Advertisement

Ecological Engagement in the Community: A Methodological Proposal for the Study of Families at Risk

  • Alessandra Cecconello
  • Silvia Helena Koller
Chapter

Abstract

This chapter describes Ecological Engagement methodology, a procedure based on Ecological Systems Theory that became an appropriated theoretical–methodological approach for research about development-in-context. The Ecological Systems Theory proposes that development must be studied through a scientific model that involves interaction between four nuclei: process, person, context, and time, denominated bioecological model. This chapter describes an operationalization of this model in a qualitative research with families under risk situation, which involved the longitudinal accompaniment of three families and included observations, informal chats, and interviews. The ecological engagement in community in this research allowed the accomplishment of a study with ecological validity, whereas permitted to include various levels of analysis.

Keywords

Ecological engagement Methodology Development-in-context Family Risk 

References

  1. Bastos, A. C. S. (2001). Modos de partilhar: A criança e o cotidiano da família. Taubaté: Cabral.Google Scholar
  2. Bronfenbrenner, U. (1986). Ecology of the family as a context for human development: Research perspectives. Developmental Psychology, 22, 723–742.CrossRefGoogle Scholar
  3. Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados (M. A. V. Veronese, Trad.) Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1979).Google Scholar
  4. Bronfenbrenner, U. (1999). Environments in developmental perspective: Theoretical and operational models. In B. L. Friedmann & T. D. Wachs (Orgs.), Conceptualization and assessment of environment across the life span (pp. 3–30). Washington, DC: American Psychological Association.Google Scholar
  5. Bronfenbrenner, U., & Ceci, S. J. (1994). Nature-nuture reconceptualized in developmental perspective: A bioecological model. Psychological Review, 101(4), 568–586.CrossRefGoogle Scholar
  6. Bronfenbrenner, U., & Evans, G. (2000). Developmental science in the 21st century: Emerging questions, theoretical models, research designs and empirical findings. Social Development, 9, 115–125.CrossRefGoogle Scholar
  7. Bronfenbrenner, U., & Morris, P. (1998). The ecology of developmental processes. In W. Damon (Org.), Handbook of child psychology (Vol. 1, pp. 993–1027). New York: Wiley.Google Scholar
  8. Cecconello, A. M. (1999). Competência social, empatia e representação mental da relação de apego em famílias em situação de risco. Dissertação de Mestrado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  9. Cecconello, A. M. (2003). Resiliência e vulnerabilidade em famílias em situação de risco. Tese de Doutorado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.Google Scholar
  10. De Antoni, C. (2000). Vulnerabilidade e resiliência familiar na visão de adolescentes maltratadas. Dissertação de Mestrado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  11. De Antoni, C. (2002). Coesão e hierarquia em famílias com história de abuso físico. Projeto de Doutorado. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  12. De Antoni, C., Medeiros, F. B., Hoppe, M. M. W., & Koller, S. H. (1999). Uma família em situação de risco: resiliência e vulnerabilidade. Interfaces, 2(1), 81–85.Google Scholar
  13. Hoppe, M. M. W. (1998). Rede de apoio social e afetivo em crianças em situação de risco. Dissertação de Mestrado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  14. Mayer, L. R. (1998). Controle percebido e desempenho acadêmico em crianças de nível sócio -econômico baixo. Dissertação de Mestrado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  15. Simionato-Tozo, S. M. P., & Biasoli-Alves, Z. M. M. (1998). O cotidiano e as relações familiares em duas gerações. Paidéia, 8, 137–150.CrossRefGoogle Scholar
  16. Szymansky, H. (1992). Trabalhando com famílias. Cadernos de Ação. CBIA, IEE-PUC/SP.Google Scholar
  17. Szymansky, H. (2001). Entrevista reflexiva: Um olhar psicológico para a entrevista em pesquisa. Revista Psicologia da Educação, 11(12), 193–215.Google Scholar
  18. Wagner, A., Halpern, S. C., & Bornholdt, E. A. (1999). Configuração e estrutura familiar: um estudo comparativo entre famílias originais e reconstituídas. Psico, 2(30), 63–74.Google Scholar
  19. Wagner, A., Ribeiro, L. S., Arteche, A. X., & Bornholdt, E. A. (1999). Configuração familiar e bem -estar psicológico de adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(1), 147–156.Google Scholar
  20. Yin, R. K. (1994). Case study research: Design and methods. London: Sage. (Sem data da publicação original).Google Scholar
  21. Yunes, M. A. M. (2001). A questão triplamente controvertida da resiliência em famílias de baixa renda. Tese de Doutorado não publicada. Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Alessandra Cecconello
    • 1
  • Silvia Helena Koller
    • 2
    • 3
  1. 1.Centro Universitário UNICNECOsórioBrazil
  2. 2.Universidade Federal do Rio Grande do SulPorto AlegreBrazil
  3. 3.North-West UniversityVanderbijlparkSouth Africa

Personalised recommendations