Promoting Citizenship and Access to the Right to Health: a Look of Caregivers

Abstract

The Residential Therapeutic Service (SRT) is an important device for the psychosocial rehabilitation of those discharged from long hospital stays without family ties. However, the care and supervision of caregivers stands out in the challenge of reconciling the autonomy of residents. To investigate the perceptions of caregivers about work in the SRTs and their relationship with the promotion of the right to health and citizenship for residents. Descriptive, qualitative study, developed in two SRTs in the interior of the state of Minas Gerais. During the first semester of 2019, data were collected through a semi-structured interview directed by Quality Rights and the Collective Subject Discourse was used for data analysis. The right to citizenship is guaranteed through access to a dignified life and through the psychosocial rehabilitation expressed by autonomy, inclusion and communication in STRs. However, few resources for leisure and few visits to homes represent existing gaps. The right to health occurs through the monitoring of residents in the Psychosocial Care Center (CAPS) and directing them to care in existing health services at different levels of health care. The promotion of citizenship and the right to health in the SRT is directly correlated to the work of caregivers who need support from the multidisciplinary team and training that ensure care based on the bond, respect and motivation.

This is a preview of subscription content, access via your institution.

References

  1. 1.

    Agrest M, Mascayano F, Teodoro de Assis R, Molina-Bulla C, Ardila-Gómez S. Leyes de Salud Mental y reformas psiquiátricas en América Latina: múltiplos caminos en su implementação. Vertex. 2018;29(141):334–45.

    Google Scholar 

  2. 2.

    Almeida FA, Cezar AT. As residências terapêuticas e as políticas públicas de saúde mental. Revista IGT na Rede. 2016;13(24):105–14.

    Google Scholar 

  3. 3.

    Amarante P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.

    Google Scholar 

  4. 4.

    Araújo ANF. Trabalho do cuidado: saúde mental do serviço de residência terapêutica de Rio das Ostras. Trabalho de Conclusão de Curso: Universidade Federal Fluminense, Rio das Ostras, RJ, Brasil; 2017.

    Google Scholar 

  5. 5.

    Brasil. Constituição Federal de 1988. Brasília: Senado Federal; 1988.

  6. 6.

    Brasil. (2001a). Lei n° 10.216 de 06 de abril de 2001. Brasília: Ministério da Saúde.

  7. 7.

    Brasil. Portaria n°175 de 07 de fevereiro de 2001. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

  8. 8.

    Brasil. Residências terapêuticas: o que são, para que servem. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

  9. 9.

    Brasil. Portaria nº 3.090 de 23 de dezembro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2011

  10. 10.

    Brasil. Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017

  11. 11.

    Brasil. Nota Técnica no 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

  12. 12.

    Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2005;9(16):161–8.

    Article  Google Scholar 

  13. 13.

    Silva AP. O papel do auxiliar de saúde (cuidador) na produção de novos sentidos de vida nas residências terapêuticas em saúde mental: um relato de experiência. Trabalho de Conclusão de Curso: Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil; 2018.

    Google Scholar 

  14. 14.

    Dimenstein M. A Reorientação da Atenção em Saúde Mental: Sobre a qualidade e humanização da assistência. Revista de Psicologia Ciência e Profissão. 2004;24(4):122–117.

    Google Scholar 

  15. 15.

    Fassheber VB, Vidal CEL. Da tutela à autonomia: narrativas e construções do cotidiano em uma residência terapêutica. Revista Psicologia Ciência e Profissão. 2007;27(2):194–207.

    Article  Google Scholar 

  16. 16.

    Figueiredo AC, Frare AP. A função da psicanálise e o trabalho do psicanalista nos serviços residenciais terapêuticos. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental. 2008;11(1):82–96.

    Article  Google Scholar 

  17. 17.

    França TL. A construção do saber na formação do profissional em lazer. In: H. F. Isayama Lazer em estudo: currículo e formação professional (pp. 103–126). Campinas: Papirus; (2010).

  18. 18.

    Furtado JP. Avaliação da situação atual dos serviços residenciais terapêuticos no SUS. Ciência Saúde Coletiva. 2006;11(3):785–95.

