Advertisement

Ecological Engagement in a Children’s Shelter in Espírito Santo, Brazil

  • Edinete Maria Rosa
  • Célia Regina Rangel Nascimento
  • Ana Paula dos Santos
  • Carla Ramos da Silva Melo
  • Monica Rocha de Souza Nogueira
Chapter

Abstract

The objective of the work described in this chapter was to know the daily routine of a shelter for children aged 0 to 6 located in Espírito Santo and understand the factors involved in the psychosocial development of children in foster care. The purpose was to analyze the work dynamics of the institution, the practices promoted with families and the community, and the interpersonal relationships developed in the context of the institution through the methodology of Ecological Engagement.

Keywords

Foster care Children Ecological insertion 

References

  1. Brito, C. O., Rosa, E. M., & Trindade, Z. A. (2014). O processo de reinsercao familiar sob a ótica das equipes técnicas das instituicdes de acolhimento. Temas em Psicologia, 22(2), 401–413.CrossRefGoogle Scholar
  2. Bronfenbrenner, U. (1993). The ecology of cognitive development: Research models and fugitive findings. In R. H. Wozniak & K. Fischer (Eds.), Development in context: Acting and thinking in specific environments (pp. 3–44). Hillsdale, NJ: Erlbaum.Google Scholar
  3. Bronfenbrenner, U. (2001). The bioecological theory of human development. In N. J. Smelser & P. B. Baltes (Eds.), International encyclopaedia of the social and behavioral sciences (pp. 6963–6960). Oxford: Elsevier.CrossRefGoogle Scholar
  4. Bronfenbrenner, U., & Ceci, S. J. (1993). Heredity, environment, and the question “how?” A first approximation. In R. Plomin & G. G. McClern (Eds.), Nature, nurture, and psychology (pp. 313–323). Washington, DC: American Psychological Association Press.CrossRefGoogle Scholar
  5. Bronfenbrenner, U., & Morris, P. A. (2006). The ecology of developmental processes. In W. Damon & R. M. Lerner (Eds.), Handbook of child psychology: Vol. 1. Theoretical models of human development (pp. 793–826). New York, NY: Wiley.Google Scholar
  6. Cecconello, A. M., & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia Reflexão e Crítica, 16(3), 515–524.CrossRefGoogle Scholar
  7. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, & Conselho Nacional de Assistência Social. (2008). Orientações técnicas para os serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília: Author.Google Scholar
  8. De Antoni, C., & Koller, S. H. (2001). O psicólogo ecológico no context institucional: uma experiência com meninas vítimas de violência. Psicologia Ciência e Profissão, 21(1), 14–29.CrossRefGoogle Scholar
  9. Eschiletti-Prati, L., Couto, M. C. P. P., Moura, A., Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Revisando a Inserção Ecológica: uma proposta de sistematização. Psicologia Reflexão e Crítica, 21(1), 160–169.Google Scholar
  10. Lei n. 12.010, de 03 de agosto de 2009. (2009). Dispõe sobre adoção e dá outras providências (p. 1). Seção: Diário Oficial da União.Google Scholar
  11. Lei n. 8.069, de 13 de Julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado em 25 set. 2013, de. Retrieved from http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm
  12. Martinez, A. L. M., & Soares-Silva, A. P. (2008). O momento da saída do abrigo por causa da maioridade: a voz dos adolescentes. Psicologia em Revista, 14(2), 113–132.Google Scholar
  13. Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Contextos ecológicos promotores de resiliência: Fatores de risco e de proteção. Estudos de Psicologia, 25(3), 405–416.CrossRefGoogle Scholar
  14. Rosa, E. M., Santos, A. P., Silva, C. R., & Souza, M. R. (2010). Contextos ecológicos em uma instituição de acolhimento para crianças. Estudos de Psicologia (UFRN), 15, 233–241.CrossRefGoogle Scholar
  15. Rosa, E. M., & Tudge, J. (2013). Urie Bronfenbrenner’s theory of human development: Its evolution from ecology to bioecology. Journal of Family Theory & Review, 5(December), 243–258.CrossRefGoogle Scholar
  16. Santos, M. (2004). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção (4th ed.). Sao Paulo: Edusp.Google Scholar
  17. Sifuentes, T. R., Dessen, M. A., & Oliveira, M. C. S. L. (2007). Desenvolvimento Humano: Desafios para a compreensão das trajetórias probabilísticas. Psicologia. Teoria e Pesquisa, 23, 379–386.CrossRefGoogle Scholar
  18. Silva, E. R. A. (2004). O direito à convivência familiar e comunitária: os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasilia: Ipea/Conanda.Google Scholar
  19. Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2006). impacto da institucionalização na infância e na adolescência: uma revisão de literatura. Psicologia & Sociedade, 18(1), 71–80.CrossRefGoogle Scholar
  20. Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando para a família de origem: fatores de risco e proteção no processo de reinserção de uma adolescente institucionalizada. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano. Brazilian Journal of Human Growth and Development, 17(3), 134–146.CrossRefGoogle Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Edinete Maria Rosa
    • 1
  • Célia Regina Rangel Nascimento
    • 1
  • Ana Paula dos Santos
    • 1
  • Carla Ramos da Silva Melo
    • 1
  • Monica Rocha de Souza Nogueira
    • 1
  1. 1.Federal University of Espírito SantoVitóriaBrazil

Personalised recommendations