Advertisement

Ways of Coping with Poverty: An Analysis Based on Studies Carried Out with People in Psychic Suffering and Prostitutes

  • Bárbara Barbosa Nepomuceno
  • Lorena Brito da Silva
  • Verônica Morais Ximenes
Chapter

Abstract

The aim of the authors is to analyze the ways in which people in psychic suffering and prostitutes living in poor neighborhoods of Fortaleza, Brazil, have coped with poverty in these contexts. The discussions presented are based on two qualitative researches with users with psychic suffering from the Psychosocial Care Center and with prostitutes. The access to social support networks occupies an important place in facing the difficulties of life in poverty. Religion and the belief in a Divinity emerge as possibilities of meaning and re-signification of life. In addition, an explanatory order can be established on the reality of poverty. Creative processes of resistance are identified, constituted from the subject-environment relationship. There is also a re-signification of self and reality as strategies of resistance.

Keywords

Coping Mental disorder Prostitution Poverty 

References

  1. Accorssi, A. (2011). Materializações do pensamento social sobre a pobreza. Tese (Doutorado em Psicologia). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brazil.Google Scholar
  2. Amarante, P. (2008). Saúde Mental e Atenção Psicossocial (2a ed., Vol. 24(4), pp. 941–943). Rio de Janeiro, Brazil: Editora Fiocruz.Google Scholar
  3. Angrosino, M. (2009). Etnografia e Observação Participante. Porto Alegre, Brazil: Artmed.Google Scholar
  4. Antoniazzi, A. S., Dell’Aglio, D. D., & Bandeira, D. R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3(2), 273–294.CrossRefGoogle Scholar
  5. Bardin, L. (2004). Análise de Conteúdo (3a ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.Google Scholar
  6. Basaglia, F. (2008). Saúde/Doença. In P. Amarante & L. B. Cruz (Orgs.), Saúde Mental, Formação e Crítica (pp. 10–19). Rio de Janeiro, Brazil: Laps.Google Scholar
  7. Bastos, A. C. S., Velame, Z. L. S., Franco, A. L. S., & Teixeira, A. E. (2006). Saúde: um dever do Estado ou um assunto de família? Análise da experiência de famílias de um bairro popular junto ao sistema de saúde. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(2), 01–15.Google Scholar
  8. Bastos, A. C. S., Rabinovich, E. P., & Almeida, M. B. (2011). Living the world of poverty: The researcher as participant/apprentice. Psychology and Developing Societies, 22(2), 221–247.CrossRefGoogle Scholar
  9. Bauman, Z. (2008). Os usos da pobreza. In Z. Bauman (Ed.), A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas (pp. 148–157). Tradução: José Gradel.). Rio de Janeiro, Brazil: Jorge Zahar.Google Scholar
  10. Botomé, S. P. (1979). A quem nós, psicólogos, servimos de fato? Psicologia, 5(1), 1–15.Google Scholar
  11. Carvalho, M. A. A. S. (2010). Fortalecimento das pessoas com transtornos mentais: a experiência dos usuários do Movimento de Saúde Mental Comunitária do Bom Jardim. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Departamento de Psicologia. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brazil. 127f.Google Scholar
  12. Cavalcante, J. A. M. (2011). Soeciopoetizando a participação nos entre-lugares de crianças, adolescentes e adultos/as conselheiros/as do orçamento participativo de Fortaleza/CE. Dissertação (Mestrado). Pós-Graduação em Educação Brasileira. Universidade Federal do Ceará. 167f.Google Scholar
  13. Cidade, E. C., Moura Jr., J. F., & Ximenes, V. M. (2012). Implicações psicológicas da pobreza na vida do povo latino-americano. Psicologia Argumento, 30(68), 87–98.CrossRefGoogle Scholar
  14. CNDSS (Comissão Nacional dos Determinantes Sociais da Saúde). (2008). As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil. Rio de Janeiro, Brazil: Editora Fiocruz.CrossRefGoogle Scholar
