão, E. M. (2017). Suporte familiar e autoconceito infanto-juvenil em acolhidos, escolares e infratores. Psicologia em Pesquisa, 11(1), 5564. Retrieved from https://psicologiaempesquisa.ufjf.emnuvens.com.br/psicologiaempesquisa/article/view/212/78Google Scholar
  7. Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (p. 70). São Paulo: Edições.Google Scholar
  8. Brandão, R. I. G. A. (2015). Sucesso Escolar de Crianças e Jovens Institucionalizadas: Intervenção do Assistente Social. Dissertação de Mestrado—Curso de Serviço Social, Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas, Iscte-instituto Universitário de Lisboa, Lisboa. Retrieved from http://hdl.handle.net/10071/10606.
  9. Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas emendas constitucionais nos 1/1992 a 99/2017, pelo Decreto legislativo n° 186/2008 e pelas emendas constitucionais de revisão nos 1 a 6/1994. 53. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2018.Google Scholar
  10. Brasil. Lei 8.069/1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília-DF. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm
  11. Brasil. (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).Google Scholar
  12. Brasil. (2009). Cadastro nacional de crianças acolhidas. Resolução-CNJ n. 93 de 27 de outubro de 2009. Brasília: Conselho Nacional de Justiça. Retrieved from http://www.cnj.jus.br/cnca/publico/Google Scholar
  13. Brasil. (2018) Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei n° 8.069 (1990, 13 de Julho). Presidência da República, Casa Civil. Retrieved November 10, 2018, from https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm
  14. Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados (M.V.A. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.Google Scholar
  15. Bronfenbrenner, U. & Morris, P. A. (1998). The ecology of developmental processes. Em W. Damon (Org. Série) & R. M. Lerner (Org. Volume), Handbook of child psychology: Theoretical models of human development (Vol. 1, pp. 993–1027). New York: John Wiley.Google Scholar
  16. Bronfenbrenner, U. (2011). Fortalecendo os sistemas da família. In U. Bronfenbrenner (Ed.), Bioecologia do desenvolvimento humano: Tornando os seres humanos mais humanos. Artmed (pp. 277–289). Porto Alegre, RS: Autor.Google Scholar
  17. Carlos, D. M., et al. (2011). Vivências no Espaço Escolar de Adolescentes Vítimas de Violência Doméstica em Acolhimento Institucional. Ciência, Cuidado e Saúde, 10(2), 298–305. Universidade Estadual de Maringá.  https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v10i2.12138. Retrieved from http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/12138/pdfGoogle Scholar
  18. Cecconello, A. M., & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: Uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16, 515–524.  https://doi.org/10.1590/S0102-79722003000300010. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722003000300010&lng=pt&nrm=iso&tlng=ptCrossRefGoogle Scholar
  19. Cintra, J. P. S. (Ed.). (2018). Cenário da Infância e Adolescência no Brasil. Nywgraf Editora Gráfica Ltda: Fundação Abrinq.Google Scholar
  20. Delfabbro, P., et al. (2013). Reunification in a complete entry cohort: A longitudinal study of children entering out-of-home care in Tasmania, Australia. Children and Youth Services Review, 35, 1592–1600. Retrieved from https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0190740913002284CrossRefGoogle Scholar
  21. Dell Priore, M. (2013). História das crianças no Brasil (7ª ed.). São Paulo: Contexto.Google Scholar
  22. Dias, M. B. (2009). Manual de direito das famílias (5° ed.). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.Google Scholar
  23. Duarte, R. (2004). Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, 24, 213–225. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/er/n24/n24a11.pdf/Google Scholar
  24. Eschiletti-Pratti, L., et al. (2008). Revisando a inserção ecológica: uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160–169. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/prc/v21n1/a20v21n1Google Scholar
  25. Faleiros, V. P., & Faleiros, E. T. S. (2001). Circuito e curtos-circuitos: atendimento, defesa e responsabilização do abuso sexual contra crianças e adolescentes. São Paulo: Veras.Google Scholar
  26. Fávero, E. T., Vitale, M. A. F., & Baptista, M. V. (2008). Famílias de crianças e adolescentes abrigados: quem são, como vivem, o que pensam, o que desejam. São Paulo: Paulus. Retrieved from https://www.neca.org.br/images/Familias_Abrigadas_miolo.pdfGoogle Scholar
  27. Fundação ABRINQ. (2018). Cenário da Infância e Adolescência no Brasil 2018. São Paulo. Retrieved from https://observatorio3setor.org.br/wp-content/uploads/2018/04/cenario_da_infancia_2018_internet.pdf
  28. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística—IBGE. (2010) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro. Retrieved from https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística—IBGE. (2015). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar. Retrieved December 9, 2018, from https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pense/2015/default.shtm
  30. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística—IBGE. (2016a). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro. Retrieved October 15, 2017, from https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf
