Advertisement

Poverty, Stigma, and Drug Use: Reflections About a Perverse Relation

  • Kíssila Teixeira Mendes
  • Telmo Mota Ronzani
  • Fernando Santana de Paiva
Chapter

Abstract

The proposed chapter aims to make a theoretical reflection that articulates the categories poverty, stigma, and drug use. This discussion is necessary because drug use and abuse as well as trafficking are often wrongly associated with the subordinate classes. Thus, it contributes to increase their degree of vulnerability and marginalization. The relationship between the legitimized forms of extermination based on punitivist discourses, the “War on Drugs” and the criminalization of poverty, is pointed out. In addition to criminalization, there is also stigma, which appears as a form of social status that leads to shame and humiliation. Stigma enters this perverse equation as an ideological instrument of domination and perpetuation of the status quo, because the poor population itself also ends up reproducing these same discourses.

Keywords

Poverty Stigma Drug use Criminalization 

References

  1. Accorssi, A., Scarparo, H., & Guareschi, P. (2012). A naturalização da pobreza: reflexões sobre a formação do pensamento social. Psicologia & Sociedade, 24(3), 536–546.Google Scholar
  2. Accorssi, A., & Scarparo, H. (2016). Representações sociais da pobreza. In V. Ximenes, B. Nepomuceno, E. Cidade, & J. Moura Jr. (orgs.). Implicações Psicossociais da pobreza – diversidades e resistências. Fortaleza, Brazil: Expressão Gráfica e Editora.Google Scholar
  3. Boiteux, L., & Pádua, J. (2012). La desproporción de la Ley de Drogas: los costes humanos y económicos de la actual política en Brasil. In C. Correa (org.). Justicia desmedida: Proporcionalidad y delitos de drogas en America Latina (1st ed., pp. 71–101). Ciudad de Mexico, Mexico: Fontamara.Google Scholar
  4. Cidade, E., Moura Jr., J., & Ximenes, V. (2016). Implicações psicológicas da pobreza na vida do povo latino-americano. In V. Ximenes, B. Nepomuceno, E. Cidade, & J. Moura Jr. (orgs.). Implicações Psicossociais da pobreza – diversidades e resistências. Fortaleza, Brazil: Expressão Gráfica e Editora.Google Scholar
  5. Direito Direito. (2012). O Brasil atrás das grades. Retrieved from http://www.direitodireto.com/prisoes-infografico-brasil/.
  6. Dornelles, J. (2003). Conflito e Segurança: entre pombos e falcões. Rio de Janeiro, Brazil: Ed. Lumen Juris.Google Scholar
  7. Goffman, E. (1988). Estigma - Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Brazil: Guanabara.Google Scholar
  8. Guzzo, R. (2016). A (des)igualdade social e a Psicologia: uma perspectiva para o debate sobre a pobreza. In V. Ximenes, B. Nepomuceno, E. Cidade, & J. Moura Jr. (orgs.). Implicações Psicossociais da pobreza – diversidades e resistências. Fortaleza, Brazil: Expressão Gráfica e Editora.Google Scholar
  9. Harvey, D. (2014). Cidades Rebeldes – do direito à cidade à Revolução Urbana. São Paulo, Brazil: Martins Fontes.Google Scholar
  10. Iamamoto, M. (2013). O Brasil das desigualdades: “questão social”, trabalho e relações sociais. SER social. Brasília, 15(33), 261–384.Google Scholar
  11. Iasi, M. (2013). Educação e consciência de classe: desafios estratégicos. Perspectiva, Florianópolis, 31(1), 67–83.Google Scholar
  12. Karam, M. (1996). A Esquerda Punitiva. In Discursos sediciosos: crime, direito e sociedade/ Instituto Carioca de Criminologia (Vol. 1, n. 1, pp. 79–92). Rio de Janeiro, Brazil: Imprenta.Google Scholar
  13. Martins, J. (2002). Sociedade vista do abismo – Novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis: Editora Vozes.Google Scholar
  14. Martini, M. (2007). A seletividade punitiva como instrumento de controle das classes perigosas. MPMJ Jurídico, ano 3(11).Google Scholar
  15. Marx, K. (1983). O Capital: crítica da economia política (Vol. 1). São Paulo, Brazil: Abril Cultural.Google Scholar
  16. Montaño, C. (2012). Pobreza, “questão social” e seu enfrentamento. Serviço Social & Sociedade. São Paulo, (110), 270–287.Google Scholar