  15. Codes, A. L. M. (2008). A trajetória do pensamento científico sobre a pobreza: Em direção a uma visão complexa. Texto para discussão, Brasília, Brazil: IPEA. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1332.pdf
  16. Couto-Oliveira, V. (2007). Vida de mulher: Gênero, pobreza, saúde mental e resiliência. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura). Universidade de Brasília, Brasília, Brazil. 274f.Google Scholar
  17. Dimenstein, M. (2000). A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia (Natal), 5(1), 95–121.CrossRefGoogle Scholar
  18. Freire, P. (2004). Pedagogia do Oprimido (39a ed.). Rio de Janeiro, Brazil: Paz e Terra.Google Scholar
  19. García, A. R. (2007). Pobreza y estrategias de afrontamiento. Tesis (Doctorado). Departamento de Psicología. Universidad Iberoamericana, México.Google Scholar
  20. Gerhardt, T. E. (2006). Itinerários terapêuticos em situações de pobreza: diversidade e pluralidade. Cadernos de Saúde Pública, 22(11), 2449–2463.CrossRefGoogle Scholar
  21. Góis, C. W. L. (2003). Psicologia Comunitária no Ceará: Uma caminhada. Fortaleza, Brazil: Publicações Instituto Paulo Freire.Google Scholar
  22. Góis, C. W. L. (2008). Saúde Comunitária: pensar e fazer. São Paulo, Brazil: Editora Hucitec.Google Scholar
  23. Lane, S. T. M. (1984). A Psicologia Social e uma nova concepção de homem para a Psicologia. In S. T. M. Lane & W. Codo (Eds.), Psicologia Social: O homem em movimento (pp. 10–19). São Paulo, Brazil: Brasiliense.Google Scholar
  24. Level, J. P., & Martínez, Y. I. C. (2007). Pobreza y apoyo social: Un studio comparativo en tres niveles socioeconómicos. Revista Interamericana de Psicología/Interamerican Journal of Psychology, 41(2), 177–188.Google Scholar
  25. Lima, M., Stotz, E., & Valla, V. (2008). Pobreza e violência: Desafio para os profissionais de saúde. Rev. APS, 11(3), 273–284.Google Scholar
  26. Martín-Baró, I. (1998). Psicología de la Lliberación. Madrid, Spain: Trotta.Google Scholar
  27. Martin-Baró, I. (2003). Poder, ideologia y violência. Madrid, Spain: Trotta.Google Scholar
  28. Martín-Baró, I. (2005). Acción e Ideología: Psicología social desde centroamérica (2a ed.). San Salvador, El Salvador: UCA Editores.Google Scholar
  29. Martín-Baró, I. (2011). Desafios e perspectivas da Psicologia Latino-Americana. In R. Guzzo & F. L. Júnior (Eds.), Psicologia Social para a América Latina: O resgate da Psicologia da Libertação (pp. 199–219). São Paulo, Brazil: Alínea.Google Scholar
  30. Medeiros, R. (2006). Prostituição e imaginário Popular. V Encontro da Rede Pastoral Oblata, Salvador, El Salvador.Google Scholar
  31. Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (12a ed.) São Paulo, Brazil: Hucitec.Google Scholar
  32. Nepomuceno, B. B. (2013). Pobreza e saúde mental: Uma análise psicossocial a partir da perspectiva dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brazil. 151f.Google Scholar
  33. Olivar, J. M. N. (2012). Prostituição feminina e direitos sexuais: Diálogos possíveis? Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, 11, 88–121.Google Scholar
  34. OMS (Organização Mundial de Saúde). (2002). Saúde Mental: Nova concepção, nova esperança. Lisboa, Portugal: Relatório Mundial da Saúde.Google Scholar
  35. Pinheiro, C. M., Santos, N. L. D., & Santos, J. E. D. (2009). Discursos coletivos sobre sofrimento psíquico em famílias em situação de vulnerabilidade social. Saúde em Debate, 33(83), 465–473.Google Scholar
  36. Piscitelli, A. (2005). Apresentação: gênero no mercado do sexo. Cadernos Pagu, (25), 7–23.Google Scholar
  37. PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). (2010). Relatório de Desenvolvimento Humano. A Verdadeira Riqueza das Nações: Vias para o Desenvolvimento Humano. Recuperado de http://hdr.undp.org/en/media/HDR_2010_PT_Complete_reprint.pdf
  38. Rabelo, M. C., Alves, P. C., & Souza, I. M. (1999). Signos, significados e práticas relativos à doença mental. In M. C. Rabelo (Ed.), Experiência de doença e narrativa (pp. 43–74). Rio de Janeiro, Brazil: Editora Fiocruz.Google Scholar