  31. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística—IBGE. (2016b) Uma análise das condições de vida da população brasileira. http://www.ibge.gov.br/home/
  32. Janczura, R. (2012). Risco ou vulnerabilidade social? Textos & Contextos, 11(2), 301–308. Retrieved from http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/12173Google Scholar
  33. Koller, S. H., Morais, N. M., & Paludo, S. S. (2016). Inserção Ecológica: um método de estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  34. Macedo, E. O. S. (2012). Significações sobre adolescência e promoção da saúde entre os participantes de um grupo educativo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.Google Scholar
  35. Macêdo, L. M. S. V. (2019). Autocuidado e Apoio Social na perspectiva de adolescentes acolhidas em medidas de proteção. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Odontologia, Universidade de Pernambuco, Recife.Google Scholar
  36. Marcilio, M. L. (1997). A roda dos expostos e a criança abandonada no Brasil Colonial: 1726-1950. In M. Freitas (Ed.), História Social da Infância no Brasil. Cortez: São Paulo.Google Scholar
  37. Morais, C. A., Borba, A., & Koller, S. H. (2016). O uso do diário de campo no processo de inserção ecológica. In S. H. Koller, N. A. Morais, & S. S. Paludo (Eds.), Inserção ecológica: Um método de estudo em desenvolvimento humano (pp. 299–319). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  38. Morais, N. A., Koller, S. H., & Raffaeli, M. (2016). Inserção Ecológica na pesquisa sobre trajetórias de vida de adolescentes em situação de vulnerabilidade social: Identificando fatores de risco e proteção. In S. H. Koller, N. A. Morais, & S. S. Paludo (Eds.), Inserção ecológica: um método de estudo do desenvolvimento humano (pp. 68–93). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  39. Pardal, M. (2005). O cuidado às crianças pequenas no Brasil escravista. In V. Vasconcellos (Ed.), Educação da Infância: história e política. Rio de Janeiro: DP&A.Google Scholar
  40. Ribeiro, M. A., Ferriani, M. G. C., & Reis, J. N. (2004). Violência sexual contra crianças e adolescentes: características relativas à vitimização nas relações familiares. Cadernos de Saúde Pública, 20(2), 456–464.CrossRefGoogle Scholar
  41. Rizzini, I., & Rizzini, I. (2004). A institucionalização de crianças no Brasil: Percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio.Google Scholar
  42. Santana, J. P., et al. (2018). “Vocês me encontram em qualquer lugar”: realizando pesquisa longitudinal com adolescentes em situação de rua. Psico, 49(1), 31–42. Retrieved January 8, 2019, from https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6678135CrossRefGoogle Scholar
  43. Santos, T. M. B., et al. (2017). Factors associated with the type of violence perpetrated against adolescents in the state of Pernambuco. Child Abuse & Neglect, 67, 216–227.CrossRefGoogle Scholar
  44. Sena, C. A., Silva, M. A., & Falbo Neto, G. H. (2018). Incidência de violência sexual em crianças e adolescentes em Recife/Pernambuco no biênio 2012–2013. Ciência & Saúde Coletiva, 23(5), 1591–1599. Fap UNIFESP (SciELO). Retrieved from  https://doi.org/10.1590/1413-81232018235.18662016CrossRefGoogle Scholar
  45. Silva, E. R. (2004). O direito à convivência familiar e comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília: Ipea/Conanda. Retrieved from http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/ipea/direitoaconviv_familiar_ipea_2004.pdfGoogle Scholar
  46. Siqueira, A. C. (2012). A garantia ao direito à convivência familiar e comunitária em foco. Estudos de Psicologia, 29(3), 437–444.CrossRefGoogle Scholar
  47. Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2016). A Inserção Ecológica em pesquisa com adolescentes em processo de reinserção familiar. In S. H. Koller, N. A. Morais, & S. S. Paludo (Eds.), Inserção Ecológica: um método de estudo do desenvolvimento humano (pp. 119–145). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  48. Somer, D. G. (2017). As representações sociais das adolescentes acolhidas, na Casa Santa Luiza De Marillac e associação de promoção a menina (APAM), em relação ao cotidiano escolar. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa. Retrieved January 18, 2019, from http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/262
  49. Souza, C. S., et al. (2014). Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes/VIVA e a notificação da violência infanto-juvenil, no Sistema Único de Saúde/SUS de Feira de Santana-Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 19(3), 773–784. Retrieved from  https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.18432013. ISSN 1678-4561.CrossRefGoogle Scholar
  50. UNICEF. (2011). O direito de ser adolescente: Oportunidade para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades. Fundo das Nações Unidas para a Infância: Brasília.Google Scholar
  51. UNICEF. (2018). Pobreza na Infância e na Adolescência. Brasil. Retrieved from https://www.unicef.org/brazil/pt/pobreza_infancia_adolescencia.pdf

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Larissa Morélia Sá Vieira Macêdo
    • 1
  • Kalina Vanderlei Silva
    • 1
  • Débora Maria dos Santos Pinheiro de Lima
    • 1
  • Lygia Maria Pereira da Silva
    • 1
    Email author
  1. 1.Universidade de PernambucoCamaragibeBrazil

Personalised recommendations