Advertisement

Oral History and Mathematics Education: Historiographical Research

  • Maria Laura Magalhães Gomes
Chapter
Part of the History of Mathematics Education book series (HME)

Abstract:

This chapter focuses on historiographic research in mathematics education carried out with the use of the oral history methodology. To this end, a panorama of the investigations of the Oral History and Mathematics Education Group is presented. The group works in a project intended to clarify how the training and activities of mathematics teachers have been developed in Brazil within different institutions, various school levels, and completely different times and environments. A general outline of the history of education and of teacher formation in Brazil is also presented. Key theoretical and methodological issues are discussed as to the participation of oral history in history research, and particularly in the history of mathematics education. Finally, this chapter presents a summary of what the research about mathematics teachers’ training and activities in Brazil have been showing through time. At the same time that the oral history methodology highlights and values peculiarities and individualities, this methodology has enabled the perception of characteristics which are common to many scenarios such as the lack, the urgency, and the discontinuity of training activities of mathematics teachers in Brazil.

Keywords:

Oral history History and historiography of mathematics education History of training and activities of mathematics teachers in Brazil 

References

  1. Almeida, S. P. N. de C. (2015). Um lugar: muitas histórias: o processo de formação de professores de Matemática na primeira instituição de ensino superior da região de Montes Claros/norte de Minas Gerais (1960–1990). Tese de Doutorado em Educação. Belo Horizonte, Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais.Google Scholar
  2. Baraldi, I. M. (2003). Retraços da educação matemática na região de Bauru (SP): uma história em construção. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 7 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php
  3. Certeau, M. D. (2010). A escrita da história. Rio de Janeiro, Brazil: Forense Universitária.Google Scholar
  4. Cury, F. G. (2014). Histórias da formação de professores, em Goiás e no Tocantins, em duas pesquisas empreendidas pelo Ghoem. In A. V. M. Garnica (Ed.), Cartografias contemporâneas: mapeando a formação de professores de Matemática no Brasil (pp. 179–193). Curitiba, Paraná: Appris.Google Scholar
  5. Cury, F. G. (2011). Uma história da formação de professores de Matemática e das instituições formadoras do estado do Tocantins. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 7 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php
  6. Esquisani, R. S. S. (2012). Entre percursos, fontes e sujeitos: pesquisa em educação e uso da história oral. Educação e Pesquisa, 38(1), 217–228.CrossRefGoogle Scholar
  7. Fernandes, D. N. (2011). Sobre a formação do professor de Matemática no Maranhão: cartas para uma cartografia possível. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 7 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php
  8. Garnica, A. V. M., & Souza, L. d. (2012). Elementos de história da educação matemática. São Paulo, Brazil: Editora UNESP.Google Scholar
  9. Garnica, A. V. M., Fernandes, D. M., & da Silva, H. (2011). Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre Regimes de Historicidade e História Oral. Bolema, Rio Claro, 25(41), 213–250.Google Scholar
  10. Garnica, A. V. M. (2015). O pulo do sapo: narrativas, história oral, insubordinação e educação matemática. In B. S. D’Ambrosio & C. E. Lopes (Eds.), Vertentes da subversão na produção científica em Educação Matemática (pp. 181–206). Campinas, São Paulo: Mercado de Letras.Google Scholar
  11. Gonzales, K. G. (2017). Formar Professores que ensinam Matemática: uma história das Licenciaturas Parceladas no Mato Grosso do Sul. Tese de Doutorado em Educação Para a Ciência. Bauru, São Paulo: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Acesso em 7 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php
  12. Hobsbawm, E. (1998). Sobre história. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras.Google Scholar
  13. Janotti, M. L. M. (2010). A incorporação do testemunho oral na escrita historiográfica: empecilhos e debates. História Oral, 13, 9–22.Google Scholar