  39. Ramos, F. R. L. (2004). A danação do objeto: O museu no ensino de história. Chapecó, Brazil: Argos.Google Scholar
  40. Ribeiro, M. C. S. A., Barata, R. B., Almeida, M. F., & Silva, Z. P. (2006). Perfil sociodemográfico e padrão de utilização de serviços de saúde para usuários e não usuários do SUS – PNAD 2003. Ciência e Saúde Coletiva, 11(4), 1011–1022.CrossRefGoogle Scholar
  41. Rotelli, F. (1990). Desinstitucionalização: Uma outra via. In F. Rotelli, O. Leonardis, & Mauri D (Orgs.), Desinstitucionalização (pp. 10–19). São Paulo, Brazil: Ed. Hucitec.Google Scholar
  42. Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência (p. 2004). São Paulo, Brazil: Fundação Perseu Abramo.Google Scholar
  43. Saraceno, B. (1999). Libertando Identidades: Da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Belo Horizonte, Brazil/Rio de Janeiro, Brazil: Te Corá.Google Scholar
  44. Sawaia, B. B. (2009). Psicologia e desigualdade social: Uma refl exão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, 21(3), 364–372.CrossRefGoogle Scholar
  45. Sen, A. (2010) Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.Google Scholar
  46. Silva, L. B. (2012). Entendendo e potencializando os modos de organização de mulheres em situação de prostituição no centro histórico de Salvador/BA. Fato & Versões, 4(7), 29–40.Google Scholar
  47. Silva, L. B. (2014). Implicações psicossociais da violência nos modos de vida de prostitutas pobres. Dissertação (Mestrado). Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará. 166f.Google Scholar
  48. Siqueira, L. (2014). Pobreza e serviço social: Diferentes concepções e compromissos políticos. São Paulo, Brazil: Cortez.Google Scholar
  49. Stotz, E. N. (2005). Pobreza e capitalismo. In V. V. Valla, E. N. Stotz, & E. B. Algebaile (Eds.), Para compreender a pobreza no Brasil (pp. 52–72). Rio de Janeiro, Brazil: Contraponto: Escola Nacional de Saúde Pública.Google Scholar
  50. Valla, V. (1999). Educação popular, saúde comunitária e apoio social numa conjuntura de globalização. Cadernos de Saúde Pública, 15(2), 7–14.CrossRefGoogle Scholar
  51. Valla, V. (2000). Redes sociais, poder e saúde à luz das classes populares numa conjuntura de crise. Interface: ComuCcação, Saúde, Educação, 4(7), 37–56.CrossRefGoogle Scholar
  52. Valla, V. (2005). Globalização, a questão social e a nova pobreza. In V. V. Valla, E. N. Stotz, & E. B. Algebaile (Eds.), Para compreender a pobreza no Brasil (pp. 33–52). Rio de Janeiro, Brazil: Contraponto: Escola Nacional de Saúde Pública.Google Scholar
  53. Vasconcelos, E. M. (2009). Espiritualidade na Educação Popular em Saúde. Cadernos CEDES, 29(79), 323–334.CrossRefGoogle Scholar
  54. Ximenes, V. M., Cidade, E. C., & Nepomuceno, B. B. (2015). Psicología comunitaria y expresiones psicosociales de la pobreza: Contribuciones para la intervención en políticas públicas. Universitas Psychologica, 14(4), 15–28.Google Scholar
  55. Yamamoto, O. H. (2007). Políticas sociais, “terceiro setor” e “compromisso social”: Perspectivas e limites do trabalho do psicólogo. Psicologia & Sociedade, 19(1), 30–37.CrossRefGoogle Scholar
  56. Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política Social e Psicologia: Uma Trajetória de 25 Anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(n. especial), 9–24.Google Scholar
  57. Zavaleta, D. (2011). Pobreza, vergüenza y humillación: una propuesta de medición. Revista Latinoamericana de Desarrollo Humano. Boletín n. 76. Recuperado de http://www.ophi.org.uk/wp-content/uploads/Verguenza.pdf

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Bárbara Barbosa Nepomuceno
    • 1
  • Lorena Brito da Silva
    • 2
  • Verônica Morais Ximenes
    • 3
  1. 1.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC) and Ari de Sá FacultyFortalezaBrazil
  2. 2.Universidade Federal do CearáFortalezaBrazil
  3. 3.Department of PsychologyFederal University of Ceará (UFC)FortalezaBrazil

Personalised recommendations