Advertisement

Child and Adolescent Social Work Journal

, Volume 36, Issue 3, pp 227–235 | Cite as

Health Promotion of Children and Young Adults Who Live in Residential Care Institutions in Portugal

  • Cláudia Helena JuliãoEmail author
Article
  • 6 Downloads

Abstract

This study focused on health promotion for children and young adults who live in residential care institutions in Portugal. It aims to understand how these institutions promote the health of the children and young adults who live there and secure their right to health. Multiple qualitative methods were used, including a bibliographic, documental and field research, as well as semi-structured interviews with the professionals of these institutions. The results showed that the institutions are concerned with the health promotion of children and young adults, promoting actions both for the professionals, the children and their families. The type of support they offer includes access to public services, but also to their own resources regarding health and the possibilities of partnership with private health institutions. These are especially realized in the fields of mental and oral health, since in these areas the public system was found to have some shortcomings. The results indicate the need to develop new alternatives for the health promotion of children and young adults who live in these residential care institutions, since these services are essential for their well-being and integral development.

Keywords

Health Promotion Residential care Protection Rights Children and young adults, Portugal 

Notes

Compliance with Ethical Standards

Conflict of interest

The author declares that the author has no conflict of interest.

References

  1. Almeida, A. N. (2004). Children, participation, projects—How to make it work. Strasbourg: Council of Europe.Google Scholar
  2. Almeida, A. N. (2009). Para uma Sociologia da Infância: jogos de olhares, pistas para a investigação. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.Google Scholar
  3. Assembleia da República (Portugal). (1990). Lei n. 48, de 24 de Agosto de 1990. Lei de Bases da Saúde. Diário da República, série I. Retrieved January 10, 2018, from https://dre.pt/pesquisa/-/search/574127/details/normal?p_p_auth=zt2dAYbd.
  4. Assembleia da República (Portugal). (1999). Lei n. 147, de 1 de setembro de 1999. Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo. Diário da República, série I-A. Retrieved October 30, 2017, from https://dre.pt/legislacao-consolidada/-/lc/107065775/201710300909/índice.
  5. Assembleia da República (Portugal). (2015). Lei n. 142, de 8 de setembro de 2015. Segunda alteração à Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, aprovada pela Lei n º 147/99, de 1 de setembro. Diário da República, série I. Retrieved October 30, 2017, from https://dre.pt/home/-/dre/70215246/details/maximized?p_auth=d7wl5lmP.
  6. Assembleia da República (Portugal). (2017). Lei n. 23, de 23 de maio de 2017. Terceira alteração à Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, aprovada pela Lei n.º 147/99, de 1 de setembro, alargando o período de proteção até aos 25 anos. Diário da República, série I. Retrieved October 30, 2017, from https://dre.pt/web/guest/pesquisa/-/search/107061811/details/maximized.
  7. Buss, P. M. (2000). Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, 5(1), 163–177.  https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100014.CrossRefGoogle Scholar
  8. Cansado, T. (2008). Institucionalização de crianças e jovens em Portugal Continental: o caso das Instituições Particulares de Solidariedade Social. e-cadernos ces, 2, 1–9.  https://doi.org/10.4000/eces.1387.
  9. Cansado, T. (2014). A institucionalização de crianças e jovens no Alentejo. Tese de Doutorado: Universidade de Évora, Évora.Google Scholar
  10. Cavalcante, L. I. C., Magalhães, C. M. C., & Pontes, F. A. R. (2009). Processos de saúde e doença entre crianças institucionalizadas: uma visão ecológica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 615–625.  https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200030.CrossRefGoogle Scholar
  11. Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens. (2016). Relatório de avaliação das atividades da CPCJ. Retrieved from: https://www.cnpdpcj.gov.pt/cpcj/relatorios-de-avaliacao-da-atividade-statistica.aspx.
  12. Instituto da Segurança Social. (2016). Instituto Público (ISS, IP). IN CASA 2016- Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens. Lisboa: ISS, IPGoogle Scholar
  13. Loureiro, I., Miranda, N., & Miguel, J. M. P. (2013). Promoção da saúde e desenvolvimento local em Portugal: refletir para agir. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 31(1), 23–31.  https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2013.03.00.CrossRefGoogle Scholar
  14. Minayo, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: HUCITEC.Google Scholar
  15. Ministério da Saúde. (2013). Programa Nacional da Saúde Infantil e Juvenil. Lisboa: Direção Geral da Saúde. Retrieved from: https://www.dgs.pt/documentos-epublicacoes/programa-tipo-de-atuacao-em-saude-infantil-e-juvenil.aspx.
  16. Moura, J. C. M. (2016). Saúde Mental em Crianças e Jovens em Acolhimento Residencial. Instituto Superior de Lisboa, Lisboa: Dissertação de Mestrado.Google Scholar
  17. Nelson, T. D., Smith, T. R., Thompson, R. W., Epstein, M. H., Griffith, A. K., DuppongHurley, K., et al. (2011). Prevalence of physical health problems among youth entering residential treatment. Pediatria, 128(5), 1226–1232.  https://doi.org/10.1542/peds.2010-3609.CrossRefGoogle Scholar
  18. Rodrigues, S., Barbosa-Ducharne, M., & del Valle, J. F. (2013). La calidad del acogimiento residencial en Portugal y el ejemplo de la evolución española. Papeles del Psicólogo, 34(1), 11–22. Retrieved from: http://www.papelesdelpsicologo.es/pdf/2167.pdf.
  19. Saboga-Nunes, L., Sorensen, K., & Pelikan, J. M. (2014). Hermeneutica da literacia em saúde e sua avaliação em Portugal (HLS-EU-PT). VIII Congresso Português de Sociologia, VIII Congresso Português de Sociologia (pp. 2–15). Évora: Universidade de Évora.Google Scholar
  20. Sarmento, M. J. (2013). A sociologia da infância e a sociedade contemporânea: desafios conceptuais e praxeológicos. In R. T. Ens., & M. C. Garanhani (Orgs.), Sociologia da infância e a formação de professores (pp. 13–46). Curitiba: Editora Champagnat.Google Scholar
  21. Sarmento, M. J., Fernandes, N., & Tomás, C. (2007). Políticas públicas e participação infantil. Educação, Sociedade & Culturas, 25, 183–206. Retrieved from: https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC25/ManuelJacintoSarmento.pdf.
  22. Tomé, M. R. (2016). Questão da infância e juventude em Portugal: marcos e marcas de um século de proteção sócio judicial. In M. Braz (Org.), Serviço Social Portugal- Brasil: formação e exercício em tempos de crise (pp. 145–160). Campinas: Papel Social.Google Scholar
  23. Vilariça, P., & Prata, A. T. (2017). Impacto da institucionalização em crianças e jovens. In F. Xerepe., I. F. Costa., & M. R. O. Morgado (Orgs.), O risco e o perigo na criança e na família (pp. 245–258). Lisboa: Pactor.Google Scholar
  24. World Health Organization. (1986). Ottawa Charter for Health Promotion. Retrieved April 2, 2017, from https://www.who.int/healthpromotion/conferences/previous/ottawa/en/.

Copyright information

© Springer Science+Business Media, LLC, part of Springer Nature 2019

Authors and Affiliations

  1. 1.Universidade Federal do Triângulo Mineiro- UFTMUberabaBrazil

Personalised recommendations