Advertisement

One Activity, Two Objects: Preparatory Phase of Change Laboratory at an Assistance Center for Adolescents in Conflict with the Law

  • Luciana Pena Morgado
  • Rodolfo Andrade de Gouveia Vilela
  • Mara Alice Conti Takahashi
  • Marco Antonio Pereira Querol
  • Silvio Beltramelli Neto
  • Sandra Regina Cavalcante
Chapter

Abstract

The present chapter describes the preparatory phase of a Change Laboratory formative intervention targeting CASA Foundation’s activity. This is a public institution charged of socio-educational measures for adolescents in conflict with the law. Our study was triggered by a demand from the Labor Prosecution Office following complaints of CASA employees exposed to occupational physical and mental hazards. Initial ethnographic research led to a preliminary hypothesis, namely, that CASA Foundation is undergoing a complex shift from a containment-based activity system to a socio-educational activity model. This shift is attended by contradictions which hinder the full implementation of the new model. In this chapter we describe the results of the phase of negotiation and ethnographic data collection, which is the first step before application of the CL method targeting the institutional cycle of expansive learning.

Keywords

Change Laboratory Workplace violence Institutionalized child 

References

  1. Almeida, B. G. M. (2010). A experiência da internação entre adolescentes: Práticas punitivas e rotinas institucionais [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.8.2010.tde-08022011-144629.CrossRefGoogle Scholar
  2. Alvarez, M. C. (1989). A emergência do código de menores de 1927: Uma análise do discurso jurídico e institucional da assistência e proteção aos menores [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.Google Scholar
  3. Bierrenbach, M. I. (1987). Instituição fechada e violência: uma visão de dentro. In M. I. Bierrenbach, E. Sader, & C. P. Figueiredo (Eds.), Fogo no Pavilhão. Brasília: Editora Brasiliense.Google Scholar
  4. Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Diário Oficial da União.Google Scholar
  5. Brasil. (1990). Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente. Brasília: Câmara dos Deputados.Google Scholar
  6. Brasil. (2012). Lei n° 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo. Brasília: Câmara dos Deputados.Google Scholar
  7. Cardoso, M. C. A., & Morgado, L. P. (2015). Saúde do trabalhador no processo de negociação coletiva: A necessidade de inclusão de questões determinantes do processo saúde-doença. Revista Ciências do Trabalho, 4(1), 145–156.Google Scholar
  8. CIDH -Corte Interamericana de Direitos Humanos. (2005). Resolução da Corte Interamericana de Direitos Humanos: caso das crianças e adolescentes privados de liberdade no “complexo do Tatuapé” da FEBEM. San Jose, Costa Rica. http://www.corteidh.or.cr/docs/medidas/febem_se_01_portugues.pdf. Accessed 9 Mar 2017.
  9. Clot, Y. (2010). Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum.Google Scholar
  10. Daniellou, F. (2005). A análise do trabalho: Critérios de saúde, critérios de eficácia econômica. In J. J. Castillo & J. Villena (Eds.), Ergonomia: Conceitos e métodos. Lisboa: Dinalivro.Google Scholar
  11. Diuana, V., Lhuilier, D., Sánchez, A. R., Amado, G., Araújo, L., Duarte, A. M., et al. (2008). Saúde em prisões: Representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24(8), 1887–1896.  https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000800017.CrossRefPubMedGoogle Scholar
  12. Engeström, Y. (2009). The future of activity theory: A rough draft. In: Sannino, A., Daniels, H. & Gutierrez, K., editors. Learning and Expanding with Activity Theory. New York: Cambridge University Press. p. 303–328.Google Scholar
  13. Engeström, Y., Virkkunen, J., Helle, M., Pihlaja, J., & Poikela, R. (1996). The Change Laboratory as a tool for transforming work. Lifelong Learning in Europe, 1(2), 10–17.Google Scholar
  14. Farias, P. S., & Narciso, L. J. (2005). Cadeia de chocolate: Os funcionários da FEBEM falam. São Paulo: Arte andciência.Google Scholar
  15. Franco, E. M. (2008). Uma casa sem regras: Representações sociais da FEBEM entre seus trabalhadores [these]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/T.47.2008.tde-06062008-170921.
  16. Goffman, E. (1992). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva.Google Scholar
  17. Lima, R. C. P. (2006). Mudanças das práticas sócio-educativas na FEBEM-SP: As representações sociais de funcionários. Psicologia & Sociedade, 18(1), 56–62.  https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000100008.CrossRefGoogle Scholar
