Advertisement

Sexual Exploitation of Children and Adolescents: The Ecological Engagement as a Pathway to Research

  • Luciana Barbosa da Silva Vega
  • Simone dos Santos Paludo
Chapter

Abstract

This chapter aims to show ecological engagement in the context of the sexual exploitation of children and adolescents (ESCA). The pathways illustrated here refer to the course covered during a master’s research in a city of southern Brazil that sought to investigate the victim’s perception of sexual exploitation on the actual violation and its knowledge, access and evaluation of the existing protection network, as well as to identify the protection network built to address ESCA. The research team ventured into the arduous context of sexual exploitation for 5 months to understand the victims, their proximal processes, interactions, and life contexts. About 71 field diaries were produced that depict ESCA’s observations, experiences, and storytelling. The ecological engagement is an interesting and rich tool for the understanding of complex and veiled that is the involvement of children and adolescents in sexual exploitation.

Keywords

Ecological engagement Sexual exploitation Field diaries 

References

  1. Alencar, V., Ribeiro, P., Gorenstein, F., & Sanchez, M. (2009). Violência sexual contra crianças e adolescentes e seus mitos. In ANCED (Ed.), A defesa de crianças e adolescentes vítimas de violências sexuais—reflexões sobre a responsabilização a partir de dez situações acompanhadas por centros de defesa dos direitos da criança e do adolescente no Brasil (pp. 177–181). ANCED: São Paulo.Google Scholar
  2. Botelho, S. (2003). Prostituição de adolescente: uma imagem construída na adversidade da sociedade. Dissertação de Mestrado não-publicada, Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo.Google Scholar
  3. Bronfenbrenner, U. (1974). Developmental research, public policy, and the ecology of childhood. Child Development, 45(1), 1–5.CrossRefGoogle Scholar
  4. Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1979).Google Scholar
  5. Bronfenbrenner, U. (2005). Making human beings humans. Thousand Oaks: SAGE.Google Scholar
  6. Bronfenbrenner, U., & Morris, P. A. (1998). The ecology of developmental processes. In W. Damon (Series Ed.) & R. M. Lerner (Vol. Ed.), Handbook of child psychology: Vol. 1. Theoretical models of human development (pp. 993–1027). New York, NY: John Wiley & Sons.Google Scholar
  7. Cecconello, A. M., & Koller, S. H. (2003). Inserção ecológica na comunidade: Uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(3), 515–524.Google Scholar
  8. Cerqueira-Santos, E. (2009). Vítimas da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Indicadores de Risco, Vulnerabilidade e Proteção (Relatório Técnico). São Paulo: World Childhood Foundation.Google Scholar
  9. Cerqueira-Santos, E., Resende, N., & Correa, P. (2010). Adolescentes vítimas de exploração sexual: um estudo de caso múltiplos. Contextos Clínicos, 3(2), 113–123.CrossRefGoogle Scholar
  10. Conselho Nacional de Saúde. (1996). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Resolução n° 196/1996, de 16 de outubro de 1996. Autor: Brasília, DF.Google Scholar
  11. Diógenes, G. (2009). Os sete sentimentos capitais: exploração sexual comercial de crianças e adolescentes. São Paulo: Annablume.Google Scholar
  12. Ennew, J. (2008). Explotation of children in prostitution. Paper Presented at III Congresso Mundial de Enfrentamento da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, Rio de Janeiro, Brasil.Google Scholar
  13. Eschiletti-Prati, L., Paula Couto, M., Moura, A., Poletto, M., & Koller, S. (2008). Revisando a inserção ecológica: uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160–169.Google Scholar
  14. Groce, N. (2005). Violence against disabled children—summary report. New York: UNICEF.Google Scholar
  15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). IBGE Cidades@—Rio Grande do Sul. Retrieved January 18, 2011, from www.ibge.gov.br
  16. Leal, M. (1999). A exploração sexual comercial de meninos, meninas e adolescentes na América Latina e Caribe: Relatório final, Brasil. Brasília: CECRIA.Google Scholar
  17. Leal, M. L. P., & Leal, M. F. (2002). Pesquisa sobre tráfico de mulheres, crianças e adolescentes para fins de exploração sexual comercial no Brasil (Relatório Nacional PESTRAF). Brasília, DF: CECRIA.Google Scholar
  18. Libório, R. M. C. (2005). Adolescentes em Situação de Prostituição: Uma Análise sobre a Exploração Sexual Comercial na Sociedade Contemporânea. Psicologia: Reflexão e Crítica, 3(18), 413–420.Google Scholar
  19. Morais, N. A. (2009). Trajetórias de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: entre o risco e a proteção. Tese de Doutorado não publicada, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  20. Organização Internacional do Trabalho. (2008). Guia para a localização dos pontos vulneráveis à exploração sexual infanto-juvenil ao longo das rodovias federais brasileiras. Brasília: OIT.Google Scholar
  21. Paludo, S., & Koller, S. (2004). Inserção ecológica no contexto da rua. In S. H. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp. 219–244). São Paulo: Casa do Psicólogo.Google Scholar
  22. Sánchez, P. (2007). Sexualidad y de los Niños, Niñas y Adolescentes Especiales Asociadas Con las necesidades educativas discapacidad. Paper Presented at IX Congresso Nacional da Ciência do Instituto Tecnológico da Costa Rica, Cartago, Costa Rica.Google Scholar
  23. Serpa, M. (2009). Exploração Sexual e Prostituição: um estudo de fatores de risco e proteção com mulheres adultas e adolescentes. Dissertação de Mestrado não publicada, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.Google Scholar
  24. Sousa, D. (2008). Sexo não é brincadeira: O sentido da infância para adolescentes inseridas na exploração sexual. Dissertação de Mestrado não publicada, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.Google Scholar
  25. Trindade, E. (2010). As Meninas da Esquina—Diários dos sonhos, dores e aventuras de seis adolescentes do Brasil. Rio de Janeiro: Record.Google Scholar
  26. Vega, L. (2011). Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e as Redes de Proteção: Um estudo socioambiental na Cidade do Rio Grande. Dissertação de Mestrado, Curso de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande.Google Scholar
  27. Vega, L., & Paludo, S. (2011). Um olhar ecológico sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental/REMEA, 26, 293–305.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Luciana Barbosa da Silva Vega
    • 1
  • Simone dos Santos Paludo
    • 1
  1. 1.Universidade Federal do Rio GrandeRio GrandeBrazil

Personalised recommendations