  17. Moura Jr., J. F., Ximenes, V. M., & Sarriera, J. C. (2013). Práticas de discriminação às pessoas em situação de rua: histórias de vergonha, de humilhação e de violência em Fortaleza, Brasil. Revista de Psicología, 22, 18–28.Google Scholar
  18. Moura, J., Ximenes, V., & Sarriera, J. (2014). A construção opressora da pobreza no Brasil e suas consequências no psiquismo. Quaderns de Psicologia, 16(2), 85–93.Google Scholar
  19. Nun, J. (1969). Superpoblación relativa, ejército industrial de reserva y masa marginal. Revista Latinoamericana de Sociología del Centro de Investigaciones Sociales del Instituto Torcuato Di Tella, 5(2).Google Scholar
  20. ONU-HABITAT. (2012). Estado de las ciudades de América Latina y el Caribe 2012 – Rumo a uma nueva transición urbana. Recife: ONU.Google Scholar
  21. Paiva, F., & Costa, P. (2017). Desigualdade Social, políticas sobre drogas e direitos humanos: uma reflexão sobre a realidade brasileira. In M. D. Vecchia (org.). Drogas e direitos humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas. Porto Alegre, Brazil: Rede Unida.Google Scholar
  22. Parker, R., & Aggleton, P. (2001). Estigma, Discriminação e Aids. Rio de Janeiro, Brazil: Lidador.Google Scholar
  23. Passos, E. H., & Souza, T. P. (2011). Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia & Sociedade, 23(1), 154–162.CrossRefGoogle Scholar
  24. Paugam, S. (1999). O enfraquecimento e ruptura dos vínculos sociais – Uma dimensão essencial do processo de desqualificação social. In B. Sawaia (org.). As artimanhas da exclusão – Análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis, Brazil: Editora Vozes.Google Scholar
  25. Peyraube, R. (2017). Estigma de las personas que usan drogas, cuidados de la salud y derechos humanos em América Latina. In M. D. Vecchia (org.). Drogas e direitos humanos: reflexões em tempos de guerra às drogas. Porto Alegre, Brazil: Rede Unida.Google Scholar
  26. Pilati, R. (2011). Direito Penal do Inimigo e Política Criminal de Drogas no Brasil: Discussão de Modelos Alternativos. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal de Santa Catarina.Google Scholar
  27. Raupp, L., & Adorno, R. (2011). Jovens em situação de rua e usos de crack: um estudo etnográfico em duas cidades. Rev Bras Adolescência e Conflitualidade, (4), 52–67.Google Scholar
  28. Rocha, S. (2006). Pobreza no Brasil: afinal, do que se trata?. Rio de Janeiro, Brazil: Editora FGV.Google Scholar
  29. Rui, T. (2014). Usos da “Luz” e da “cracolândia”: etnografia de práticas espaciais. Saúde e Sociedade. São Paulo, 23(1), 91–104.CrossRefGoogle Scholar
  30. Santos, J. S. (2012). “Questão Social”: particularidades no Brasil. São Paulo, Brazil: Cortez.Google Scholar
  31. Teixeira, I. (2012). Política de drogas no Brasil e o papel do Estado liberal: Luta de Classes, Ideologia e Repressão. Revista Cadernos de Estudos Sociais e Políticos, 1(1).Google Scholar
  32. Trindade, H. (2017). Crise do capital, exército industrial de reserva e precariado no Brasil contemporâneo. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, (129), 225–244.Google Scholar
  33. Wacquant, L. (2001). As Prisões da Miséria. Rio de Janeiro, Brazil: Jorge Zahar.Google Scholar
  34. Wacquant, L. (2003). Punir os Pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro, Brazil: Revan.Google Scholar
  35. Wacquant, L. (2006). A estigmatização territorial na idade da marginalidade avançada. Sociologia: problemas e práticas (Vol. 16, pp. 27–39). Lisboa, Portugal.Google Scholar
  36. Wacquant, L. (2008). O lugar da prisão na nova administração da pobreza. Revista Novos Estudos, (80), 9–19.Google Scholar
  37. Zaffaroni, E. (2001). Em busca das penas perdidas: A perda da legitimidade do sistema penal (5th ed.). Rio de Janeiro, Brazil: Revan.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Kíssila Teixeira Mendes
    • 1
  • Telmo Mota Ronzani
    • 1
  • Fernando Santana de Paiva
    • 1
  1. 1.Universidade Federal de Juiz de ForaJuiz de ForaBrazil

Personalised recommendations