  18. Lima, C. N. (2010). O fim da era FEBEM: Novas perspectivas para o atendimento socioeducativo no Estado de São Paulo [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.48.2010.tde-09032010-151702
  19. Lima, J. V. (2014). Entre o recuperável e o estruturado: Classificações dos funcionários de medida socioeducativa de internação acerca do adolescente em conflito com a Lei [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.8.2014.tde-14012015-121821
  20. Lopes, J. S. (2006). A escola na FEBEM – SP: Em busca do significado [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.47.2006.tde-09042007-153821
  21. Maeno, M., & Paparelli, R. (2013). O trabalho como ele é e a saúde mental do trabalhador. In M. A. Silveira (Ed.), Inovação para o desenvolvimento de organizações sustentáveis: Trabalho, fatores psicossociais e ambiente saudável. Campinas: Centro de Tecnologia da Informação.Google Scholar
  22. Meireles, C. C., & Zamora, M. H. (2017). Sistema socioeducativo e tecnologias de poder: Análises preliminares sobre os agentes socioeducativos. Revista Adolescência e Conflitualidade, 16(1), 17–25.  https://doi.org/10.17921/2176-5626.n16p17-25.CrossRefGoogle Scholar
  23. Metzger, J. L., Maugeri, S., & Benedetto-Meyer, M. (2012). Predomínio da gestão e violência simbólica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 37(126), 225–242.  https://doi.org/10.1590/S0303-76572012000200005.CrossRefGoogle Scholar
  24. Minayo, M. C. S. (2006). Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz.CrossRefGoogle Scholar
  25. Moreira, F. M. (2011). Cadeias dominadas: Dinâmicas de uma instituição em trajetórias de jovens internos [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.8.2012.tde-15062012-153941
  26. Nuprie. (2018). Boletim estatístico semanal: Posição 02/02/2018. São Paulo.Google Scholar
  27. Passetti, E. (2004). Crianças carentes e políticas públicas. Criança e criminalidade no início do século. In M. D. Priore (Ed.), História das crianças no Brasil (4th ed.). São Paulo: Contexto.Google Scholar
  28. Sader, E. (1987). Democracia é coisa de gente grande? In M. I. Bierrenbach, E. Sader, & C. P. Figueiredo (Eds.), Fogo no pavilhão. Brasília: Editora Brasiliense.Google Scholar
  29. São Paulo. (2013, 13 Jun). Em defesa da saúde do trabalhador. Diário Oficial Poder Executivo. Sec 1:IV.Google Scholar
  30. Supsed - Superintendência de Segurança e Disciplina. (2014). Fundação CASA. Conceitos, diretrizes e procedimentos. São Paulo.Google Scholar
  31. Takahashi, M. A. B. C., Montanher, P. J. S., Silva, A. J. N., & Vilela, R. A. G. (2015). Destructive management behavior and organizational pathology. Reflections for an articulated intervention between academic groups, services and trade union movements. Labour Sciences Journal, 4(1), 27–47.Google Scholar
  32. Tavares, E. P. N., Magalhães, F. B., Marques, P. H., Carmo, J. C. V., & Santos, T. L. F. (2008). O trabalho dos monitores na Febem. São Paulo: Fundacentro.Google Scholar
  33. Vilela, R. A. G., Silva, R. C., & Jackson Filho, J. M. (2010). Poder de agir e sofrimento: Estudo de caso sobre agentes comunitários de saúde. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 289–302.  https://doi.org/10.1590/S0303-76572010000200011.CrossRefGoogle Scholar
  34. Vincentim, M. C. G. (2005). A vida em rebelião: Jovens em conflito com a lei. São Paulo: Hucitec.Google Scholar
  35. Virkkunen, J., & Newnham, D. S. (2013). The Change Laboratory: A tool for collaborative development of work and education. Rotterdam: Sense Publishers.CrossRefGoogle Scholar
  36. Yokomiso, C. T. (2007). Violência e descontinuidade psíquica: Um estudo sobre a Fundação CASA [dissertation]. São Paulo: Universidade de São Paulo.  https://doi.org/10.11606/D.47.2007.tde-15012008-155933
  37. Zaluar, A. (1996). Da revolta ao crime S/A (2nd ed.). São Paulo: Moderna.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2020

Authors and Affiliations

  • Luciana Pena Morgado
    • 1
  • Rodolfo Andrade de Gouveia Vilela
    • 1
  • Mara Alice Conti Takahashi
    • 1
  • Marco Antonio Pereira Querol
    • 2
  • Silvio Beltramelli Neto
    • 3
  • Sandra Regina Cavalcante
    • 1
  1. 1.Department of Environmental HealthSchool of Public Health, University of São PauloSão PauloBrazil
  2. 2.Department of Agronomic EngineeringFederal University of SergipeSão CristóvãoBrazil
  3. 3.Labor Prosecution Office and Catholic Pontifical UniversityCampinasBrazil

Personalised recommendations