    Article  Google Scholar 

  19. 19.

    Gionvanella, L., Almeida, P. F. (2017). Comprehensive primary care and segmented health systems in South America. Cadernos de Saúde Pública, 33(Supl 2), e00118816.

  20. 20.

    Kantorski LP, Eslabão AD, Coimbra VCC, Willrich JQ, Nunes CK, Guedes AC, Bielemann VLM. Cidadania e o direito à Saúde nos Serviços Residenciais Terapêuticos. Revista de Enfermagem da UFSM. 2014;3(2):326–34.

    Google Scholar 

  21. 21.

    Lefèvre F, Lefèvre AMC. Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Revista Texto e Contexto Enfermagem. 2014;23(02):502–7.

    Article  Google Scholar 

  22. 22.

    Mângia EF, Ricci EC. “Pensando o Habitar” Trajetórias de usuários de Serviços Residenciais Terapêuticos. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 2011;22(2):182–90.

    Google Scholar 

  23. 23.

    Medeiros, G. T., Nascimento, F. A. F., Pavon, R. G., & Silveira, F. A. (2016). Educação Permanente em Saúde Mental: relato de experiência. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20(57), 475–484.

  24. 24.

    Nóbrega MPSS, Veiga TFM. O significado de morar em um serviço residencial terapêutico. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 2017;7(13):1–8.

    Google Scholar 

  25. 25.

    Pondé MP, Caroso C. Lazer como fator de proteção da saúde mental. Revista de Ciências Médicas. 2003;12(2):163–72.

    Google Scholar 

  26. 26.

    Resgalla RM, Freitas ME. A residência terapêutica: o melhor lugar para se viver. REME Revista Mineira de Enfermagem. 2004;8(2):283–9.

    Google Scholar 

  27. 27.

    Ribeiro Neto PM, Avellar LZ. Conhecendo os cuidadores de um Serviço Residencial Terapêutico. Mental. 2009;7(13):1–11.

    Google Scholar 

  28. 28.

    Ribeiro Neto PM, Avellar LZ, Tristão KG. Convivência social com moradores de residências terapêuticas. Psicologia & Sociedade. 2017;29(15):1–9.

    Google Scholar 

  29. 29.

    Silva DAB, Vicentin MCG. Cotidiano de uma residência terapêutica e a produção de subjetividade. Revista Distúrbios da Comunicação. 2017;13(2):196–207.

    Article  Google Scholar 

  30. 30.

    Silva DS, Azevedo D. A reforma psiquiátrica na visão de quem cuida: percepções de profissionais do serviço residencial terapêutico. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2011;15(3):587–94.

    Article  Google Scholar 

  31. 31.

    Souza J. Percepção de apoio social e caracterização da rede de dependentes e não dependentes de substâncias psicoativas. Tese de doutorado: Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil; 2010.

    Book  Google Scholar 

  32. 32.

    Vieira AMB, Albuquerque EG, Pereira LA, Andrade IS. Percepção dos agentes comunitários de saúde acerca do acompanhamento aos usuários de saúde mental. Sanare Revista de Políticas Públicas. 2017;16(1):24–31.

    Google Scholar 

  33. 33.

    World Health Organization. QualityRights tool kit to assess and improve quality and human rights in mental health and social care facilities. Geneva: WHO; 2012.

    Google Scholar 

Download references

Author information

Affiliations

Authors

Corresponding author

Correspondence to Carla Aparecida Arena Ventura.

Additional information

Publisher's Note

Springer Nature remains neutral with regard to jurisdictional claims in published maps and institutional affiliations.

Rights and permissions

Reprints and Permissions

About this article

Verify currency and authenticity via CrossMark

Cite this article

Soares, J.G., Moll, M.F. & Ventura, C.A.A. Promoting Citizenship and Access to the Right to Health: a Look of Caregivers. J. Psychosoc. Rehabil. Ment. Health (2021). https://doi.org/10.1007/s40737-021-00219-7

Download citation

Keywords

  • Mental Health Services
  • Human rights
  • Right to health