  14. Levi, G. (2014). O trabalho do historiador: pesquisar, resumir, comunicar. Tempo, 20, 1–20. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tem/v20/pt_1413-7704-tem-20-20143606.pdfCrossRefGoogle Scholar
  15. Lopes, E. M. S. T., & Galvão, A. M. d. O. (2005). História da Educação. Rio de Janeiro, Brazil: DP & A.Google Scholar
  16. Lopes, E. M., Faria Filho, L. M. & Veiga, C. G. (Orgs.). (2003). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte, Minas Gerais: Autêntica.Google Scholar
  17. Martins-Salandim, M. E. (2012). A interiorização dos cursos de Matemática no estado de São Paulo: um exame da década de 1960. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 7 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php.
  18. Miorim, M. A. (1998). Introdução à história da educação matemática. São Paulo, Brazil: Atual.Google Scholar
  19. Morais, M. B. (2017). Se um viajante… Percursos e histórias sobre a formação de professores de matemática no Rio Grande do Norte. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 12 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php.
  20. Morais, M. B. d., & Garnica, A. V. M. (2016). Da duração situada: um estudo sobre historiografia, espaço e Educação Matemática. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, 11, 77–95.Google Scholar
  21. Paiva, P. H. A. de. (2016). Entre as memórias do Campo das Vertentes: uma história da formação de professores de Matemática da Fundação de Ensino Superior de São João del-Rei (FUNREI) no período de 1987 a 2001. Dissertação de Mestrado em Educação. Belo Horizonte, Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais.Google Scholar
  22. Portelli, A. (1996). A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, 1(2), 59–72.Google Scholar
  23. Portelli, A. (1997). O que faz a história oral diferente. Projeto História, 14, 25–40.Google Scholar
  24. Ricoeur, P. (2007). A memória, a história, o esquecimento. Campinas, São Paulo, Brazil: Editora da UNICAMP.Google Scholar
  25. Romanelli, O. (2005). História da educação no Brasil. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brazil: Vozes.Google Scholar
  26. Saviani, D. (2007). História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados.Google Scholar
  27. Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143–155.CrossRefGoogle Scholar
  28. Sarlo, B. (2007). Tempo passado, cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras/Belo Horizonte: Editora UFMG.Google Scholar
  29. Souza, L. A. d., & Garnica, A. V. M. (2013). As matemáticas modernas: Um ensaio sobre os modos de produção. Relime, 16(3), 369–393.Google Scholar
  30. Souza, R. F. de. (2004). Lições da escola primária. In D. Saviani et al. (Eds.), O legado educacional do século XX (pp. 109–162). Campinas, São Paulo: Autores Associados.Google Scholar
  31. Souza, L. A. (2011). Trilhas na construção de versões históricas sobre o Grupo Escolar Eliazar Braga. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro, São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Acesso em 8 de junho de 2018. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/ghoem/index.php?pagina=trabalhos.php
  32. Tanuri, L. M. (2000). História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, 14, 61–88.Google Scholar
  33. Valente, W. R. (1999). Uma história da matemática escolar no Brasil (1730–1930). São Paulo, Brazil: Annablume/FAPESP.Google Scholar
  34. Valente, W. R. (2003). A disciplina Matemática: etapas históricas de um saber escolar no Brasil. In M. A. T. Oliveira & S. M. Ranzi (Orgs.), História das disciplinas escolares no Brasil: contribuições para o debate (pp. 217–254). Bragança Paulista, São Paulo: EDUSF.Google Scholar
  35. Valente, W. R. (2008). Quem somos nós, professores de Matemática? Cadernos CEDES, 28(74), 11–23.CrossRefGoogle Scholar
  36. Veiga, C. G. (2007). História da educação. São Paulo, Brazil: Ática.Google Scholar
  37. Vicentini, P. P., & Lugli, R. G. (2009). História da formação docente no Brasil: Representações em disputa. São Paulo, Brazil: Cortez.Google Scholar

Copyright information

© Springer Nature Switzerland AG 2019

Authors and Affiliations

  • Maria Laura Magalhães Gomes
    • 1
  1. 1.Federal University of Minas Gerais, UFMGBelo HorizonteBrazil

Personalised recommendations